‘Bo­lo de fu­bá’,um mo­de­lo de po­li­ci­a­men­to co­mu­ni­tá­rio

Folha de Londrina Domingo - - CLASSIFICADOS IMOBILIÁRIA -

A vi­são de que o po­li­ci­al mi­li­tar é um ser­vi­dor pú­bli­co e, por is­so, de­ve tra­ba­lhar em prol da co­mu­ni­da­de é a que nor­teia o “Bo­lo de Fu­bá”. O ide­a­li­za­dor e co­or­de­na­dor do pro­je­to, ca­pi­tão Mar­cos Tor­do­ro, co­man­dan­te do po­li­ci­a­men­to no 5º Ba­ta­lhão da Po­lí­cia Mi­li­tar de Lon­dri­na, con­ta que a ideia foi im­plan­ta­da há cer­ca de um ano no Jardim Co­lúm- bia, zo­na oes­te. Os prin­ci­pais ob­je­ti­vos são di­mi­nuir os ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de e de­vol­ver às pes­so­as a sen­sa­ção de se­gu­ran­ça.

O pa­tru­lha­men­to é re­a­li­za­do de acor­do com as ne­ces­si­da­des e ho­rá­ri­os crí­ti­cos de ca­da re­gião. “A PM in­te­ra­ge de for­ma es­pon­tâ­nea com os mo­ra­do­res. A du­pla que tra­ba­lha no bair­ro cum­pre sua mis­são com amor e com- pro­me­ti­men­to. Nos­sa pri­mei­ra obri­ga­ção é a pre­ven­ção. Mas tam­bém fa­ze­mos o pa­tru­lha­men­to, abor­da­gem e pri­sões em fla­gran­te”, in­for­ma. Tor­do­ro ex­pli­ca que o po­li­ci­a­men­to co­mu­ni­tá­rio bus­ca se apro­xi­mar da po­pu­la­ção e co­nhe­cer as ca­rac­te­rís­ti­cas da vi­zi­nhan­ça. “Quan­do co­me­ça­mos o tra­ba­lho, mar­ca­mos uma reu­nião com a co­mu­ni­da­de pa­ra ou­vir crí­ti­cas e su­ges­tões, e tam­bém pa­ra fa­lar da nos­sa mis­são ali.”

O pro­je­to ga­nhou o ape­li­do ca­ri­nho­so por­que, se­gun­do Tor­do­ro, a in­ten­ção era pas­sar aos po­li­ci­ais a im­por­tân­cia de eles cri­a­rem um re­la­ci­o­na­men­to pró­xi­mo com a co­mu­ni­da­de. “Quan­do o PM es­tá pa­tru­lhan­do o bair­ro e um ci­da­dão ace­na com a mão e o con­vi­da pa­ra to­mar um ca­fé e co­mer um bo­lo, o po­li­ci­al fi­ca re­ce­o­so e ten­de a di­zer não. Po­rém, que­re­mos mos­trar pa­ra ele que é pre­ci­so sim pa­rar e in­ves­tir tem­po pa­ra ou­vir o mo­ra­dor, co­nhe­cê-lo me­lhor, en­ten­der a de­man­da de­le, o pro­ble­ma que exis­te na­que­le bair­ro”, ex­pli­ca.

Es­sa pro­xi­mi­da­de e re­la­ção mais “ca­ma­ra­da” en­tre po­li­ci­ais e ci­da­dãos não sig­ni­fi­ca, se­gun­do o ca­pi­tão Tor­do­ro, que os PMs vão pas­sar a mão da ca­be­ça de to­do mun­do. “Não tem na­da a ver com o PM ser frou­xo. Ele vai tra­tar o sus­pei­to co­mo sus­pei­to e o ci­da­dão de bem co­mo ci­da­dão de bem”, ga­ran­te. Além de me­lho­rar a sen­sa­ção de se­gu­ran­ça, a po­lí­cia co­mu­ni­tá­ria aca­ba atu­an­do em ou­tras fren­tes. “Já ar­ti­cu­la­mos ro­ça­gem de pra­ças, po­das e até plan­tio de ár­vo­res”, con­ta. A PM, nes­te ca­so, fun­ci­o­na co­mo um elo en­tre os ór­gãos com­pe­ten­tes e a co­mu­ni­da­de pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas que, de for­ma in­di­re­ta, afe­tam a se­gu­ran­ça. (A.S.)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.