SO­NHOS-

Jo­el Ra­bel­lo vol­tou a es­tu­dar após 40 anos afas­ta­do das sa­las de au­la e no dia 30 de agos­to re­ce­be o di­plo­ma de Ci­ên­ci­as So­ci­ais

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - Si­mo­ni Sa­ris Re­por­ta­gem Lo­cal

Há cin­co anos, Jo­elVi­a­na Ra­bel­lo dei­xou a pro­fis­são de me­câ­ni­co e vol­tou a es­tu­dar após qua­tro dé­ca­das afas­ta­do das sa­las de au­la. Con­cluiu o en­si­no mé­dio, en­trou no cur­so de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e no fi­nal do mês par­ti­ci­pa da so­le­ni­da­de de Co­la­ção de Grau. E quer mais: “Ago­ra é que vai fi­car bom”

Há mais de cin­co anos, Jo­el Vi­a­na Ra­bel­lo ou­viu um afo­ris­mo que o mo­ti­vou a bus­car uma ou­tra di­re­ção pa­ra a sua vi­da. Al­guém de­fi­niu co­mo in­com­pe­tên­cia a ten­ta­ti­va de ob­ter re­sul­ta­dos di­fe­ren­tes fa­zen­do as mes­mas coi­sas to­dos os di­as. Na épo­ca, ele es­ta­va in­sa­tis­fei­to com a sua re­a­li­da­de. Per­ce­beu que se não trans­for­mas­se sua con­du­ta, con­ti­nua- ria re­cla­man­do da vi­da e da fal­ta de opor­tu­ni­da­des. Foi quan­do dei­xou de ser me­câ­ni­co, ar­ran­jou um em­pre­go co­mo por­tei­ro e, após 40 anos afas­ta­do das sa­las de au­la, vol­tou a es­tu­dar.

Ma­tri­cu­lou-se na Edu­ca­ção de Jo­vens e Adul­tos pa­ra con­cluir o en­si­no mé­dio, cur­sou o pré-ves­ti­bu­lar da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na (UEL) e, em 2011, aos 59 anos de ida­de, foi apro­va­do no cur- so de Ci­ên­ci­as So­ci­ais. No pró­xi­mo dia 30 de agos­to, Jo­el par­ti­ci­pa da so­le­ni­da­de de Co­la­ção de Grau e não es­con­de o con­ten­ta­men­to de ves­tir a be­ca e re­ce­ber o tão so­nha­do di­plo­ma.“A gente tem uma ga­ve­ta on­de guar­da os so­nhos e, de vez em quan­do, tem que ti­rar os so­nhos de lá.”

Jo­el des­co­briu na aca­de­mia um no­vo mun­do que lhe des­ven­dou o co­nhe­ci­men­to acer­ca de as­sun­tos so­bre os quais sem­pre quis se apro­fun­dar. A uni­ver­si­da­de, diz ele, su­pe­rou su­as ex­pec­ta­ti­vas. “Is­so aqui é um es­pa­ço de apren­di­za­do for­tís­si­mo, on­de vo­cê con­se­gue ter um co­nhe­ci­men­to mui­to gran­de da vi­da co­mo um to­do, do mer­ca­do de tra­ba­lho, do ca­pi­ta­lis­mo.”

A vi­da aca­dê­mi­ca, no en­tan­to, não foi fá­cil e trou­xe mui­tos de­sa­fi­os des­de o iní­cio do cur­so. O mai­or de­les era ter de tra­ba­lhar o dia to­do, ir di­re­to pa­ra a fa­cul­da­de, sair da uni­ver­si­da­de por vol­ta das 23 ho­ras e, no dia se­guin­te, ter de es­tar­bem­ce­do­no­va­men­te­no tra­ba­lho. Mas o lon­go tem­po que per­ma­ne­ceu lon­ge dos li­vros tam­bém trou­xe al­guns per­cal­ços. Jo­el se lem­bra, com bom hu­mor, do pri­mei­ro tra­ba­lho en­tre­gue. “A pro­fes­so­ra fa­lou que ia con­si­de­rar que eu fiz, mas que não iria to­car a mão ne­le. Era mui­to mal fei­to, es­cri­to a mão, sem ca­pa. Fiz da ma­nei­ra que eu achei que era. Não sa­bia que a aca­de­mia exi­gia uma ca­pa es­pe­cí­fi­ca pa­ra o tra­ba­lho, que ti­nha que ser di­gi­ta­do e nas nor­mas da ABNT (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Nor­masTéc­ni­cas).”

