Aar­te­de­fu­gir­pa­ra­as­mon­ta­nhas

Folha de Londrina Domingo - - FOLHA 2 -

Uma po­lê­mi­ca ga­nhou fô­le­go na se­ma­na que pas­sou por cau­sa do en­cer­ra­men­to an­te­ci­pa­do da ex­po­si­ção Qu­e­er­mu­seu, no es­pa­ço cul­tu­ral do Santander, em Por­to Ale­gre, de­pois que pes­so­as li­ga­das a mo­vi­men­tos con­ser­va­do­res fi­ze­ram pres­são e in­ti­mi­da­ram o pú­bli­co que ia ver a mos­tra, ale­gan­do que as obras fe­ri­am prin­cí­pi­os mo­rais. A ad­mi­nis­tra­ção do es­pa­ço cul­tu­ral op­tou por en­cer­rar a ex­po­si­ção an­tes do prazo pre­vis­to.

O res­cal­do des­te em­ba­te é uma vi­tri­ne do pen­sa­men­to na­ci­o­nal e ser­ve de pa­râ­me­tro pa­ra a com­pre­en­são des­te mo­men­to do Bra­sil. Não me ad­mi­ro que te­nha si­do a ar­te o es­to­pim de dis­cus­sões aca­lo­ra­das, a ar­te sem­pre in­co­mo­da. Mas em qual­quer mu­seu do mun­do há obras con­tro­ver­sas e nin­guém é obri­ga­do a vê-las, mu­seus e ga­le­ri­as são es­pa­ços diferentes de mei­os que le­vam à sa­la de nos­sa ca­sa, como aTV e a in­ter­net, te­mas que pais e mães po­dem con­si­de­rar im­pró­pri­os pa­ra seus fi­lhos. Mas o que cau­sou espanto são as in­ver­da­des que per­me­a­ram as dis­cus­sões. Den­tre 270 obras ex­pos­tas nu­ma mos­tra que tem como te­má­ti­ca o uni­ver­so LGBT, ape­nas três fo­ram in­sis­ten­te­men­te res­sal­ta­das como im­pró­pri­as ou até mes­mo“de­ge­ne­ra­das”. Uma de­las de Ly­gia Clark (1920 - 1988), ex­po­en­te da ar­te con­tem­po­râ­nea na­ci­o­nal, pin­to­ra e es­cul­tu­ra que expôs, por exem­plo, na Bi­e­nal deVe­ne­za (1954) e in­te­grou a I Ex­po­si­ção de Ar­te Ne­o­con­cre­ta do Bra­sil, em 1959.

A obra de Ly­gia Clark que cau­sou po­lê­mi­ca cha­ma-se“O Eu e oTu - sé­rie Rou­pa-Cor­po-Rou­pa” (1967), que con­sis­te em dois ma­ca­cões li­ga­dos por um tu­bo. Ca­da um dos ma­ca­cões tem seis zí­pe­res e as pes­so­as que os ves­tem po­dem to­car o cor­po uma da ou­tra. Na on­da da bo­a­ta­ria que en­vol­veu a mos­tra, pes­so­as li­ga­das aos mo­vi­men­tos cen­so­res tra­ta­ram de di­fun­dir pe­las re­des so­ci­ais que “cri­an­ças te­ri­am ves­ti­do os ma­ca­cões e to­ca­do as ge­ni­tá­li­as umas das ou­tras.” Foi en­tão que Ál­va­ro Clark, fi­lho de Ly­gia Clark, veio a pú­bli­co pa­ra es­cla­re­cer que a in­for­ma­ção er­rô­nea, di­vul­ga­da pe­lo ve­re­a­dor do PSC do Rio de Ja­nei­ro Car­los Bol­so­na­ro – sim, ele é fi­lho “da­que­le” ou­tro – não ti­nha ne­nhum fun­da­men­to.

Pri­mei­ro: a obra es­ta­va ex­pos­ta num ma­ne­quim, por­tan­to não dis­po­ní­vel pa­ra in­te­ra­ções; se­gun­do, os ma­ca­cões são de ta­ma­nho gran­de e não ca­bem pro­por­ci­o­nal­men­te nas cri­an­ças; ter­cei­ro, os ma­ca­cões não tem zí­pe­res na re­gião das ge­ni­tá­li­as. Ou se­ja, muita gen­te caiu na men­ti­ra di­vul­ga­da por pes­so­as que re­pre­sen­tam um gran­de re­tro­ces­so por­que ali­am mo­ra­lis­mo a in­ver­da­des, mis­tu­ra in­fla­má­vel e pe­ri­go­sa.

Mas não ape­nas se­to­res da di­rei­ta pro­mo­vem a cen­su­ra, a es­quer­da tam­bém pro­ta­go­ni­za uma es­pé­cie de blitz cul­tu­ral po­li­ci­an­do es­pe­tá­cu­los e até li­vros que estariam in­cor­ren­do em ex­pres­sões politicamente in­cor­re­tas. Em 2015, a

Ilus­tra­ção: Mar­co Ja­cob­sen

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.