Mé­di­ca­sem­fron­tei­ras

Alu­na de dou­to­ra­do da pres­ti­gi­a­da es­co­la de me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de Ya­le, nos Es­ta­dos Uni­dos, lon­dri­nen­se in­te­gra equi­pe nor­te-ame­ri­ca­na que es­tu­da o sur­to de mi­cro­ce­fa­lia as­so­ci­a­da ao ví­rus zi­ka

Folha de Londrina Domingo - - GENTE - Kar­la Ma­ti­da Re­por­ta­gem Lo­cal

Alon­dri­nen­se Thaís Fag­gi­on Vi­nho­lo po­de­ria ter si­do ape­nas mais uma en­tre os mi­lha­res de in­ter­cam­bis­tas bra­si­lei­ros que pas­sam uma tem­po­ra­da de es­tu­dos fo­ra do País e vol­tam pa­ra ca­sa após al­guns me­ses. Mas pa­ra ela a tem­po­ra­da nor­te-ame­ri­ca­na ga­nhou no­vos ru­mos pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais. “Era pa­ra eu fi­car um ano, mas já es­tou lá há 12 anos”, con­ta Thaís, que es­te­ve em Lon­dri­na na se­ma­na pas­sa­da pa­ra uma rá­pi­da vi­si­ta à fa­mí­lia e ami­gos.

A re­cen­te vi­a­gem ao Bra­sil não foi a pas­seio, pe­lo con­trá­rio. Du­ran­te os qua­se três me­ses que pas­sou em Salvador (BA), Thaís se des­do­brou em aten­di­men­tos e pes­qui­sas pa­ra o es­tu­do so­bre o sur­to de mi­cro­ce­fa­lia as­so­ci­a­da ao ví­rus da zi­ka, com ori­en­ta­ção do pro­fes­sor Al­bert Ko. Não foi a pri­mei­ra vez que Thaís es­te­ve no Bra­sil pa­ra par­ti­ci­par de pes­qui­sas. Pa­ra seu mes­tra­do, uti­li­zou os da­dos co­le­ta­dos du­ran­te o pe­río­do que pas­sou em Na­tal, on­de o bra­si­lei­ro Miguel Ni­co­le­lis mon­tou um cen­tro de pes­qui­sas.

“No meu ter­cei­ro ano de fa­cul­da­de, co­nhe­ci o Miguel Ni­co­le­lis, que é um dos top neu­ro­ci­en­tis­tas do mun­do. Ele foi meu men­tor no mes­tra­do e mi­nha ins­pi­ra­ção no mun­do da ci­ên­cia”, ex­pli­ca. Thaís apon­ta pa­ra as di­fe­ren­ças dos cur­sos de Me­di­ci­na aqui e nos Es­ta­dos Uni­dos. “Lá, pri­mei­ro tem o ba­cha­re­la­do de qua­tro anos, em que se apren­de as ma­té­ri­as mais bá­si­cas. De­pois vem o dou­to­ra­do, por­que lá o mé­di­co tem mes­mo que ser doutor. Eu op­tei por fa­zer o mes­tra­do an­tes e ago­ra es­tou no dou­to­ra­do. Ain­da fal­tam três anos pa­ra ter­mi­nar”, apon­ta.

“Só con­tei pa­ra os meus pais que ti­nha apli­ca­do pa­ra a fa­cul­da­de. Ao con­trá­rio do pes­so­al que apli­ca pa­ra vá­ri­as fa­cul­da­des, só apli­quei pa­ra uma, a de Char­lot­te”, lem­bra a lon­dri­nen­se. “Sim, pa­ra o es­tran­gei­ro é um pou­co mais di­fí­cil en­trar nu­ma fa­cul­da­de ame­ri­ca­na. E foi uma sur­pre­sa por­que eu já es­ta­va no Bra­sil há uns qua­tro, cin­co di­as e ti­ve que vol­tar.”

