OAB pre­pa­ra pro­pos­ta de re­for­ma po­lí­ti­ca

Pre­si­den­te na­ci­o­nal diz que en­ti­da­de quer ir além da ação que ge­rou a proi­bi­ção de do­a­ções de em­pre­sas

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - ENTREVISTA

Au­to­ra da ação que ge­rou a prin­ci­pal mu­dan­ça no ce­ná­rio elei­to­ral bra­si­lei­ro dos úl­ti­mos tem­pos – o fim do fi­nan­ci­a­men­to em­pre­sa­ri­al das cam­pa­nhas po­lí­ti­cas -, a Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB) quer ir além, e seu pre­si­den­te, Cláu­dio La­ma­chia, já anun­cia que um pa­co­te de me­di­das que tra­te de to­dos os gar­ga­los da le­gis­la­ção se­rá es­tu­da­do e pro­pos­to pe­lo Con­se­lho Fe­de­ral. “Eu acre­di­to que nos pró­xi­mos 60 ou 90 di­as pos­sa­mos ofe­re­cer à so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra al­go ob­je­ti­vo”, dis­se o ad­vo­ga­do gaú­cho, que par­ti­ci­pou na se­ma­na pas­sa­da do 4º Fó­rum Re­gi­o­nal de Prer­ro­ga­ti­vas dos Ad­vo­ga­dos, re­a­li­za­do em Lon­dri­na.

Na pre­si­dên­cia da en­ti­da­de há se­te me­ses, o ad­vo­ga­do lem­brou que a OAB lan­çou, pa­ra as eleições des­te ano, a cam­pa­nha de vo­to cons­ci­en­te e tem man­ti­do ou­tra con­tra o cai­xa 2, a con­ta­bi­li­da­de pa­ra­le­la das cam­pa­nhas elei­to­rais pro­ve­ni­en­te de do­a­ções es­cu­sas. Co­bran­do dos elei­to­res mais cons­ci­ên­cia e, es­pe­ci­al­men­te, que co­nhe­çam o can­di­da­to es­co­lhi­do, o pre­si­den­te da OAB es­pe­ra eleições mais ba­ra­tas e sob fis­ca­li­za­ção cer­ra­da dos ór­gãos ofi­ci­ais e da po­pu­la­ção.

La­ma­chia foi en­fá­ti­co ao de­fen­der as prer­ro­ga­ti­vas dos ad­vo­ga­dos, que, se­gun­do ele, têm si­do fre­quen­te­men­te des­res­pei­ta­das por au­to­ri­da­des que, por exem­plo, im­pe­dem os pro­fis­si­o­nais de aces­sar inqué­ri­tos e pro­ces­sos e de man­ter con­ta­to com cli­en­tes pre­sos. “Te­mos pro­je­to, que é de­fen­di­do pe­la OAB, que vi­sa cri­mi­na­li­zar o des­res­pei­to a prer­ro­ga­ti­vas da profissão do ad­vo­ga­do”, re­la­tou.

Po­rém, foi re­ti­cen­te ao co­men­tar te­mas mais po­lê­mi­cos, so­bre os quais a OAB ain­da não se pro­nun­ci­ou: o pa­co­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral que pre­vê dez se­ve­ras me­di­das pa­ra com­ba­ter a cor­rup­ção e o pro­je­to de lei de abu­so de au­to­ri­da­de, al­vo de crí­ti­cas da ma­gis­tra­tu­ra e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, sob o ar­gu­men­to de que o tex­to po­de re­pre­sen­tar in­ti­mi­da­ção à atu­a­ção de juí­zes, pro­mo­to­res e de­le­ga­dos.

Co­mo vai ser a atu­a­ção da OAB nas eleições mu­ni­ci­pais des­te ano?

