Se­nhor Lon­dri­na

Per­to de com­ple­tar 200 jo­gos no co­man­do do LEC, Claudio Ten­ca­ti afir­ma que o clu­be es­tá pre­pa­ra­do pa­ra su­bir pa­ra a Sé­rie A

Folha de Londrina Domingo - - ENTREVISTA - Lucio Flá­vio Cruz Re­por­ta­gem Lo­cal

Ase­te par­ti­das de com­ple­tar 200 jo­gos no co­man­do do Lon­dri­na, o téc­ni­co C la udi oTenc atié ot rei­na­dor há mais tem po­em um mes­mo clu­be no fu­te­bol bra­si­lei­ro (as­su­miu o LEC em abril de 2011). Em entrevista à FO­LHA, o co­man­dan­te fa­lou da re­la­ção com o sem­pre in­tem­pes­ti­vo ges­tor Sér­gio Ma­lu­cel­li e dos seus mo­men­tos de tur­bu­lên­cia no Al­vi­ce­les­te. “O tér­mi­no da Sé­rie C foi o des­gas­te mai­or e pen­sei em sair. Re­vi mui­to se eu ia per­ma­ne­cer pa­ra a Sé­rie B”, afir­mou.

Ape­sar de um pe­río­do vi­to­ri­o­so à fren­te do LEC, no qual le­vou o ti­me da se­gun­da di­vi­são do Pa­ra­na­en­se pa­ra a Sé­rie B do Bra­si­lei­ro e con­quis­tou um tí­tu­lo es­ta­du­al de­pois de 22 anos, Ten­ca­ti re­ve­lou que não re­ce­beu pro­pos­tas con­cre­tas pa­ra dei­xar o clu­be eque is­so, de cer­ta for­ma, o frus­trou co­mo pro­fis­si­o­nal.

A ro­ti­na es­tres­san­te do fu­te­bol le­vou o trei­na­dor ao hos­pi­tal há al­gu­mas se­ma­nas. Di­ag­nos­ti­ca­do com um qua­dro agu­do de es­tres­se, o co­man­dan­te mu­dou sua ro­ti­na após o sus­to: “Te­nho que me po­li­ci­ar se­não não vou che­gar aos 60 anos no fu­te­bol. Vou ter que mu­dar de pro­fis­são ou com­pro­me­ter mi­nha saú­de”.

Quan­do as­su­miu o Lon­dri­na em 2011,es­pe­ra­va che­gar à mar­ca­de200­jo­gos?

De ma­nei­ra al­gu­ma. Até por­que nós sa­be­mos co­mo fun­ci­o­na o fu­te­bol e ao mes­mo tem­po o Lon­dri­na é um clu­be de co­bran­ça, de exi­gên­cia, já te­ve um sta­tus an­te­ri­or e a co­bran­ça acon­te­ce pe­lo que o Lon­dri­na ti­nha con­quis­ta­do. As coi­sas fo­ram acon­te­cen­do, os re­sul­ta­dos fo­ram sur­gin­do aos pou­cos, apa­re­ce­ram opor­tu­ni­da­des pa­ra eu sair por von­ta­de pró­pria, mas não se en­cai­xou. Al­guns mo­men­tos fo­ram tur­bu­len­tos, mas não ima­gi­nei tan­to tem­po. Fa­lar que nós pla­ne­ja­mos is­so, tí­nha­mos ideia dis­so, não. O Sér­gio (Ma­lu­cel­li) sem­pre fa­lou que não ia me de­sam­pa­rar, mas em al­guns mo­men­tos hou­ve até pen­sa­men­to de tro­ca. Quan­do eu fa­lo em não de­sam­pa­rar era, se não fi­cas se­no pro­fis­si­o­nal, vol­ta­ra cui­dar da­bas e ou­te rum car­go di­fe­ren­te, mas não me pas­sa­va pe­la ca­be­ça.

Hou­ve vá­ri­as son­da­gens e con­ta­tos pa­ra uma pos­sí­vel saí­da ao lon­go des­te pe­río­do, mas apa­re­ceu al­gu­ma pro­pos­ta ofi­ci­al pa­ra vo­cê sair?

