Pai par­ti­ci­pa­ti­vo traz be­ne­fí­ci­os a to­da so­ci­e­da­de

Ao di­vi­dir igual­men­te os cui­da­dos do­més­ti­cos, ho­mens cri­am fi­lhos mais sau­dá­veis e se tor­nam pes­so­as mais fe­li­zes. “No­vo pai” be­ne­fi­cia to­da a so­ci­e­da­de, apon­ta so­ció­lo­ga

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - REPORTAGEM

A pa­ter­ni­da­de ple­na es­tá aju­dan­do a trans­for­mar a fa­mí­lia bra­si­lei­ra.De pro­ve­dor do lar, ho­mem pas­sou a di­vi­dir afa­ze­res do­més­ti­cos com a mu­lher e a se res­pon­sa­bi­li­zar pe­la cri­a­ção dos fi­lhos. Pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, es­se en­vol­vi­men­to con­tri­bui pa­ra o bem-es­tar emo­ci­o­nal e a saú­de fa­mi­li­ar. Ex-jo­ga­dor de fu­te­bol, Emil­son Cri­ba­ri vol­tou ao país e pri­o­ri­za os cui­da­dos com Lo­ren­zo, 11 me­ses, e La­ris­sa, 4 anos

Cri­an­ças com pai par­ti­ci­pa­ti­vo têm in­di­ca­do­res de saú­de mais po­si­ti­vos

Des­de quan­do se ca­sa­ram, o em­pre­sá­rio Ti­a­go Pra­do Lo­ne e a as­sis­ten­te so­ci­al Joy­de Regina Men­des Lo­ne de­ci­di­ram que o me­lhor jei­to de te­rem uma vi­da ple­na e sa­tis­fei­ta se­ria di­vi­dir igual­men­te as ta­re­fas do­més­ti­cas. Por is­so, quan­do Lui­za nas­ceu, di­vi­dir tam­bém os cui­da­dos com a pe­que­na foi na­tu­ral. Co­mo Joy­de fa­zia fa­cul­da­de à noi­te, Ti­a­go as­su­miu os cui­da­dos com a fi­lha ain­da be­bê. Ho­je, pa­ra sor­te de Lui­za – que ain­da não com­ple­tou dois anos – tan­to o pai co­mo a mãe são ple­na­men­te ca­pa­zes de aco­lher to­das as de­man­das da cri­an­ça.

Ti­a­go con­ta que a es­co­lha de se tor­nar um pai ple­no nos cui­da­dos te­ve o prin­ci­pal ob­je­ti­vo de não so­bre­car­re­gar a es­po­sa e ga­ran­tir a ela a pos­si­bi­li­da­de de cres­cer e se de­sen­vol­ver em ou­tras áre­as que não só a ma­ter­ni­da­de. Os be­ne­fí­ci­os da es­co­lha, en­tre­tan­to, re­ca­em ne­le pró­prio, que não ti­nha cer­te­za se que­ria ter fi­lhos e ho­je não tro­ca por na­da a ro­ti­na com Lui­za. “Te­nho ir­mãos e ago­ra que­ro ter mais fi­lhos pa­ra dar a mes­ma opor­tu­ni­da­de à mi­nha fi­lha”, re­ve­la.

Ti­a­go re­pre­sen­ta a ge­ra­ção de pais que, no ca­mi­nho in­ver­so fei­to pe­las mu­lhe­res há al­gu­mas dé­ca­das, quan­do con­quis­ta­ram o mer­ca­do de tra­ba­lho e con­se­quen­te­men­te a vi­da pú­bli­ca, ga­nham ca­da vez mais es­pa­ço na cha­ma­da vi­da pri­va­da. “Com a di­vi­são de res­pon­sa­bi­li­da­des, a ideia é que to­dos na fa­mí­lia pos­sam fa­zer o má­xi­mo de coi­sas que que­rem”, jus­ti­fi­ca ele, que não vê mais es­pa­ço pa­ra o ho­mem que é ape­nas pro­ve­dor na so­ci­e­da­de atu­al.

