A fun­ção pa­ter­na e adel in quên­cia

Folha de Londrina Domingo - - OPINIÃO - Syl­vio do Ama­ral Sch­rei­ner

Em vá­ri­as pes­qui­sas fei­tas no Bra­sil e em ou­tros paí­ses foi vis­to que, mais ou me­nos, dois ter­ços de to­dos os jo­vens in­fra­to­res e de­lin­quen­tes não ti­nham a fi­gu­ra pa­ter­na pre­sen­te. Dois ter­ços é um nú­me­ro ex­pres­si­vo e que mos­tra que sem a fun­ção pa­ter­na mui­tas coi­sas po­dem de­san­dar no de­cor­rer do de­sen­vol­vi­men­to das pes­so­as. Mas o que sig­ni­fi­ca es­sa fun­ção pa­ter­na?

Em pri­mei­ro lu­gar o que im­por­ta não é o pai em si ape­nas, mas a fun­ção pa­ter­na. Es­ta po­de ser exer­ci­da por ou­tros ho­mens ou até por mu­lhe­res. A mes­ma coi­sa é vá­li­da pa­ra a fun­ção ma­ter­na. Não é a mãe, pes­soa con­cre­ta tão-so­men­te que tem va­lor, mas a fun­ção ma­ter­na. Pai e mãe, pes­so­as, são ex­tre­ma­men­te im­por­tan­tes, ape­nas en­quan­to exer­cem a fun­ção pa­ren­tal. Não ter pai ou mãe pre­sen­tes im­pli­ca, en­tão, não ter a fun­ção pre­sen­te.

Pa­ra a psi­ca­ná­li­se, a fun­ção pa­ter­na é aque­la que que­bra al­guns en­ga­nos que vão se cri­an­do e ti­do co­mo ver­da­des ao lon­go do cres­ci­men­to, bem co­mo aju­da a es­ta­be­le­cer a in­ter­na­li­za­ção da lei. Sem a fun­ção pa­ter­na, uma pes­soa fi­ca sem lei den­tro de si e pos­sui­dor de uma ideia equi­vo­ca­da de si mes­mo e de co­mo o mun­do fun­ci­o­na.

Bem no iní­cio da vi­da o be­bê é o cen­tro de to­das as aten­ções. To­dos os olha­res con­ver­gem pa­ra ele, pa­ra as su­as gra­ci­nhas, pa­ra su­as ma­nhas e mo­vi­men­tos. Nem po­de­ria ser di­fe­ren­te. Sem to­da es­sa aten­ção o be­bê te­ria seu de­sen­vol­vi­men­to com­pro­me­ti­do por­que não re­ce­be­ria in­ves­ti­men­tos afe­ti­vos e nem se­ria es­ti­mu­la­do apro­pri­a­da­men­te. Nos pri­mei­ros anos de vi­da a cri­an­ça pe­que­na é ti­da co­mo um pe­que­no rei, cu­jas von­ta­des e ne­ces­si­da­des são pron­ta­men­te aten­di­das. Não é sur­pre­en­den­te que o pe­que­no ado­ra es­sa po­si­ção e não que­re­rá per­dê-la ja­mais. Con­tu­do, a cri­an­ça vai cres- cen­do e fi­car nes­sa po­si­ção de im­pe­ra­dor não dá. Afi­nal, a vi­da tam­bém apre­sen­ta, e mui­tas, frus­tra­ções e li­mi­ta­ções aos nos­sos de­se­jos. En­tre­tan­to, a cri­an­ça só vai apren­der a acei­tar is­so se hou­ver con­ta­to com a fun­ção pa­ter­na.

Nes­se mo­men­to, o pai ou al­guém que exer­ça es­sa fun­ção in­tro­du­zi­rá um cor­te nas ilu­sões da cri­an­ça de que é um pe­que­no rei. A fun­ção pa­ter­na mos­tra que o mun­do é vas­to e tem ou­tras pes­so­as que tam­bém têm di­rei­tos e que vão mui­to além da cri­an­ça. Mos­tra tam­bém que nem to­dos os de­se­jos po­dem ou de­vem ser aten­di­dos e que al­guns de­les é me­lhor, pa­ra si mes­mo e pa­ra o mun­do, re­fre­ar. É nes­ses ins­tan­tes que se for­ma a no­ção de lei. E lei aqui não é no sen­ti­do ju­rí­di­co, mas no sen­ti­do de que nem tu­do nes­sa vi­da se po­de só por­que as­sim que­re­mos e que na vi­da sem­pre há um pre­ço a se pa­gar.

Es­sa fun­ção quan­do bem in­ter­na­li­za­da e vi­vi­da, com fir­me­za, amor e de­li­ca­de­za, aju­da a cri­an­ça a ser um ser hu­ma­no. Ela en­ten­de­rá que há li­mi­tes os quais não há co­mo ul­tra­pas­sar sob o ris­co de co­lo­car mui­tas coi­sas em pe­ri­go e de­sen­vol­ve­rá um sen­ti­do de res­pei­to aos ou­tros e a si mes­mo. A lei se tor­na­rá in­ter­na e pro­mo­to­ra de vi­da. O opos­to, quan­do não há uma ex­pe­ri­ên­cia de fun­ção pa­ter­na sa­tis­fa­tó­ria dei­xa­rá o su­jei­to en­tre­gue aos pró­pri­os im­pul­sos e es­tes são pri­mi­ti­vos e de na­tu­re­za ti­râ­ni­ca, que exi­gem ser aten­di­dos pron­ta­men­te, qual­quer que se­ja o cus­to. Daí que se co­me­ça a de­linquên­cia. To­do de­lin­quen­te não tem den­tro de si a fun­ção pa­ter­na, não tem lei e ape­sar de não ser mais um be­bê vi­ve co­mo se fos­se um, cheio de von­ta­des. Pa­ra eles, to­do ato e de­se­jo é sen­ti­do co­mo lí­ci­to. Sem a fun­ção pa­ter­na, a ci­vi­li­za­ção cor­re ris­co.

SYL­VIO DO AMA­RAL SCH­REI­NER

é psi­co­te­ra­peu­ta em Lon­dri­na

Sem a fun­ção pa­ter­na uma pes­soa fi­ca sem lei den­tro de si e pos­sui­dor de uma ideia equi­vo­ca­da de si mes­mo e de co­mo o mun­do fun­ci­o­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.