GI­GAN­TE PA­RA UM GI­GAN­TE -

Pal­co das mai­o­res con­quis­tas do Tu­ba­rão, es­tá­dio com­ple­ta ama­nhã qua­tro dé­ca­das de his­tó­ria; construído pa­ra par­ti­ci­pa­ção do LEC no Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro, lo­cal vol­tou a re­ce­ber ben­fei­to­ri­as no re­tor­no do al­vi­ce­les­te à Sé­rie B

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - Lucio Flá­vio Cruz Re­por­ta­gem Lo­cal

Pal­co das mai­o­res con­quis­tas do Lon­dri­na, Es­tá­dio do Ca­fé com­ple­ta ama­nhã 40 anos. Ten­ca­ti es­tá per­to de atin­gir a mar­ca de 200 jo­gos no co­man­do do LEC

Qu­a­ren­ta anos após a sua inau­gu­ra­ção, o Es­tá­dio do Ca­fé con­ti­nua sus­ten­tan­do o pos­to de mai­or pal­co do fu­te­bol do in­te­ri­or do Pa­ra­ná. Es­que­ci­do du­ran­te al­guns anos pe­las ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, a pra­ça es­por­ti­va vai, aos pou­cos, ga­nhan­do os cui­da­dos que me­re­ce jus­ta­men­te no mo­men­to em que o Lon­dri­na vol­ta ao ce­ná­rio na­ci­o­nal.

A his­tó­ria mos­tra que é im­pos­sí­vel de­sas­so­ci­ar o es­tá­dio do clu­be. Afi­nal, o Ca­fé foi er­gui­do jus­ta­men­te pa­ra que o LEC de­bu­tas­se no Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro da pri­mei­ra di­vi­são. Se­ria ali, no al­to do par­que Ou­ro Ver­de, que o al­vi­ce­les­te vi­ve­ria os seus mai­o­res mo­men­tos de gló­ria.

No li­vro “LEC 40 anos – Do Ca­çu­la Gi­gan­te ao Tu­ba­rão”, o lo­cu­tor es­por­ti­vo J. Ma­teus, in­ti­tu­la o ca­pí­tu­lo re­fe­ren­te a inau­gu­ra­ção do Ca­fé de “Um gran­de es­tá­dio pa­ra um gran­de ti­me”. “Já no iní­cio de 1976, o Lon­dri­na mon­tou um gran­de ti­me. Não foi cam­peão pa­ra­na­en­se, mas en­can­tou a ci­da­de. Já era uma con­sequên­cia do con­vi­te pa­ra dis­pu­tar o Na­ci­o­nal”, re­lem­bra.

O Lon­dri­na trou­xe no­mes co­nhe­ci­dos do fu­te­bol bra­si­lei­ro co­mo Lauro, Na­tal, Rai­mun­do, Arenghi, Carlos Al­ber­to Gar­cia e Pau­lo Ro­gé­rio. Es­te gru­po se­di­men­ta­ria o ti­me quar­to co­lo­ca­do no Bra­si­lei­ro do ano se­guin­te, o mai­or re­sul­ta­do da his­tó­ria azul e bran­ca. “Além de ser uma exi­gên­cia pa­ra jo­gar o Na­ci­o­nal, o Es­tá­dio do Ca­fé foi mui­to importante pa­ra o cres­ci­men­to e re­co­nhe­ci­men­to do Lon­dri­na no Bra­sil”.

PRI­MEI­RO GOL Ape­sar dos primeiros tra­ba­lhos de ter­ra­ple­na­gem te­rem co­me­ça­do em 1974, a cons­tru­ção do es­tá­dio só des­lan­chou mes­mo a par­tir de maio de 1976. Pou­co mais de qua­tro me­ses de­pois, um pú­bli­co su­pe­ri­or a 50 mil pes­so­as pres­ti­gi­ou a inau­gu­ra­ção di­an­te do Fla­men­go, no do­min­go, dia 22 de agos­to. Uma se­ma­na de­pois, o Tu­ba­rão es­tre­a­va no Bra­si­lei­ro, di­an­te do Atlé­ti­co Pa­ra­na­en­se.

