Lo­jis­tas oti­mis­tas, con­su­mi­do­res econô­mi­cos

En­quan­to co­mer­ci­an­tes es­ti­mam cres­ci­men­to de até 8% em ven­das nes­te Dia dos Pais; cli­en­tes ne­go­ci­am mais des­con­tos

Folha de Londrina Domingo - - GERAL - Éri­ka Gon­çal­ves Reportagem Lo­cal

Nem o ven­to ge­la­do na ma­nhã de sá­ba­do es­pan­tou os fi­lhos que fo­ram em bus­ca do pre­sen­te pa­ra o Dia dos Pais. Nas pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã, o mo­vi­men­to foi con­si­de­ra­do fra­co, mas a ex­pec­ta­ti­va dos co­mer­ci­an­tes era que cres­ces­se ao lon­go da tar­de, já que o co­mér­cio fi­ca­ria aber­to em ho­rá­rio es­pe­ci­al, até às 18 ho­ras.

“Equi­pa­ran­do com o ano pas­sa­do ain­da não ti­ve­mos cres­ci­men­to, mas creio que até o fim da­tar de­va­mos con­se­guir re­cu­pe­rar. Nes­te ano, o va­lor das com­pras es­tá um pou­co me­nor em re­la­ção à 2015, as pes­so­as es­tão ne­go­ci­an­do mais, pe­din­do des­con­tos e di- vi­din­do o va­lor da com­pra. Nos­sa ex­pec­ta­ti­va é cres­cer en­tre 5%a 8%”, con­tou a ge­ren­te da Bo­li­var Sport We­ar, Ana Cris­ti­na Be­na.

Se­gun­do ela, a mai­or pro­cu­ra era por tê­nis, ca­mi­se­tas de ti­me de fu­te­bol e ca­mi­sas po­lo, além dos car­tões-pre­sen­te. “Es­se não tem pe­ri­go de er­rar, e apes­soa po­de vi­res co­lher oque qui­ser. A pro­cu­ra tem cres­ci­do por es­se ti­po de pre­sen­te”, afir­mou.

Ou­tra es­co­lha bas­tan­te tra­di­ci­o­nal con­ti­nu­a­va em al­ta nes­se ano: os ce­lu­la­res, prin­ci­pal­men­te os smartpho­nes. Mes­mo com os va­lo­res um pou­co mai­o­res de­vi­do ao au­men­to do dó­lar, mui­ta gente es­ta­va em bus­ca do apa­re­lho. “Ce­lu­la ré o pre­sen­te mais prá­ti­co e a chan­ce de er­rar é pe­que­na, mes­mo­que vo­cê já te­nha sem­pre fi ca­fe li­zem ter um mais mo­der­no, com mais re­cur­sos”, dis­se Apa­re­ci­do Fran­ces­chi­ni, ge­ren­te de uma das lo­jas do Mó­veis Bra­sí­lia.

Te­le­vi­sor, bar­be­a­dor elé­tri­co, cor­ta­dor de ca­be­lo e bar­ba tam­bém fo­ram as op­ções de pre­sen­te pa­ra mui­tos pais, se­gun­do ele. “A mé­dia de gas­to tem fi­ca­do en­tre R $700 e R$ 800, e os con­su­mi­do­res têm pre­fe­ri­do pla­nos de pa­ga­men­to mais cur­to­ses em ju­ros, além de ne­go­ci­a­do des­con­tos. Há três anos que o Dia dos Pais têm si­do mais mo­vi­men­ta­do, se apro­xi­man­do (das ven­das) do Dia das Mães.”

En­tre os con­su­mi­do­res, a pa­la­vra de or­dem era economia, e pa­ra is­so, foi pre­ci­so mui­ta pes­qui­sa de pre­ço. A em­pre­ga­da do­més­ti­ca An­ge­li­ta Al­mei­da apro­vei­tou a com­pa­nhia da ir­mã, a do­na de ca­sa Mar­ta Ma­no­el de Al­mei­da Lis­boa pa­ra com­prar o pre­sen­te do ma­ri­do. “Es­tou pro­cu­ran­do lu­va, ca­pa de frio e coi­sas as­sim por­que ele tra­ba­lha a noi­te. Mas es­tou achan­do tu­do ca­ro e pre­ten­do gas­tar no má­xi­mo R$ 100.”

O pre­sen­te pa­ra o pai de am­bas já ha­via si­do com­pra­do na sex­ta-fei­ra e, se­gun­do Mar­ta, foi pre­ci­so guar­dar di­nhei­ro pa­ra a com­pra. “No ano pas­sa­do não de­mos na­da, ago­ra nos pro­gra­ma­mos pa­ra po­der pre­sen­te­ar.”

A pro­fes­so­ra Gis­le­ne de Cás­sia Bez tam­bém apro­vei­tou a ma­nhã pa­ra ir às com­pras com os fi­lhos Pe­dro Ivo, An­dré Luis e Ivan Lu­cas. O ob­je­ti­vo era con­se­guir com­prar uma cal­ça pa­ra o avô das cri­an­ças e um per­fu­me pa­ra o pai, gas­tan­do no má­xi­mo R$ 250 nos dois pre­sen­tes. “A si­tu­a­ção não es­tá fa­vo­rá­vel, por is­so o va­lor nes­se ano se­rá me­nor”, jus­ti­fi­cou.

Fo­tos: Gus­ta­vo Car­nei­ro

En­tre as op­ções de pre­sen­tes, mui­tos cli­en­tes de­ram pre­fe­rên­cia ao smartpho­ne, pro­du­to que con­ti­nua em al­ta

An­ge­li­ta Al­mei­da con­ta que, es­te ano, ela e a ir­mã Mar­ta Lis­boa se pro­gra­ma­ram e guar­da­ram di­nhei­ro pa­ra com­prar o pre­sen­te do pai

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.