Pro­gra­ma­a­ten­de os agres­so­res

Folha de Londrina Domingo - - REPORTAGEM -

O aten­di­men­to ao agres­sor faz par­te das ações ne­ces­sá­ri­as pa­ra su­pe­rar a vi­o­lên­cia sis­te­má­ti­ca con­tra as mu­lhe­res. Por is­so, Sa­ran­di e Ma­rin­gá pos­su­em um ser­vi­ço es­pe­cí­fi­co pa­ra aten­di­men­to de ho­mens man­ti­do por uma ins­ti­tui­ção pri­va­da, a Fa­cul­da­de Me­tro­po­li­ta­na de Ma­rin­gá (Fam­ma). A ini­ci­a­ti­va foi da juí­za Elai­ne Cris­ti­na Si­ro­ti e da pro­mo­to­ra Mo­ni­ca Ma­ci­el Gon­çal­ves, da 2ª Va­ra Cri­mi­nal do Fo­ro Re­gi­o­nal de Sa­ran­di, que con­se­gui­ram im­ple­men­tar o ser­vi­ço com apoio de um gru­po in­ter­dis­ci­pli­nar da Fam­ma. Atu­al­men­te, por ini­ci­a­ti­va da juí­za Mônica Fleith, da 5ª Va­ra Cri­mi­nal do Jui­za­do da Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca de Ma­rin­gá, o pro­gra­ma aten­de tam­bém o mu­ni­cí­pio.

Ara­cé­les ex­pli­ca que o pro­gra­ma é im­pos­to a ho­mens que cum­prem pe­na pe­la Lei Ma­ria da Pe­nha e al­can­çou o fei­to de ja­mais ter re­gis­tra­do rein­ci­dên­cia en­tre os aten­di­dos. Atu­al­men­te o gru­po tem 49 ho­mens, mas já fo­ram re­a­li­za­dos, des­de 2013, pe­lo me­nos 200 aten­di­men­tos. Além dos gru­pos te­ra­pêu­ti­cos que se reú­nem se­ma- nal­men­te, ain­da ocor­rem ori­en­ta­ções so­bre di­rei­to de fa­mí­lia, di­vór­cio, guar­da com­par­ti­lha­da e so­bre as pró­pri­as de­ter­mi­na­ções da Lei Ma­ria da Pe­nha.

Os gru­pos são com­pos­tos por ho­mens de vá­ri­as ida­des e clas­ses so­ci­ais. Em co­mum, pos­su­em a cren­ça de que a vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher é co­mum e na­tu­ral. “Mui­tos re­pro­du­zem o que as­sis­ti­ram pais e avós fa­ze­rem”, re­la­ta, des­ta­can­do que tam­bém não en­xer­gam a vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca e mo­ral.

“É co­mum eles che­ga­rem com re­sis­tên­cia a ade­rir à terapia, afi­nal, es­tão cum­prin­do pe­na. Aos pou­cos, po­rém, cri­am em­pa­tia e pas­sam a ver o be­ne­fí­cio”, acres­cen­ta.

O ob­je­ti­vo mai­or, se­gun­do a pro­fes­so­ra, é des­cons­truir a vi­são ma­chis­ta. “Mui­tos con­se­guem per­ce­ber que po­di­am ter agi­do de for­ma di­fe­ren­te, prin­ci­pal­men­te quan­do per­ce­bem que a ví­ti­ma po­de­ria ser a pró­pria fi­lha”, con­ta. O ob­je­ti­vo fi­nal é tra­ba­lhar o con­tro­le emo­ci­o­nal pa­ra que se­jam ca­pa­zes de per­ce­ber emo­ções an­tes de re­a­gir im­pul­si­va­men­te. (C.A.)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.