O Fla­men­go ti­nha Can­ta­rel­li, Jú­ni­or, Ron­di­nel­li, Van­der­ley Lu­xem­bur­go e Zi­co. “En­trei pa­ra mar­car o Zi­co. Con­se­gui jo­gar e o Ga­li­nho, não”, re­cor­da Pa­ra­ná, que mar­cou o pri­mei­ro gol do es­tá­dio, em uma co­bran­ça de pê­nal­ti. Jú­ni­or em­pa­ta­ria a par­ti­da pa­ra o ru­bro-ne­gro.

Inau­gu­ra­do com ca­pa­ci­da­de pa­ra 40 mil tor­ce­do­res sen­ta­dos e 60 mil, in­cluin­do as áre­as de cir­cu­la­ção, o pro­je­to ori­gi­nal do Ca­fé pre­via o fe­cha­men­to do anel da ar­qui­ban­ca­da, com co­ber­tu­ra na sua to­ta­li­da­de, que ele­va­ria a ca­pa­ci­da­de pa­ra 100 mil pes­so­as. Um res­tau­ran­te pa­no­râ­mi­co tam­bém se­ria construído on­de ho­je exis­tem os ves­tiá­ri­os. O pro­je­to ori­gi­nal nun­ca mais saiu do pa­pel.

“No pri­mei­ro jo­go ti­ve­mos 41 mil pa­gan­tes, mas a pre­fei­tu­ra dis­tri­buiu 15 mil in­gres­sos. To­dos os ope­rá­ri­os que tra­ba­lha­ram na cons­tru­ção do es­tá­dio ga­nha­ram um in­gres­so”, re­cor­da J. Ma­teus. “Foi uma festa pa­ra o po­vo, que foi o gran­de res­pon­sá­vel pe­la cons­tru­ção do es­tá­dio. Ti­nha gente que saía do tra­ba­lho e ia di­re­to pa­ra o can- tei­ro de obras”, re­ve­la Pa­ra­ná. As pri­mei­ras cin­co mil ca­dei­ras fo­ram ven­di­das pa­ra aju­dar na cons­tru­ção do es­tá­dio.

NO­ME UN­NI­ME O no­me do no­vo pal­co lon­dri­nen­se te­ria si­do uma in­di­ca­ção de vá­ri­as pes­so­as in­flu­en­tes na ci­da­de e aca­ta­do pe­lo pre­fei­to Jo­sé Ri­cha. “Era um no­me unâ­ni­me e re­al­men­te não po­de­ria ser ou­tro”, afir­ma o co­lu­nis­ta da FO­LHA, Oswal­do Mi­li­tão. Pos­te­ri­or­men­te, o es­tá­dio foi re­ba­ti­za­do de Jacy Scaff, pre­si­den­te do Tu­ba­rão na épo­ca da cons­tru­ção do Ca­fé, mas nun­ca dei­xou de ser cha­ma­do pe­lo no­me, que me­lhor re­pre­sen­ta a ri­que­za pro­ve­ni­en­te da ter­ra ver­me­lha e os tem­pos áu­re­os do ou­ro ver­de.

REFLETORES Em 25 de agos­to, o es­tá­dio te­ria uma se­gun­da inau­gu­ra­ção, des­ta vez dos refletores. O con­vi­da­do de hon­ra foi o Co­rinthi­ans e o Tu­ba­rão ven­ceu por 1 a 0, gol de Gar­cia. Ao lon­go dos 40 anos, o Ca­fé viu o Lon­dri­na ser cam­peão do Pa­ra­ná por três ve­zes, ga­nhar a Ta­ça de Pra­ta e vol­tar à Sé­rie B. Foi o pal­co tam­bém de der­ro­tas, re­bai­xa­men­tos e de­cep­ções. Mas, nun­ca dei­xou de ser um gran­de es­tá­dio, as­sim co­mo o seu prin­ci­pal fre­quen­ta­dor.

En­treiEn pa­ra mar­car o Zi­co. Con­se­gui jo­gar e o Ga­li­nho, não”

Ri­car­do Chi­ca­rel­li

Ri­car­do Chi­ca­rel­li

Mais de 50 mil pes­so­as as­sis­ti­ram o em­pa­te en­tre Lon­dri­na e Fla­men­go no dia 22 de agos­to de 1976

Co­me­mo­ra­ção do pri­mei­ro gol, após co­bran­ça de pê­nal­ti de Pa­ra­ná

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.