Na pró­pria in­fân­cia, Ti­a­go con­ta que sem­pre foi bem pró­xi­mo do pai, mas re­co­nhe­ce que as ta­re­fas do­més- ti­cas re­caíam so­bre a mãe. “Eu fa­ço co­mi­da, dou ‘ma­má’ de ma­nhã e à noi­te, tro­co rou­pa, le­vo pa­ra a es­co­la e sou es­pe­ci­a­li­za­do em co­lo­car a Lui­za pa­ra dor­mir”, brin­ca. Da ex­pe­ri­ên­cia de ser pai, ga­ran­te que vi­ve a trans­for­ma­ção das pri­o­ri­da­des e se tor­nou uma pes­soa me­nos in­di­vi­du­a­lis­ta.

A es­po­sa Joy­de re­ve­la que o cui­da­do de Ti­a­go com a fi­lha e com ela pró­pria é mui­to emo­ci­o­nan­te. “Com mui­ta con­ver­sa, a gente se or­ga­ni­za pa­ra nin­guém fi­car so­bre­car­re­ga­do, o que é mui­to bom pa­ra re­du­zir o es­tres­se”, con­ta. A ex­pe­ri­ên­cia de com­par­ti­lhar os cui­da­dos com a fi­lha en­si­nou à mãe, tam­bém, que pa­ra en­vol­ver o par­cei­ro é pre­ci­so dei­xá-lo li­vre pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas. “Ca­da um tem um jei­to de cui­dar, é im­por­tan­te res­pei­tar o jei­to de­le”, en­si­na.

MU­DAN­ÇAS SOCIAIS A so­ció­lo­ga Ma­ri­a­na Aze­ve­do, co­or­de­na­do­ra do Ins­ti­tu­to Pa­pai, afir­ma que as mu­dan­ças so­bre o en­ten­di­men­to do que é ser pai de­ri­vam, de cer­ta for­ma, das mu­dan­ças em re­la­ção ao pa­pel da mu­lher na so­ci­e­da­de, o que já vem ocor­ren­do há vá­ri­as dé­ca­das. “Tem a ver com a des­cons­tru­ção dos pa­péis de gê­ne­ro, da ima­gem do pai pro­ve­dor, pa­tri­ar­cal e que não se en­vol­ve nos cui­da­dos e na vi­da afe­ti­va dos fi­lhos”, ava­lia.

O re­fe­ren­ci­al de pa­ter­ni­da­de, nes­te con­tex­to, pas­sa a ser o do cui­da­do, ao in­vés do pro­vi­men­to fi­nan­cei­ro ou mo­ral. “A eles, por­tan­to, ca­be se en­vol­ver e es­tar pre­sen­te na vi­da do fi­lho com uma vi­são mais igua­li­tá­ria so­bre as res­pon­sa­bi­li­da­des”, afir­ma, des­ta­can­do que o “no­vo pai” be­ne­fi­cia to­da a so­ci­e­da­de.

As mu­lhe­res, so­bre­car­re­ga­das co­mo cui­da­do­ras e tam­bém pro­ve­do­ras, ga­nham a pos­si­bi­li­da­de de vi­ver com me­nos es­tres­se emo­ci­o­nal e fí­si­co e sem o pe­so de se­rem sem­pre co­lo­ca­das no in­jus­to pa­pel de he­roí­nas que dão con­ta de tu­do. As cri­an­ças se be­ne­fi­ci­am sem­pre que há mais uma pes­soa en­vol­vi­da nos cui­da­dos. “Não sig­ni­fi­ca que a cri­an­ça que não tem o pai pre­sen­te se­rá pro­ble­má­ti­ca, mas

vá­ri­as pes­qui­sas apon­tam re­la­ção po­si­ti­va quan­do há du­as pes­so­as aten­tas às ne­ces­si­da­des da cri­an­ça, es­ti­mu­lan­do e cui­dan­do”, de­fen­de.

