‘Qu­an­do­nas­ce­mos­fi­lhos, a sau­da­de mul­ti­pli­ca’

Após uma car­rei­ra de su­ces­so na Itá­lia, ex-jo­ga­dor de­ci­diu vol­tar a Lon­dri­na pa­ra pri­o­ri­zar a fa­mí­lia

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM - Ca­ro­li­na Avan­si­ni Reportagem Lo­cal

Nas­ci­do em Cam­ba­rá, mas cri­a­do em Lon­dri­na, o ex-jo­ga­dor de fu­te­bol Emil­son Cri­ba­ri cons­truiu uma só­li­da car­rei­ra no ex­te­ri­or. Saí­do do Lon­dri­na Es­por­te Clu­be, on­de ini­ci­ou no es­por­te, pas­sou 13 anos jo­gan­do no dis­pu­ta­do fu­te­bol ita­li­a­no, re­a­li­zou uma tem­po­ra­da no Cru­zei­ro, em Be­lo Ho­ri­zon­te (MG), e de­pois ex­pe­ri­men­tou mais dois anos na Es­có­cia. O su­ces­so pro­fis­si­o­nal trou­xe pres­tí­gio e re­co­nhe­ci­men­to, mas não con­se­guiu mi­ni­mi­zar a sau­da­de que sem­pre sen­tiu dos pais e ir­mãos. Por is­so, após o nas­ci­men­to dos fi­lhos La­ris­sa, de 4 anos, e Lo­ren­zo, de 11 me­ses, Cri­ba­ri to­mou a de­ci­são de não mais so­frer de sau­da­de. “Saí do Bra­sil aos 17 anos e sem­pre sen­ti o pe­so da sau­da­de. Atu­al­men­te, to­das as mi­nhas de­ci­sões pro­fis­si­o­nais são ba­se­a­das na fa­mí­lia”, con­ta.

A dis­tân­cia sem­pre foi o mai­or sa­cri­fí­cio que o es­por­tis­ta fez em no­me da car­rei­ra. “To­das as des­pe­di­das eram mui­to do­lo­ro­sas”, re­cor­da. Quan­do co­nhe­ceu a es­po­sa Ta­li­ta, o na­mo­ro à dis­tân­cia só au­men­tou a von­ta­de de es­tar per­to. Após o ca­sa­men­to, po­rém, foi o nas­ci­men­to da pri­mo­gê­ni­ta La­ris­sa que co­me­çou a des­per­tar em Cri­ba­ri a von­ta­de de pa­rar de vi­a­jar. “Mo­rá­va­mos em Be­lo Ho­ri­zon­te, mas de­ci­di­mos que ela nas­ce­ria em Lon­dri­na pa­ra es­tar­mos per­to da fa­mí­lia. A ca­da tem­pi­nho que eu ti­nha, vi­nha ver mi­nha fi­lha, mes­mo que fos­se por me­nos de 24 ho­ras. Quan­do nas­cem os fi­lhos, a sau­da­de mul­ti­pli­ca”, re­cor­da.

Ao fi­nal da tem­po­ra­da no Cru­zei­ro, os três fo­ram pa­ra a Es­có­cia, on­de Cri­ba­ri e Ta­li­ta apren­de­ram so­zi­nhos to­dos os cui­da­dos com o be­bê. “Nes­ta épo­ca eu já es­ta­va che­gan­do aos 35 anos, me sen­tia mui­to re­a­li­za­do e re­sol­vi que era ho­ra de pas­sar mais tempo com mi­nha fa­mí­lia, in­cluin­do pais e ir­mãos, com quem es­ti­ve por pou­cos mo­men­tos ao lon­go de 15 anos. Tam­bém não que­ria re­pe­tir o pa­drão com os fi­lhos”, re­ve­la. Lo­ren­zo veio lo­go de­pois da de­ci­são de re­tor­nar a Lon­dri­na. To­dos os di­as, as du­as cri­an­ças mos­tram a Cri­ba­ri que a op­ção de es­tar com eles foi a mais acer­ta­da.

“Dou co­mi­da e ba­nho, fa­ço com­pras, brin­co, par­ti­ci­po de to­das as reu­niões da es­co­la e acom­pa­nho as con­sul­tas mé­di­cas. Fi­nal­men­te es­tou vi­ven­do a ro­ti­na que sem­pre so­nhei”, diz. A ale­gria de vi­ver a in­fân­cia dos fi­lhos se re­ve­la em de­ta­lhes co­mo cha­mar pe­lo no­me to­das as bo­ne­cas da fi­lha. “Meu pro­je­to pa­ra os pró­xi­mos cin­co anos é es­tar com eles e me de­di­car aos es­tu­dos pa­ra de­sen­vol­ver uma car­rei­ra de trei­na­dor”, pla­ne­ja.