Diz-se que o Bra­sil vi­ve ho­je uma cri­se po­lí­ti­ca e uma cri­se econô­mi­ca. Eu acho que o que nós vi­ve­mos é uma cri­se mo­ral sem pre­ce­den­tes e exa­ta­men­te por es­ta cri­se que es­ta­mos vi­ven­do, com to­das as de­nún­ci­as e com tu­do o que es­tá acon­te­cen­do, no­ta­da­men­te, com a clas­se po­lí­ti­ca, é fun­da­men­tal que se­ja pos­sí­vel, num ano elei­to­ral, que a so­ci­e­da­de te­nha a cons­ci­ên­cia exa­ta do que sig­ni­fi­ca o seu po­der ao vo­tar. A Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral diz que o po­der ema­na do po­vo e é fa­to. Nós que ele­ge­mos os que nos re­pre­sen­tam por for­ça da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. Po­rém, quan­do fa­ze­mos uma ava­li­a­ção crí­ti­ca do mo­men­to atu­al, pre­ci­sa­mos tam­bém fa­zer um mea cul­pa en­quan­to ci­da­dãos por­que nós so­mos os mai­o­res res­pon­sá­veis ho­je pe­los “edu­ar­dos cu­nhas” que te­mos no Con­gres­so Na­ci­o­nal, por­que nós os ele­ge­mos; o pre­si­den­te afas­ta­do da Câ­ma­ra foi elei­to no Rio de Ja­nei­ro, um estado al­ta­men­te po­li­ti­za­do, por um con­tin­gen­te sig­ni­fi­ca­ti­vo de pes­so­as. O que nós, co­mo en­ti­da­de, pre­ten­de­mos fa­zer nes­te ano elei­to­ral, por for­ça de to­da es­ta re­fle­xão que eu es­ta­va fa­zen­do, é lan­çar uma cam­pa­nha de cons­ci­en­ti­za­ção e de va­lo­ri­za­ção do vo­to, a par­de uma ou­tra cam­pa nha­que nós te­mos, que é uma cam­pa­nha de com­ba­te ao cai­xa 2. A con­sequên­cia de uma es­co­lha mal fei­ta é exa­ta­men­te es­se qua­dro que ve­mos ho­je na po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. Nós que­re­mos cons­ci­en­ti­za­ra ad­vo­ca­cia e a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra­da im­por­tân­cia que tem o vo­to: vo­to não tem pre­ço, vo­to tem con­sequên­cia. Por­que es­ta é agran­de ma­ne ira­que nós te­mos de­mu­da­res te ce­ná­rio. Não exis­te ou­tra ma­nei­ra. Cla­ro que nós te­mos que pu­nir, que es­sas pes­so­as têm que ser in­ves­ti­ga­das, e de­pois do de­vi­do pro­ces­so le­gal de­vem pa­gar pe­los seus atos aque­les que fo­rem con­de­na­dos, mas não é só is­so que vai re­sol­ver. O fun­da­men­tal e in­dis­pen­sá­ve léa cons­ci­en­ti­za­ção da so­ci­e­da­de. O ci­da­dão ao vo­tar tem que sa­ber quem é aque­la pes­soa que ele es­tá ele­gen­do pa­ra re­pre­sen­tá-lo.

Es­ta se­rá a pri­mei­ra elei­ção sob a vi­gên­cia da proi­bi­ção das do­a­ções de em­pre­sas. Qu­al a ex­pec­ta­ti­va? Al­guns acre­di­tam que as do­a­ções ile­gais vão au­men­tar...

Eu acre­di­to que não, que não ha­ve­rá au­men­to do cai­xa 2. Eu acre­di­to que a ideia de fis­ca­li­za­ção é exa­ta­men­te pa­ra que nós pos­sa­mos nes­te pri­mei­ro mo­men­to de­mons­trar aos po­lí­ti­cos que vai ha­ver, sim, um con­tro­le mui­to gran­de so­bre as su­as cam­pa­nhas elei­to­rais, so­bre os gas­tos que se­rão fei­tos. Ho­je nós te­mos li­mi­ta­do­res, os po­lí­ti­cos têm 72 ho­ras pa­ra lan­çar seus gas­tos na in­ter­net, nos tri­bu­nais re­gi­o­nais elei­to­rais. Se­rá um me­ca­nis­mo ex­tra­or­di­ná­rio pa­ra o ci­da­dão acom­pa­nhar e, com is­so, ca­da ci­da­dão po­de se tor­nar um fis­cal. Sem dú­vi­da ne­nhu­ma que é uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma e, sen­do as­sim, nós te­mos que acom­pa­nhar pa­ri pas­su. E, por is­so, a OAB tem um pro­je­to nes­te sen­ti­do, de cri­mi­na­li­zar o cai­xa 2 de cam­pa­nha. Nós es­ta­mos atu­an­do em to­das as pon­tas.