Cri­an­ças com pai par­ti­ci­pa­ti­vo têm in­di­ca­do­res de saú­de mais po­si­ti­vos e tam- bém se be­ne­fi­ci­am no as­pec­to emo­ci­o­nal. “A cri­an­ça que per­ce­be na fa­mí­lia o pai e a mãe par­ti­ci­pan­do igual­men­te te­rá um exem­plo mais po­si­ti­vo. Is­so in­de­pen­de dos pais se­rem ca­sa­dos ou mes­mo que se­jam dois pais ou du­as mães”, con­si­de­ra.

Pa­ra os ho­mens, o en­vol­vi­men­to no cui­da­do com os fi­lhos traz a pos­si­bi­li­da­de de de­sen­vol­ver ha­bi­li­da­des em uma es­fe­ra da vi­da que cos­tu­ma­va ser mui­to li­mi­ta­da. “Ele vai es­ta­be­le­cer vín­cu­los for­tes com os fi­lhos, o que re­fle­te po­si­ti­va­men­te no bem es­tar do ho­mem, que se­rá mais sau­dá­vel e mais fe­liz. Te­mos vá­ri­os re­la­tos de ho­mens que des­cre­vem a pa­ter­ni­da­de co­mo ga­ti­lho pa­ra re­pen­sar vá­ri­os as­pec­tos da vi­da e re­ver a pró­pria iden­ti­da­de”, con­ta.

Ma­ri­a­na lem­bra, en­tre­tan­to, que pro­mo­ver a mai­or par­ti­ci­pa­ção dos pais no cui­da­do com as cri­an­ças não de­pen­de ape­nas de uma von­ta­de in­di­vi­du­al, mas de po­lí­ti­cas pú­bli­cas que pro­pi­ci­em o en­vol­vi­men­to. Co­mo exem­plo de con­quis­tas nes­te sen­ti­do, ela ci­ta a lei que au­men­ta a li­cen­ça-pa­ter­ni­da­de pa­ra 20 di­as, ape­sar de acre­di­tar na ne­ces­si­da­de de am­pli­ar o di­rei­to a to­dos os tra­ba­lha­do­res, e não só aos li­ga­dos às cha­ma­das em­pre­sas ci­da­dãs, co­mo pre­vê a le­gis­la­ção. A pro­mo­ção do en­vol­vi­men­to dos ho­mens no pré­na­tal, atra­vés do pro­gra­ma “Pré-na­tal do Par­cei­ro”, que in­clui exa­mes de saú­de tam­bém pa­ra o pai, é ou­tro avan­ço, as­sim co­mo a ga­ran­tia da pos­si­bi­li­da­de de gu­ar­da com­par­ti­lha­da. “Ain­da são ne­ces­sá­ri­os mui­tos avan­ços, as pes­so­as pre­ci­sam pen­sar so­bre is­so. A cri­an­ça é res­pon­sa­bi­li­da­de de to­da a so­ci­e­da­de”, diz, ci­tan­do um di­ta­do afri­ca­no pa­ra exem­pli­fi­car tal pon­to de vis­ta. “Quan­do uma cri­an­ça nas­ce, é ne­ces­sá­rio uma al­deia in­tei­ra pa­ra cui­dar de­la.”

Sau­lo oha­ra

An­der­son Co­e­lho

A as­sis­ten­te so­ci­al Joy­de Men­des Lo­ne e o em­pre­sá­rio Ti­a­go Pra­do Lo­ne di­vi­dem as ta­re­fas do­més­ti­cas e os cui­da­dos com a fi­lha Lui­za, de 1 ano: pro­ces­so na­tu­ral

Di­vul­ga­ção

Da­ni­el Pac­ci­ni com a es­po­sa Ma­ria Mu­rad Pac­ci­ni e a fi­lha Maí­sa, de 5 anos: “Exer­cer a pa­ter­ni­da­de é uma de­ci­são do ho­mem”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.