Ono­vo­pai

Folha de Londrina Domingo - - OPINIÃO -

Se as mães mu­da­ram, as­su­min­do pa­peis di­fe­ren­tes na so­ci­e­da­de, o mes­mo acon­te­ceu com os pais. Uma mu­dan­ça cer­ta­men­te é con­sequên­cia da ou­tra. Quan­do a mu­lher saiu de ca­sa pa­ra es­tu­dar e tra­ba­lhar, o ho­mem pas­sou a en­ten­der que o seu pa­pel era mais do que pro­ver fi­nan­cei­ra­men­te a ca­sa. As­sim co­mo di­vi­dir as des­pe­sas do lar, che­gou a ho­ra de di­vi­dir os cui­da­dos e as­su­mir igual­men­te a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la saú­de fí­si­ca e emo­ci­o­nal dos fi­lhos. Lem­bran­do que a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) de­fi­ne saú­de não co­mo a au­sên­cia de do­en­ças, mas o estado de bem-es­tar fí­si­co, men­tal e emo­ci­o­nal. Nes­se Di­as dos Pais, a Fo­lha de Lon­dri­na bus­cou exem­plos de pais que pen­sam di­fe­ren­te so­bre a he­ran­ça que dei­xa­rão aos seus des­cen­den­tes. An­ti­ga­men­te, a pre­o­cu­pa­ção era ga­ran­tir pa­ra a se­gun­da ge­ra­ção pro­pri­e­da­des e di­nhei­ro no ban­co. Pa­ra mui­tas fa­mí­li­as, a con­quis­ta de cur­so uni­ver­si­tá­rio tam­bém era o mai­or le­ga­do. Ho­je o no­vo ho­mem des­cons­truiu a fi­gu­ra pa­tri­ar­cal - que não se en­vol­via com a vi­da afe­ti­va das cri­an­ças - e es­tá pre­sen­te com uma vi­são mais par­ti­ci­pa­ti­va. Uma car­ta pu­bli­ca­da re­cen­te­men­te pe­lo prín­ci­pe Wil­li­am, da In­gla­ter­ra, cha­mou a aten­ção pa­ra es­sa no­va fi­gu­ra pa­ter­na. O no­bre in­glês apro­vei­tou o Dia dos Pais bri­tâ­ni­cos pa­ra re­fle­tir so­bre a res­pon­sa­bi­li­da­de de cui­dar da saú­de men­tal de seus fi­lhos com a mes­ma pri­o­ri­da­de com que cui­da da saú­de fí­si­ca das cri­an­ças. Es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­la reportagem di­zem que as cri­an­ças com pai par­ti­ci­pa­ti­vo têm in­di­ca­do­res de saú­de mais po­si­ti­vos e tam­bém se be­ne­fi­ci­am no as­pec­to emo­ci­o­nal. Na opi­nião des­ses pes­qui­sa­do­res, os be­ne­fí­ci­os vêm pa­ra to­da a fa­mí­lia, pois os ho­mens que se en­vol­vem mais em cui­da­dos com os fi­lhos des­cre­ve­ram a pa­ter­ni­da­de co­mo um ga­ti­lho pa­ra re­pen­sar vá­ri­os as­pec­tos da vi­da e co­mo uma for­ma de re­ver a pró­pria iden­ti­da­de. Ho­je te­mos adul­tos to­man­do de­ci­são so­bre o fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal com ba­se na fa­mí­lia e não pen­san­do ape­nas no as­pec­to ma­te­ri­al. Con­tri­buir pa­ra que as cri­an­ças cres­çam com saú­de, boa ba­se edu­ca­ci­o­nal, se­gu­ran­ça, con­fi­an­ça, equi­lí­brio emo­ci­o­nal e res­pei­to ao pró­xi­mo e ao meio am­bi­en­te é tam­bém uma im­por­tan­te he­ran­ça .

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.