Além dis­so, o que mais pre­ci­sa mu­dar na le­gis­la­ção elei­to­ral, ain­da que te­nha ha­vi­do mu­dan­ças no ano pas­sa­do?

A re­for­ma que foi fei­ta não foi re­for­ma. Foi um pa­li­a­ti­vo. Não ti­ve­mos uma re­for­ma elei­to­ral. O que nós ti­ve­mos foi uma re­for­ma via de­ci­são do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) a par­tir do ajui­za­men­to de uma ação da OAB so­bre o fim do fi­nan­ci­a­men­to das cam­pa­nhas pe­las em­pre­sas. Pau­tei no Ple­no do Con­se­lho Fe­de­ral da OAB es­se te­ma da re­for­ma po­lí­ti­ca. Eu que­ro pro­du­zir, no âm­bi­to do Con­se­lho Fe­de­ral, uma pro­pos­ta de re­for­ma po­lí­ti­ca que ve­nha da OAB; que a OAB pos­sa se ma­ni­fes­tar so­bre vo­to dis­tri­tal, vo­to dis­tri­tal mis­to, vo­to dis­tri­tal pu­ro, re­e­lei­ção.

Tem um pra­zo pa­ra is­so? Es­se de­ba­te já es­tá acon­te­cen­do?

Eu gos­ta­ria de­ter is­so dis­cu­ti­do no âm­bi­to da OAB com a mai­or ra­pi­dez pos­sí­vel. Eu acre­di­to que nos pró­xi­mos 60, 90 di­as nós pos­sa­mos ofe­re­cer à so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra al­go ob­je­ti­vo, que par­ta de uma pro­pos­ta da OAB.

No ce­ná­rio na­ci­o­nal, pas­sa­mos por um pro­ces­so de afas­ta­men­to da pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e a pos­se do pre­si­den­te in­te­ri­no. Al­guns se­to­res de­fen­dem no­vas eleições. É pos­sí­vel?

A OAB ma­ni­fes­tou-se so­bre to­dos os te­mas que che­ga­ram até ela. Nos ma­ni­fes­ta­mos so­bre o im­pe­a­ch­ment, so­bre o afas­ta­men­to ime­di­a­to do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, pe­la cas­sa­ção do pre­si­den­te Edu­ar­do Cu­nha, re­que­re­mos a cas­sa­ção do Del­cí­dio do Ama­ral... A OAB tem en­fren­ta­do to­dos os te­mas. A OAB não é nem do go ver­non em da opo­si­ção. A OAB per­ten­ce aos ci­da­dãos e aos ad­vo­ga­dos. O par­ti­do da OAB é o Bra­sil e a nos­sa ide­o­lo­gia tem ques era Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. So­bre as eleições, nós tam­bém en­ten­de­mos que há uma ca­rên­cia de le­gi­ti­mi­da­de, sem dú­vi­da ne­nhu­ma. Sem dú­vi­da ne­nhu­ma que nós te­ría­mos um bom avan­ço na me­di­da em que nós pu­dés­se­mos de­vol­ver à so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra a pos­si­bi­li­da­de da so­ci­e­da­de es­co­lher no­va­men­te seus go­ver­nan­tes a par­tir do vo­to di­re­to. Ocor­re que nós tam­bém te mos­que res­pei­ta­ra Cons­ti­tui­ção e a Cons­ti­tui­ção não dá aber­tu­ra pa­ra es­te pro­ces­so nes­te mo­men­to.

Qu­al a po­si­ção da OAB so­bre a Lei de Abu­so de Au­to­ri­da­de?

