A res­pon­sa­bi­li­da­de do fi­a­dor até a en­tre­ga das cha­ves

Folha de Londrina Domingo - - CLASSIFICADOS IMOBILIÁRIA -

Co­mu­men­te o con­tra­to de lo­ca­ção de imó­vel pos­sui pra­zo de vi­gên­cia de­ter­mi­na­do, po­den­do ser, di­an­te do si­lên­cio dos con­tra­tan­tes, pror­ro­gá­vel por igual pe­río­do, a de­pen­der das obri­ga­ções pac­tu­a­das, ou até mes­mo por pra­zo in­de­ter­mi­na­do.

A Lei do In­qui­li­na­to (Lei 8.245/91) es­ti­pu­la, em seu art. 39, que qual­quer das ga­ran­ti­as da lo­ca­ção se es­ten­de até a efe­ti­va en­tre­ga das cha­ves (de­vo­lu­ção do imó­vel pe­lo lo­ca­tá­rio/in­qui­li­no ao lo­ca­dor), ain­da que pror­ro­ga­da a lo­ca­ção por pra­zo in­de­ter­mi­na­do, sal­vo dis­po­si­ção con­tra­tu­al em con­trá­rio.

Por­tan­to, no ca­so de ga­ran­tia lo­ca­tí­cia na mo­da­li­da­de fi­an­ça, em re­gra, o fi­a­dor fi­ca­rá res­pon­sá­vel pe­las obri­ga­ções con­tra­tu­ais até a efe­ti­va transmissão da pos­se di­re­ta do imó­vel pa­ra o lo­ca­dor. Ou po­de­rão os con­tra­tan­tes pac­tu­ar res­pon­sa­bi­li­da­des de mo­do di­ver­so, re­gis­tran­do seus in­te­res­ses em con­tra­to.

No co­ti­di­a­no, a mai­o­ria dos con­tra­tos de lo­ca­ção con­tem cláu­su­la dis­pon­do que a res­pon­sa­bi­li­da­de do fi­a­dor per­du­ra-se até o mo­men­to da efe­ti­va en­tre­ga das cha­ves/de­vo­lu­ção do imó­vel.

Nes­se pas­so, a Ju­ris­pru­dên­cia do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça en­ten­de que “ha­ven­do no con­tra­to de lo­ca­ção cláu­su­la ex­pres­sa pre­ven­do a res­pon­sa­bi­li­da­de do fi­a­dor até a en­tre­ga de­fi­ni­ti­va das cha­ves ao lo­ca­dor, es­se res­pon­de pe­las obri­ga­ções con­tra­tu­ais de­cor­ren­tes da pror­ro­ga­ção do con­tra­to até a efe­ti­va en­tre­ga das cha­ves do imó­vel.” (AgRg no AREsp 12396 / SP).

Em con­tra­par­ti­da, a Sú­mu­la nº 214, do pró­prio Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, diz que “O fi­a­dor na lo­ca­ção não res­pon­de por obri­ga­ções re­sul­tan­tes de adi­ta­men­to ao qual não anuiu”. Ou se­ja, o fi­a­dor não po­de ser res­pon­sa­bi­li­za­do quan­do hou­ver al­te­ra­ção con­tra­tu­al ou re­no­va­ção sem o seu co­nhe­ci­men­to ex­pres­so. O que con­cla­ma sem­pre a par­ti­ci­pa­ção e anuên­cia do fi­a­dor nos sub­se­quen­tes e even­tu­ais adi­ta­men­tos do con­tra­to de lo­ca­ção.

Des­se mo­do, tal res­pon­sa­bi­li­da­de do fi­a­dor há que ser ob­ser­va­da pe­las par­tes con­tra­tan­tes na lo­ca­ção. Pe­lo lo­ca­dor, al­me­jan­do oti­mi­zar a ga­ran­tia do con­tra­to e, por par­te do fi­a­dor, ob­ter to­dos os es­cla­re­ci­men­tos ne­ces­sá­ri­os a fim de acei­tar, ou não, o en­car­go da fi­an­ça.

As­sim, su­ge­re-se sem­pre con­sul­tar pre­vi­a­men­te um ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta e de sua con­fi­an­ça, vi­san­do res­guar­dar ao má­xi­mo os di­rei­tos, as obri­ga­ções, e as ex­pec­ta­ti­vas en­vol­vi­das.

A res­pon­sa­bi­li­da­de do fi­a­dor há que ser ob­ser­va­da pe­las par­tes con­tra­tan­tes na lo­ca­ção”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.