Não. Só es­pe­cu­la­ções. Di­zer que che­gou al­guém com uma pro­pos­ta pa­ra me ti­rar do Lon­dri­na, não. Até re­cen­te­men­te, an­tes do( Pau­lo Cé­sar) Car­pe­gia ni as­su­mir o Co­ri ti­ba, hou­ve uma co­gi­ta­ção, me pro­cu­ra­ram de no­vo, mas na ho­ra que fo­ram dis­cu­tir va­lo­res e de­ta­lhes con­tra­tu­ais as coi­sas não se en­cai­xa­ram. Fi­cou só o de­se­jo, mas não se con­cre­ti­zou. Te­ve mui­ta es­pe­cu­la­ção du­ran­te to­do es­te pe­río­do, re­ce­bi ou­tras pro­pos­tas es­te ano de clu­bes da Sé­rie C, com va­lo­res con­cre­tos, mas na­da de ba­ter o mar­te­lo. Di­an­te dis­so, sem­pre olhei aqui por ser um pro­je­to viá­vel, ter a con­fi­an­ça do pre­si­den­te, gru­po de tra­ba­lho bom e pers­pec­ti­vas no Lon­dri­na, e pre­fe­ri­mos per­ma­ne­cer.

Não ter uma pro­pos­ta con­cre­ta pa­ra sair te frus­trou?

Frus­tra, sim. Por­que a gente es­tá mi­li­tan­do to do­es­te tem­po e quan­do vê uma con­tra­ta­ção co mo­a­do Co­ri ti­ba, com to­do res­pei­to ao Car­pe­gi­a­ni, não que eu fos­se pa­ra o Co­ri­ti­ba, te­ria que pen­sar mui­to até pe­la ri­va­li­da­de com o Lon­dri­na, de um trei­na­dor que não es­tá na ati­va. Ou­tro exem­ploéoFal cão no In­ter­na­ci­o­nal. É um ído­lo do clu­be e após umas e quên­cia de re­sul­ta­dos ruins é de­mi­ti­do. Se con­tra­ta e de­mi te­da mes­ma for­ma. Es­tá ba­na­li­za­do, mui­tos ges­to­res e di­ri­gen­tes in­com­pe­ten­te se­que não têm con­vic­ção da­qui­lo que querem. Por is­so o fu­te­bol em al­guns clu­bes vi­ra es­ta ba­gun­ça e es­ta de­sor­dem. Tem vá­ri­ost rei­na­do­res jo­vens, com per­fis mui­to bons, eéo meu ca­so. Vou de­mo­rar ater um pou­co mais de res­pal­do por­que exis­te um te­ma po­lí­ti­co por trás, em­pre­sá­ri­os que en­vol­vem ques­tões mais for­tes que agen­te pen­sa. En­tão o jo­go do fu­te­bol não é ape­nas ga­nhar, ser cam­peão e ter re­sul­ta­do. É pre­ci­so ter quem in­di­ca.

Te­ve al­gum mo­men­to que vo­cê quis dei­xar o co­man­do do LEC?

Nós ti­ve­mos al­guns des­gas­tes. Nes­te tra­je­to, o mai­or des­gas­te foi­na Sé­rie C, e re­vi mui­to­se eu ia per­ma­ne­cer pa­ra a Sé­rie B. Por­que che­gou um pon­to com inú­me­ras di­fi­cul­da­des, e não fo­ram com o pre­si­den­te, mas sim com os de­mais fun­ci­o­ná­ri­os do clu­be. Exis­te um des­gas­te ad­mi­nis­tra­ti­vo ho­je. O clu­be evo­luiu mui­to rá­pi­do, da se­gun­da di­vi­são do Pa­ra­na­en­se pa­ra a Sé­rie B,e ages tão não acom­pa­nhou os re­sul­ta­dos. Exis­tem al­gu­mas coi­sas que fi­cam a de­se­jar e tem mui­to des­gas­te in­ter­no. Não é só por con­ta do pre­si­den­te, as dis­cus­sões mai­o­res com ele são de con­tra­ta­ção de jo­ga­do­res, re­sul­ta­dos. Às ve­zes até me frus­tra ver de­ta­lhes que po­de­ri­am ser me­lho­re se­que não te­mos um res­pal­do to­tal­men­te. É om eu mai­or des­gas­te com o pre­si­den­te ho­je. Nós es­ta­mos ten­tan­do ajus­tar. Por acre­di­tar em uma ideia que o Sér­gio lan­çou, que agen­te po­de­ria ter con­ti­nui­da­de, de­de­fen­der o mai­or tem­po co­mo trei­na­dor em um clu­be, de es­tar­na Sé­rie Be­te ru­ma vi­si­bi­li­da­de mai­or. Tu dois so­pe­sou pa­ra a per­ma­nên­cia, mas o tér­mi­no da Sé­rie C foi o des­gas­te mai­or e pen­sei em sair.