Nós es­ta­mos com a dis­cus­são des­se pro­je­to pau­ta­da tam­bém no Ple­no do Con­se­lho Fe­de­ral. Pos­si­vel­men­te, tam­bém, na pró­xi­ma ses­são do Con­se­lho Fe­de­ral, nós es­ta­re­mos de­ba­ten­do um pou­co o pro­je­to de abu­so de au­to­ri­da­de. Mas nós te­mos um ou­tro pro­je­to que es­tá no Con­gres­so e que é de­fen­di­do pe­la OAB, por­que foi apre­sen­ta­do pe­la OAB, que vi­sa cri­mi­na­li­zar o des­res­pei­to a prer­ro­ga­ti­vas da profissão do ad­vo­ga­do. Is­so sig­ni­fi­ca que quan­do um ma­gis­tra­do, um de­le­ga­do de po­lí­cia, um mem­bro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co não der aces­so a um pro­ces­so a um ad­vo­ga­do, ele es­ta­rá co­me­ten­do um des­res­pei­to à prer­ro­ga­ti­va do pro­fis­si­o­nal e po­de­rá res­pon­der cri­mi­nal­men­te.

Quais as ações que de­ve­ri­am ser cri­mi­na­li­za­das?

Im­pe­dir aces­so aos au­tos, im­pe­dir o ad­vo­ga­do de aces­so aos seus cli­en­tes. Dia des­ses ti­ve­mos um ca­so em­ble­má­ti­co. O Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça bai­xou por­ta­ria li­mi­tan­do o aces­so do ad­vo­ga­do ao cli­en­te. Fo­mos ao mi­nis­té­rio, que re­vo­gou a por­ta­ria. Por­que é um di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal de to­do ci­da­dão ter um ad­vo­ga­do. Es­se des­res­pei­to às prer­ro­ga­ti­vas tem acon­te­ci­do com frequên­cia.

E qu­al a ava­li­a­ção so­bre as dez me­di­das con­tra a cor­rup­ção pro­pos­tas pe­lo MPF?

No­ta­da­men­te nes­sa ques­tão do pro­je­to de abu­so de au­to­ri­da­de, das dez me­di­das, as pes­so­as olham e di­zem: “Quem es­tá con­tra as dez me­di­das es­tá, de al­gu­ma for­ma, con­tra o com­ba­te à cor­rup­ção e à im­pu­ni­da­de”. Is­so é um equí­vo­co ab­sur­do. A or­dem tem um com­pro­mis­so com o com­ba­te à cor­rup­ção, com o com­ba­te à im­pu­ni­da­de, com a mo­ra­li­da­de, com a éti­ca na po­lí­ti­ca. Is­so é um com­pro­mis­so da or­dem de mui­tos anos. A OAB tem 85 anos de his­tó­ria e de re­le­van­tes ser­vi­ços pres­ta­dos pa­ra o Bra­sil. Vou dar um exem­plo, so­bre es­sa de­fe­sa das dez me­di­das. Uma des­sas me­di­das pro­põe que se va­li­de pro­va ilí­ci­ta, pro­va pro­du­zi­da por meio ilí­ci­to. Is­to não é bom no estado de­mo­crá­ti­co de di­rei­to por­que na me­di­da que se va­li­dar uma pro­va ilí­ci­ta pa­ra um ban­di­do se po­de va­li­dar es­ta pro­va pa­ra uma pes­soa de bem...

O pa­co­te in­tei­ro das dez me­di­das é ruim?

O pa­co­te das dez me­di­das tem inú­me­ros te­mas que fo­ram apre­sen­ta­dos in­clu­si­ve no pa­co­te da OAB, que apre­sen­tou já há bas­tan­te tempo ao Con­gres­so Na­ci­o­nal. Nós tam­bém te­mos con­tri­buí­do de for­ma di­re­ta e ob­je­ti­va com al­guns pro­ces­sos. Te­mos que ana­li­sar ca­so a ca­so.

A re­for­ma que foi fei­ta não foi re­for­ma.Foi um pa­li­a­ti­vo. Não ti­ve­mos uma re­for­ma elei­to­ral”

Mar­cos Za­nut­to

Cláu­dio La­ma­chia, pre­si­den­te da OAB

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.