Pa­ra su­pe­rar as di­fi­cul­da­des, o apoio dos co­le­gas de tur­ma foi fun­da­men­tal, re­co­nhe­ce Jo­el. “Ti­ve o pri­vi­lé­gio de en­con­trar aqui den­tro da UEL jo­vens que es­tu­da­ram co­mi­go, a quem eu cha­mo de fi­lhos, que fo­ram meus par­cei­ros. As­su­mi­ram mi­nha cau­sa, me aju­da­ram mui­to e in­ter­fe­ri­ram di­re­ta­men­te no que eu es­tou con­quis­tan­do ho­je”, dis­se. “Os pro­fes­so­res tam­bém fo­ram fan­tás­ti­cos. Eles não me fa­vo­re­ce­ram, creio que não por­que até re­pro­vei em al­gu­mas dis­ci­pli­nas. Mas ti­ve­ram um olhar di­fe­ren­ci­a­do e fo­ram mui­to pa­ci­en­ci­o­sos co­mi­go por­que sa- bi­am que eu não es­ta­va no mes­mo rit­mo dos ou­tros co­le­gas.”

Mas Jo­el nun­ca pen­sou em de­sis­tir. “A gente tem fi­lhos, tem um mon­te de pes­so­as que se tor­nam ver­da­dei­ros mo­to­res pa­ra vo­cê se­guir. Aque­les que fa­la­ram que não adi­an­ta­va, tam­bém são com­bus­tí­veis. Aos que acre­di­ta­ra­mem­mim,eu­ti­ve­que­di­zer que eles es­ta­vam cer­tos. Aos que não acre­di­ta­ram, eu ti­ve que pro­var que eu era ca­paz”, dis­se. “Al­gu­mas pes­so­as fa­la­ram: ‘Jo­el, vo­cê es­tá ve­lho, vai es­tu­dar?’. A es­ses eu sem­pre res­pon­di que qua­tro ou cin­co anos pas­sam de qual­quer jei­to. Se eu es­ti­ver es­tu­dan­do, vai pas­sar. Se eu não es­ti­ver es­tu­dan­do, vai pas­sar tam­bém. En­tão, eu vou cor­rer atrás de uma coi­sa que qu­e­ro fa­zer.”

No dia 8, quan­do Jo­el foi à uni­ver­si­da­de pa­ra en­tre­gar o úl­ti­mo tra­ba­lho da úl­ti­ma dis­ci­pli­na, fi­cou emo­ci­o­na­do ao re­lem­brar de to­da a tra­je­tó­ria per­cor­ri­da até aqui. “Na ho­ra em que eu che­guei ao car­ro pa­ra ir em­bo­ra pen­sei que não era re­al e me emo­ci­o­nei. Da­qui pa­ra fren­te eu te­nho con­di­ções de cons­truir uma no­va fa­se da mi­nha his­tó­ria.”

Ago­ra, per­to de com­ple­tar 65 anos, Jo­el se pre­pa­ra pa­ra tro­car de lu­gar, dei­xan­do de ser alu­no pa­ra co­me­çar a atu­ar co­mo pro­fes­sor de so­ci­o­lo­gia no en­si­no mé­dio. Um ami­go, do­no de uma es­co­la, ofe­re­ceu a ele uma opor­tu­ni­da­de de es­tá­gio. “A fa­cul­da­de não é um fim. Ago­ra é que vai co­me­çar. Ago­ra é que vai fi­car bom”, dis­se, sor­ri­den­te.

So­bre a ex­pec­ta­ti­va pa­ra a Co­la­ção­deG­rau,Jo­el­tam­bém não es­con­de o or­gu­lho de ter ti­do dis­po­si­ção pa­ra mu­dar o cur­so de sua vi­da. “Eu só via for­man­dos de be­ca nos fil­mes. Ago­ra sou eu o ator.”

Agen­te­te­mu­ma­ga­ve­ta­on­de guar­da­os­so­nho­se,de­ve­zem­quan­do, tem­que­ti­ra­ros­so­nhos­de­lá”

Cel­so Pa­che­co

Cel­so Pa­che­co

“A fa­cul­da­de não é um fim. Ago­ra é que vai co­me­çar; ago­ra é que vai fi­car bom”, diz Jo­el que, aos 65 anos, se pre­pa­ra pa­ra atu­ar co­mo pro­fes­sor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.