Vo­cê se vê mais cin­co anos noLon­dri­na?

É di­fí­cil eu fa­lar al­go con­cre­to so­bre is­so por­que eu já ti­ve ideias an­te­ri­o­res so­bre al­çar vo­os mai­o­res, em um gran­de clu­be o uno ex­te­ri­or, queé uma me­ta mi­nha tam­bém. E se o Lon­dri­na su­bir? E se o pre­si­den­te me co­lo­car um pro­je­to viá­vel no­va­men­te? É di­fí­cil vo­cê di­zer :“Va­mos ter­mi­na­ra Sé­rie Be in de­pen­den­te­men­te do que acon­te­cer eu vou dei­xar o Lon­dri­na”. Só o fu­tu­ro vai de­fi­nir is­so.

O Sér­gio Ma­lu­cel­li se ca­rac­te­ri­za por ter um tem­pe­ra­men­to um pou­co ex­plo­si­vo,de dis­cu­tir com jo­ga­dor, en­trar no ves­tiá­rio de­pois do jo­go, de­mi­tir e usar mais o co­ra­ção que a ra­zão.Por que es­te re­la­ci­o­na­men­to en­tre vo­cês deu tão cer­to?

Pri­mei­ro pe­los re­sul­ta­dos. A par­tir do mo­men­to que os re­sul­ta­dos vi­e­ram, ele pas­sou a con­fi­ar. Des­de a mi­nha che­ga­da ao Iraty os tí­tu­los co­me­ça­ram a sur­gir. Por is­so que após aque­le mo­men­to de tur­bu­lên­cia em 2012 ele não pen­sou du­as ve­zes em me man­ter. Ele sen­tiu mi­nha ma­nei­ra de tra­ba­lhar, que é a ho­nes­ti­da­de, o ca­rá­ter, ter a sen­si­bi­li­da­de de en­ten­der a for­ma co­mo a en­ti­da­de tra­ba­lha, não só o re­sul­ta­do, mas a re­ve­la­ção de jo­ga­do­res. Nes­ta so­ma­tó­ria, deu to­da es­ta con­fi­an­ça. No dia a dia, ele tem es­se la­do di­fí­cil, com­pli­ca­do, mas uma boa con­ver­sa e a co­lo­ca­ção dos fa­tos o fa­zem en­ten­der. Eu sem­pre car­re­go co­mi­go a ver­da­de, quan­do es­tou er­ra­do eu ad­mi­to, mas tra­ba­lho com a ver­da­de, com os nú­me­ros. Ad­qui­ri o jei­ti­nho de tra­ba­lhar com ele, mas tem aque­la ho­ra, igual em qual­quer con­vi­vên­cia, de fe­char o ou­vi­do e se­guir no tra­ba­lho. Ho­je a gente tem um res­pei­to e uma ami­za­de mui­to for­tes.

Vo­cê já se­gu­rou mui­to jo­ga­dor que ele man­dou em­bo­ra?

Ah, já. Não só jo­ga­dor, mas pro­fis­si­o­nais tam­bém que es­tão à nos­sa vol­ta, que er­ra­ram e ele ra­pi­da­men­te que­ria de- mi­tir. Aca­bo fa­lan­do: “Cal­ma, pre­si­den­te, não é bem as­sim”. Mos­tra­va o ou­tro la­do, fa­zia o con­ven­ci­men­to, a ou­tra pes­soa de­mons­tra vau ma­re­a­ção e is­so aju­da­va agen­te ate res­ta con­fi­an­ça. Ele con­fi­ou, apes­soa deu a res­pos­ta e ele pas­sou a con­fi­ar.

Co­mo clu­be, o Lon­dri­na es­tá es­tru­tu­ra­do ho­je pa­ra en­fren­ta ru­ma Sé­rie A?

