‘Vol­tei a sen­tir a vi­da’

Ví­ti­ma de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca le­vou 15 anos pa­ra con­se­guir de­nun­ci­ar o ma­ri­do agres­sor e re­cu­pe­rar a tran­qui­li­da­de de viver sem me­do

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM - Carolina Avan­si­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

Qua­se 40% das mu­lhe­res vi­ti­ma­das pe­la vi­o­lên­cia do­més­ti­ca no Bra­sil so­frem agres­sões diá­ri­as e a gran­de mai­o­ria é agre­di­da mais de uma vez por mês. Os da­dos, do Ba­lan­ço 2015 do ser­vi­ço te­lefô­ni­co “Li­gue 180”, des­ti­na­do a re­ce­ber de­nún­ci­as de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, in­di­cam que as mu­lhe­res ain­da en­con­tram mui­ta di­fi­cul­da­de pa­ra su­pe­rar o ci­clo de agres­sões a que são sub­me­ti­das.

Do­cu­men­to ela­bo­ra­do pe­lo Ob­ser­va­tó­rio da Mu­lher Con­tra a Vi­o­lên­cia, cu­jo por­tal foi lan­ça­do na se­ma­na pas­sa­da pe­lo Se­na­do Fe­de­ral, iden­ti­fi­ca que a vi­o­lên­cia cos­tu­ma ocor­rer em três fa­ses. A pri­mei­ra de­las é a cons­tru­ção da ten­são no re­la­ci­o­na­men­to, quan­do acon­te­cem in­ci­den­tes me­no­res, co­mo agres­sões ver­bais, cri­ses de ciú­mes, ame­a­ças, des­trui­ção de ob­je­to e vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca, en­tre ou­tros. Em se­gui­da, há a fa­se crí­ti­ca, em que os in­ci­den­tes mais gra­ves ocor­rem, co­mo es­pan­ca­men­tos, es­tu­pros e even­tu­al­men­te ho­mi­cí­di­os. Já a ter­cei­ra fa­se se­ria mar­ca­da pe­lo ar­re­pen­di­men­to, ju­ras de pai­xão e pro­mes­sas de re­ge­ne­ra­ção. “No con­tex­to em que a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca ocor­re em ci­clos, que mui­tas ve­zes se re­pe­tem, nu­ma es­pi­ral de agra­va­men­to das vi­o­lên­ci­as per­pe­tra­das, a ocor­rên­cia do ho­mi­cí­dio po­de se dar não co­mo um ato pre­me­di­ta­do de eli­mi­na­ção do côn­ju­ge, mas co­mo re­sul- tan­te de uma cri­se, em que uma agres­são mais se­ve­ra re­dun­dou ines­pe­ra­da­men­te na mor­te do ou­tro”, ates­ta o es­tu­do.

Es­sa si­tu­a­ção foi vi­vi­da du­ran­te 15 anos por uma mu­lher de 59 anos que não po­de se iden­ti­fi­car por mo­ti­vos de se­gu­ran­ça. Ca­sa­da por 25 anos com um ho­mem que, nu­ma cri­se, che­gou a le­vá-la ao hos­pi­tal com um he­ma­to­ma ce­re­bral de­pois de uma “sur­ra”, ela de­mo­rou uma dé­ca­da e meia pa­ra con­se­guir, nas pa­la­vras da pró­pria ví­ti­ma, “vol­tar a sen­tir a vi­da”.

O re­la­ci­o­na­men­to do ca­sal, se­gun­da ela, foi nor­mal du­ran­te os primeiros dez anos. Os pro­ble­mas co­me­ça­ram quan­do o en­tão ma­ri­do te­ve per­das fa­mi­li­a­res e pas­sou a des­con­tar ne­la to­da a frus­tra­ção com a pró­pria vi­da. O pi­or ocor­reu em 2006, quan­do a Lei Ma­ria da Pe­nha co­me­ça­va a ser im­ple­men­ta­da. “Eu es­ta­va em ca­sa e ele me ba­teu até eu des­mai­ar. É um ho­mem gran­de e for­te que me chu­tou mes­mo quan­do eu já es­ta­va caí­da. Fi­quei sem voz e só ou­via meu fi­lho gri­tan­do no por­tão: ‘meu pai ma­tou mi­nha mãe!”