Ao ele­ger a me­di­ci­na co­mo pro­fis­são, Thaís se­guiu os pas­sos do pai, o car­di­o­lo­gis­ta Flá­vio Vi­nho­lo, fa­le­ci­do há qua­tro anos. “Meu pai sem­pre foi mi­nha ins­pi­ra­ção, mas eu per­ce­bo is­so mais ho­je do que quan­do op­tei pe­lo cur­so. Se tem um mé­di­co que qu­e­ro ser igual é o meu pai”, en­fa­ti­za. “Pen­so em se­guir a car­di­o­lo­gia, mas fi­quei bem me­xi­da com a neu­ro­pe­di­a­tria ago­ra”, diz.

Pa­ra Thaís, as pes­qui­sas na Bahia fo­ram uma ex­pe­ri­ên­cia e tan­to. “Em Na­tal, en­con­trei a es­tru­tu­ra dos Es­ta­dos Uni­dos. Mas em Salvador, eu es­ta­va em um hos­pi­tal pú­bli­co, on­de a re­vi­são de pron­tuá­rio é no pa­pel e lá (nos EUA) é ele­trô­ni­co faz mui­to tem­po. Foi um cho­que com cer­te­za e tam­bém um apren­di­za­do pa­ra en­ten­der co­mo a saú­de fun­ci­o­na. Nun­ca ti­nha tra­ba­lha­do em um sur­to epi­dê­mi­co, apren­di mui­to. Tu­do a gente tem que ir des­co­brin­do. E ao cui­dar das cri­an­ças a gente es­tá apren­den­do. As mães che­gam com mui­tas in­cer­te­zas e a gente ain­da não tem as res­pos­tas. Is­so é as­sus­ta­dor”, diz.

Du­ran­te o tem­po que fi­cou em Salvador, a lon­dri­nen­se par­ti­ci­pou de uma ma­té­ria da CNN, com o cor­res­pon­den­te mé­di­co San­jay Gup­ta, o gran­de es­pe­ci­a­lis­ta da re­de de TV nor­te-ame­ri­ca­na. Gup­ta veio ao Bra­sil pa­ra co­nhe­cer o pro­je­to do qual Thaís fez par­te. “Ele dis­se que ‘quan­do acon­te­ceu pa­ra vo­cês (bra­si­lei­ros) foi uma sur­pre­sa, ago­ra que es­tá acon­te­cen­do com a gente, nós po­de­mos apren­der as li­ções com vo­cês’”, con­ta.

“Meu prin­ci­pal ob­je­ti­vo é ser uma mé­di­ca com hobby de pes­qui­sa. Es­tou com um in­te­res­se por saú­de pú­bli­ca, epi­de­mi­o­lo­gia. E neu­ro­pe­di­a­tria tam­bém, são mui­tos in­te­res­ses”, diz. Mas ela tem uma cer­te­za, de re­ser­var um tem­po pa­ra a fi­lan­tro­pia. “Tal­vez com o Mé­di­cos Sem Fron­tei­ras. Meu so­nho é tra­ba­lhar no­ve me­ses e nos ou­tros três me­ses fa­zer fi­lan­tro­pia. Pen­sa­va mui­to em ir pa­ra a Áfri­ca, mas por que não no Bra­sil?”, adi­an­ta.

“Não sei o ama­nhã. Tem mui­ta coi­sa pa­ra acon­te­cer ain­da. Deus tem co­lo­ca­do pes­so­as mui­to es­pe­ci­ais no meu ca­mi­nho, que cui­dam de mim. En­tão vou in­do”, diz.

As mães che­gam com mui­tas in­cer­te­zas e a gente ain­da não tem as res­pos­tas. Is­so é as­sus­ta­dor”

Fá­bio Al­co­ver

Em sua rá­pi­da pas­sa­gem por Lon­dri­na, Thaís Fag­gi­on Vi­nho­lo diz que so­nha em fa­zer fi­lan­tro­pia co­mo mé­di­ca: “Pen­sa­va mui­to em ir pa­ra a Áfri­ca, mas por que não no Bra­sil?”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.