Eu não sei. É uma per­gun­ta que fi ca­no ar. Por­que agen­te às ve­zes com­pa­ra com os clu­bes de mais sta­tus, co­mo São Pau­lo, Co­rinthi­ans. Nós es­ta­ría­mos lon­ge da re­a­li­da­de des­tes clu­be sem re­la­ção a nú­me­ro de só­ci­os tor­ce­do­res, es­tru­tu­ra, or­ça­men­to e uma sé­rie de coi­sas. Mas aí vo­cê olha pa­ra al­guns clu­bes que já pas­sa­ram ou que es­tão na Sé­rie Apa­ra quem o Lon­dri­na não de­ve na­da. De ca­pa­ci­da­de, de or­ga­ni­za­ção. E tal­vez su­bin­do, o Pa­ra­na­en­se sir­va pa­ra se es­tru­tu­rar. Não só a SM (Sports, em­pre­sa de Ma­lu­cel­li), mas tam­bém a pre­fei­tu­ra, pa­ra me­lho­rar o es­tá­dio (do Ca­fé), por exem­plo, não es­tá di­fí­cil de dei­xá-lo ajus­ta­di­nho. Se­rá que es­ta­mos pron­tos? Olha pa­ra ou­tros clu­bes e es­ta­mos até em si­tu­a­ção me­lhor. OC Té ní­vel de pri­mei­ra di­vi­são. Tal­vez ama­du­re­cer mais, a SM, ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te, te­rá que ter um sal­to em vá­ri­os de­par­ta­men­tos pa­ra que pos­sa acom­pa­nha­ra evo­lu­ção em campo. Se vo­cê qui­ser ser gran­de, tem que­dar pas­sos gran­des, em qual­quer em­pre­sa é as­sim. Se o Lon­dri­na qui­ser, tem po­ten­ci­al, sim.

Vo­cê pas­sou um sus­to nas úl­ti­mas se­ma­nas e pre­ci­sou fi­car in­ter­na­do por pou­co mais de 24 ho­ras (o trei­na­dor apre­sen­tou do­res no pei­to e foi di­ag­nos­ti­ca­do co­mum qua­dro agu­do de es­tres­se). Is­so mu­dou sua ro­ti­na diá­ria?

Com cer­te­za. Às ve­zes vo­cê fi­ca bi­to­la­do no tra­ba­lho e es­que­ce de prin­cí­pi­os co­mo a ati­vi­da­de fí­si­ca, que pa­ra mim é mui­to importante, já que eu exer­ci­to mais a ca­be­ça que o cor­po e pre­ci­so ter um de­sa­fo­go. Ses­sões de terapia pa­ra aju­dar nis­so, te­nho a mi­nha fa­mí­lia ho­je per­to de mim que me aju­da mui­to tam­bém. Pre­ci­so da ati­vi­da­de fí­si­ca por cau­sa de uma ques­tão de hormô­ni­os e re­a­ções quí­mi­cas, que é o que me pro­vo­cou aque­le pro­ble­ma de um pré-in­far­to. Te­nho me po­li­ci­a­do em mui­tas coi­sas, a ali­men­ta­ção e a ro­ti­na com ati­vi­da­de fí­si­ca re­gu­lar. Às ve­zes uma coi­sa pe­que­na já era o es­to­pim, en­tão ago­ra (é) “cal­ma, re­pen­sa”, ter uma vál­vu­la de es­ca­pe. O que é di­fí­cil pa­ra mim aqui não é o jo­go em si. Não é o tor­ce­dor, a im­pren­sa, a pres­são. É a pre­pa­ra­ção do dia a dia até o jo­go, que é is­so que ge­ra uma sé­rie de ques­tões. Ter que fo­car to­dos os jo­ga­do­res no mes­mo sen­ti­do, o clu­be, cha­mar a tor­ci­da pa­ra o la­do, a im­pren­sa, a ques­tão da pre­pa­ra­ção téc­ni­ca, tática, es­tu­dar o ad­ver­sá­rio. Me­xo mais com a men­te do que com o cor­po. Um pro­ble­ma de esô­fa­go, que ti­ve que fa­zer uma ci­rur­gia, já foi de­cor­ren­te de es­tres­se. Te­nho que me po­li­ci­ar se­não não vou che­gar aos 60 anos no fu­te­bol. Vou ter que mu­dar de pro­fis­são ou com­pro­me­ter mi­nha saú­de.

O jo­go de fu­te­bol não é ape­nas ga­nhar, ser cam­peão e ter re­sul­ta­do. É pre­ci­so ter quem in­di­ca”

Mar­cos Za­nut­to

Claudio Ten­ca­ti, téc­ni­co do Lon­dri­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.