Ape­sar do ris­co de vi­da, nin­guém apa­re­ceu pa­ra aju­dar por­que to­dos te­mi­am o agres­sor. O pró­prio ma­ri­do pe­diu aju­da a um vi­zi­nho e a le­vou a um hos­pi­tal, on­de o mé­di­co des­con­fi­ou da his­tó­ria con­ta­da pe­lo agres­sor que re­la­tou ter si­do um tom­bo.“O mé­di­co achou que não fa­zia sen­ti­do, mas me li­be­rou pa­ra vol­tar pa­ra ca­sa com ele”, con­ta. Em ca­sa, po­rém, a ví­ti­ma não pa­rou de sen­tir dor. “Li­guei pa­ra o meu ir­mão que te­ve de en­trar es­con­di­do pa­ra me le­var a ou­tro hos­pi­tal”, con­ta ela, que le­vou três me­ses pa­ra se re­cu­pe­rar das agres­sões e aca­bou per­den­do o em­pre­go.

O que se se­guiu de­pois fo­ram anos de tor­tu­ra psi­co­ló­gi­ca. Ela con­ti­nu­ou vi­ven­do na mes­ma ca­sa que ele, mas pas­sou a dor­mir em ou­tro quar­to, tran­can­do a por­ta to­das as noi­tes. “Fa­zia o ser­vi­ço do­més­ti­co cor­ren­do por­que ti­nha me­do de en­con­trar com ele, sen­tia um ver­da­dei­ro pâ­ni­co”, con­ta. Pes­so­as pró­xi­mas, ao in­vés de ori­en­ta­rem-na a pro­cu­rar aju­da, di­zi­am que ela de­via vol­tar a viver bem com o ma­ri­do. “Foi só de­pois de três anos que fi­nal­men­te ti­ve co­ra­gem de de­nun­ci­ar”, re­cor­da a mu­lher, que en­trou com uma re­pre­sen­ta­ção cri­mi­nal e con­se­guiu uma me­di­da pro­te­ti­va que, na épo­ca, já era ga­ran­ti­da pe­la Lei Ma­ria da Pe­nha. “Um ofi­ci­al de jus­ti­ça ti­rou ele da mi­nha ca­sa e, até ho­je, tem uma or­dem ju­di­ci­al pa­ra que não se apro­xi­me de mim. No iní­cio foi mui­to di­fí­cil, mas quan­do dei­xei de sen­tir me­do, vol­tei a viver”, agra­de­ce.

Ela con­ta que só que­ria ser tra­ta­da com res­pei­to e viver com li­ber­da­de, mas re­ce­beu vi­o­lên­cia e tor­tu­ra psi­co­ló­gi­ca. “Tu­do o que eu fa­zia era ruim, ele saia, ia pa­ra fes­tas e chur­ras­cos e ja­mais me le­va­va. Ago­ra eu fa­ço o que qu­e­ro. Es­pe­ro que ele se­ja fe­liz, mas bem lon­ge de mim”, diz a ví­ti­ma, que tem na ex-mo­de­lo Lui­za Brunet um “mo­de­lo” de mu­lher co­ra­jo­sa.“Foi mui­to importante ela ad­mi­tir a vi­o­lên­cia, vai dar mui­ta for­ça pa­ra que ou­tras mu­lhe­res te­nham co­ra­gem de de­nun­ci­ar”, acre­di­ta.

A as­sis­ten­te so­ci­al Gi­se­le Wi­e­zel, do Cen­tro de Aten­di­men­to à Mu­lher (CAM) de Lon­dri­na, ex­pli­ca que o mu­ni­cí­pio tem des­de 2004 uma re­de de en­fren­ta­men­to à vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher. A pro­mul­ga­ção da Lei Ma­ria da Pe­nha, se­gun­do ela, trou­xe me­ca­nis­mos que fa­ci­li­tam a pro­te­ção das ví­ti­mas. “A lei aju­dou a ar­ti­cu­lar a re­de”, ava­lia, des­ta­can­do que os ser­vi­ços do mu­ni­cí­pio aten­dem mu­lhe­res de to­das as ida­des e clas­ses so­ci­ais, in­clu­si­ve ido­sas agre­di­das por fi­lhos.

An­der­son Coelho

“Fi­quei sem voz e só ou­via meu fi­lho gri­tan­do no por­tão: ‘meu pai ma­tou mi­nha mãe!”, con­ta a mu­lher de 59 anos que não po­de se iden­ti­fi­car por mo­ti­vos de se­gu­ran­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.