Ao es­co­lher es­tar per­to dos fi­lhos, o atle­ta es­co­lheu tam­bém mos­trar a eles que es­ta­rá sem­pre dis­po­ní­vel pa­ra aco­lhê-los e apoiá-los.“Mas tam­bém vou en­si­ná-los a cor­rer atrás dos pró­pri­os so­nhos, co­mo meu pai fez co­mi­go”, avi­sa ele, que já pla­ne­ja ter mais um fi­lho.

BEM-ESTAREMOCIONAL Ta­nia Pa­ris, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Pe­la Saú­de Emo­ci­o­nal das Cri­an­ças (Asec), afir­ma que a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) de­fi­ne que saú­de não é me­ra­men­te a au­sên­cia de do­en­ças, mas o estado de bem-es­tar fí­si­co, men­tal e so­ci­al. O pai afe­ti­vo, por­tan­to, co­la­bo­ra pa­ra ga­ran­tir que a cri­an­ça te­nha bem-es­tar emo­ci­o­nal e, con­se­quen­te­men­te, a boa saú­de.“Es­sa é uma gran­de he­ran­ça que os pais po­dem dei­xar pa­ra os fi­lhos”, ex­pli­ca ela, men­ci­o­nan­do uma car­ta do prín­ci­pe Wil­li­am, da In­gla­ter­ra, no Dia dos Pais bri­tâ­ni­co.

“Ho­je co­me­mo­ro meu ter­cei­ro Dia dos Pais. Não é ape­nas o dia em que ce­le­bro quão aben­ço­a­do eu sou pe­la mi­nha jo­vem fa­mí­lia, mas tam­bém um dia pa­ra pen­sar no quan­to eu apren­di so­bre a pa­ter­ni­da­de e as ques­tões en­fren­ta­das pe­los pais. É o mo­men­to de re­fle­tir so­bre a mi­nha res­pon­sa­bi­li­da­de de cui­dar não só da saú­de fí­si­ca dos meus dois fi­lhos, mas tam­bém de tra­tar a saú­de men­tal de­les co­mo uma pri­o­ri­da­de igual­men­te im­por­tan­te”, dis­se ele.

Ta­nia re­for­ça que ca­be ao pai dar a de­vi­da im­por­tân­cia aos sen­ti­men­tos da cri­an­ça. “Se ela es­tá re­traí­da, tris­te ou cho­ra por qual­quer coi­sa, o pai tem que con­si­de­rar”, afir­ma, re­co­nhe­cen­do que pa­ra os ho­mens é mais di­fí­cil ma­ni­fes­tar os sen­ti­men­tos por­que a edu­ca­ção tra­di­ci­o­nal ain­da en­si­na que “ho­mem não cho­ra”. “É pre­ci­so su­pe­rar es­te es­te­reó­ti­po e con­ver­sar so­bre os sen­ti­men­tos dos fi­lhos com na­tu­ra­li­da­de”, acre­di­ta.

Ta­nia lem­bra que a cri­an­ça tem to­dos os sen­ti­men­tos de um adul­to e que, por­tan­to, uma si­tu­a­ção di­fí­cil po­de tra­zer for­te so­fri­men­to. “Quan­do o pai aco­lhe, es­tá en­si­nan­do que não exis­tem sen­ti­men­tos er­ra­dos, to­dos po­dem aflo­rar. Se a cri­an­ça sen­te me­do, por exem­plo, o pai de­ve abra­çar e se co­lo­car à dis­po­si­ção pa­ra aju­dar a pas­sar mais rá­pi­do”, acre­di­ta.

A es­pe­ci­a­lis­ta des­ta­ca que os pais mais sen­sí­veis são uma ne­ces­si­da­de do mun­do atu­al, mar­ca­do pe­la de­su­ma­ni­za­ção. “Quan­to mais es­tres­san­te a vi­da, mais ne­ces­sá­rio é mos­trar à cri­an­ça o la­do de aco­lher os sen­ti­men­tos. O uso exa­ge­ra­do de tec­no­lo­gi­as atro­fia a ca­pa­ci­da­de de se re­la­ci­o­nar. As ques­tões di­fí­ceis da vi­da são re­sol­vi­das com con­ver­sa olho no olho”, pe­de.

Sau­lo Oha­ra

“Dou co­mi­da e ba­nho, fa­ço com­pras, brin­co, par­ti­ci­po das reu­niões da es­co­la... Fi­nal­men­te es­tou vi­ven­do a ro­ti­na que sem­pre so­nhei”, diz o ex-jo­ga­dor Emil­son Cri­ba­ri, pai de Lo­ren­zo, 11 me­ses, e La­ris­sa, 4 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.