Li­mi­tes pa­ra o as­sé­dio vir­tu­al e re­al

Ins­ta­gram já per­mi­te que ce­le­bri­da­des e usuá­ri­os de con­tas com mais se­gui­do­res fil­trem res­pos­tas que re­ce­bem

Folha de Londrina Domingo - - FOLHA 2 - Ma­ri­an Tri­guei­ros Re­por­ta­gem Lo­cal

Em maio des­te ano, um fã da apre­sen­ta­do­ra Ana Hick­mann foi mor­to após in­va­dir o quar­to do ho­tel em que es­ta­va hos­pe­da­da em Be­lo Horizonte. No epi­só­dio, Ro­dri­go Augusto ame­a­çou a apre­sen­ta­do­ra com uma ar­ma, que no mo­men­to es­ta­va acom­pa­nha­da do cu­nha­do e da as­ses­so­ra, que aca­bou sen­do ba­le­a­da no con­fron­to. O fã foi mor­to a ti­ros com a pró­prio re­vól­ver, de­pois de ser ren­di­do pe­lo cu­nha­do. As in­ves­ti­ga­ções con­cluí­ram que o fã, tem­pos an­tes, acom­pa­nha­va di­a­ri­a­men­te a vi­da da apre­sen­ta­do­ra pe­las re­des so­ci­ais, on­de en­vi­a­va vá­ri­as men­sa­gens com de­cla­ra­ções de amor e, tam­bém, de des­con­ten­ta­men­to pe­la fal­ta de re­tri­bui­ção.

Den­tre as re­des so­ci­ais mais po­pu­la­res usa­dos pe­los fa­mo­sos es­tão o Fa­ce­bo­ok, Ins­ta­gram, Snap­chat e You­Tu­be que acu­mu­lam mi­lha­res de se­gui­do­res ávi­dos em sa­ber de­ta­lhes da vi­da ar­tís­ti­ca e do co­ti­di­a­no de seus ído­los. De uns anos pa­ra cá, po­rém, pes­so­as co­muns – até en­tão anô­ni­mas – vêm apro­vei­tan­do o bom mo­men­to pa­ra di­vul­ga­rem seus tra­ba­lhos. Se an­tes as usa­vam ape­nas pa­ra man­ter con­ta­to com os ami­gos e fa­mi­li­a­res, ago­ra, as pla­ta­for­mas são uma for­ma de ga­nhar vi­si­bi­li­da­de e di­nhei­ro. Pa­ra tan­to, ex­põem ao mun­do a vi­da pro­fis­si­o­nal e até mes­mo a in­ti­mi­da­de.

Com is­so, mui­tas con­tas pas­sam da sin­ge­la ca­sa das cen­te­nas pa­ra mi­lha­res de se­gui­do­res. A ca­da no­va fo­to, por­tan­to, a en­xur­ra­da de “cur­ti­das” acom­pa­nha os nú­me­ros, co­men­tá­ri­os e men­sa­gens que são pos­ta­das. Um campo vas­to pa­ra elo­gi­os, crí­ti­cas, mas tam­bém mui­to as­sé­dio e ofen­sas. Quan­to à is­so, ain­da não há uma for­ma to­tal­men­te efi­caz de con­tro­le por par­te do ad­mi­nis­tra­dor da con­ta. Mas, há pou­co tem­po, o Ins­ta­gram adi­ci­o­nou uma no­va fer­ra­men­ta pa­ra com­ba­ter es­se ti­po de as­sé­dio e fa­zer do apli­ca­ti­vo de com­par­ti­lha­men­to de fo­tos e ví­de­os um lu­gar mais “ami­gá­vel”.

A re­de so­ci­al, pro­pri­e­da­de do Fa­ce­bo­ok, co­me­çou a per­mi­tir que al­gu­mas ce­le­bri­da­des e usuá­ri­os de con­tas com mais se­gui­do­res, cu­jas pu­bli­ca­ções ge­ram cen­te­nas de co­men­tá­ri­os, fil­trem as res­pos­tas que re­ce­bem. Es­tes usuá­ri­os po­de­rão de­sa­ti­var com­ple­ta­men­te a op­ção de re­ce­ber co­men­tá­ri­os em de­ter­mi­na­das pu­bli­ca­ções ou apli­car fil­tros, por pa­la­vras­cha­ve, às re­a­ções dos seus se­gui­do­res. Se es­ta eta­pa de tes­te com as con­tas mais po­pu­la­res se de­sen­vol­ver bem, a no­va fun­ção po­de­rá co­me­çar a ser dis­po­ni­bi­li­za­da pa­ra mais usuá­ri­os nas pró­xi­mas se­ma­nas.

Atu­al­men­te, o Ins­ta­gram já per­mi­te que os usuá­ri­os apa­guem co­men­tá­ri­os ou usem um filtro pro­je­ta­do pa­ra blo­que­ar pu­bli­ca­ções hos­tis ou obs­ce­nas. Per­mi­tir que os usuá­ri­os de­ci­dam quais co­men­tá­ri­os querem blo­que­ar nas su­as con­tas aju­da o Ins­ta­gram a en­con­trar um equi­lí­brio en­tre as acu­sa­ções de cen­su­ra e as crí­ti­cas de que a re­de so­ci­al não faz o su­fi­ci­en­te pa­ra im­pe­dir o as­sé­dio on­li­ne. Em ju­nho, o Ins­ta­gram anun­ci­ou que seu nú­me­ro de usuá­ri­os ul­tra­pas­sou a bar­rei­ra de 500 mi­lhões, dos quais mais de 100 mi­lhões ado­ta­ram o apli­ca­ti­vo no úl­ti­mo ano. Com es­tes 100 mi­lhões de no­vos usuá­ri­os em me­nos de um ano, a pla­ta­for­ma de­ve ge­rar re­cei­ta de US$ 1,5 bi­lhão em 2016.

FAL­SO ANO­NI­MA­TO Se mui­tos se es­con­dem na fal­sa sen­sa­ção de ano­ni­ma­to que os gad­gets tra­zem, a psi­có­lo­ga, Simone Oli­a­ni, ana­lis­ta do com­por­ta­men­to, in­te­gran­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Psi­co­lo­gia e Me­di­ci­na Comportamental (ABPMC), ex­pli­ca que quem faz co­men­tá­ri­os de cu­nho ofen­si­vo ou pre­con­cei­tu­o­so na re­de, tam­bém o faz na vi­da na re­al, em mai­or ou me- nor grau. “São pes­so­as que já pos­su­em pa­drão agres­si­vo em su­as re­la­ções. Mas, al­gu­mas ve­zes, não ma­ni­fes­tam com tan­ta ex­po­si­ção.” So­bre es­se apa­ren­te ano­ni­ma­to, ela acres­cen­ta que, além de leis e for­mas de ras­tre­a­men­to exis­ten­tes, a pró­pria so­ci­e­da­de não tem per­mi­ti­do com­por­ta­men­tos as­sim na in­ter­net, mos­tran­do in­dig­na­ção co­le­ti­va. “Mas acre­di­to que a me­lhor for­ma de pu­ni­ção é dei­xar de se­guir ou se afas­tar de va­lo­res que não con­di­zem aos seus. Ali­men­tar a ofen­sa e o ódio não aju­dam a cons­truir uma so­ci­e­da­de to­le­ran­te e mais hu­ma­ni­za­da.”

Ana Hick­mann: as­sé­dio de fã que co­me­çou na in­ter­net che­gou ao ex­tre­mo com a in­va­são de seu quar­to no ho­tel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.