Re­be­lião em Ma­rin­gá ter­mi­na após 30 ho­ras

Cer­ca de 70 pre­sos es­ta­vam amo­ti­na­dos e man­ti­nham três re­féns na ala se­te do pre­sí­dio des­de quin­ta-fei­ra (4)

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - por Pau­lo Bri­guet Isa­be­la Fleis­ch­mann Re­por­ta­gem Lo­cal ge­ral@fo­lha­de­lon­dri­na.com.br

- A re­be­lião na PEM (Pe­ni­ten­ciá­ria Es­ta­du­al de Ma­rin­gá), que fi­ca no mu­ni­cí­pio de Pai­çan­du, ter­mi­nou de­pois de 30 ho­ras de ten­são. O mo­tim co­me­çou na quin­ta-fei­ra (4), quan­do um agen­te pe­ni­ten­ciá­rio e dois pre­sos fo­ram fei­tos re­féns. A ne­go­ci­a­ção en­tre os po­li­ci­ais e os pre­sos ter­mi­nou por vol­ta das 15h30 des­ta sex­ta-fei­ra (5) com a li­be­ra­ção dos re­féns, que es­ta­vam amar­ra­dos. Não hou­ve fe­ri­dos.

De acor­do com o De­pen (De­par­ta­men­to Pe­ni­ten­ciá­rio do Pa­ra­ná), o mo­tim co­me­çou após uma ten­ta­ti­va frus­tra­da de fu­ga. “Hou­ve uma si­tu­a­ção em que os pre­sos vi­ram uma fa­lha na se­gu­ran­ça e a par­tir daí fi­ze­ram o agen­te re­fém e pas­sa­ram a rei­vin­di­car al­gu­mas coi­sas”, ex­pli­cou o di­re­tor ge­ral do De­pen, Francisco Al­ber­to Ca­ri­ca­ti. O SOE (Se­ção de Ope­ra­ções Es­pe­ci­ais) in­ter­viu e os pre­sos fi­ca­ram amo­ti­na­dos na ga­le­ria se­te. Ca­ri­ca­ti de­fi­niu a ação po­li­ci­al co­mo um “su­ces­so”.

Con­for­me o di­re­tor, os pre­sos pe­di­am me­lho­ri­as na co­mi­da da pri­são, ques­tões pro­ces­su­ais e de se­gu­ran­ça. “Ques­tões ge­né­ri­cas”, dis­se. O De­pen afir­mou que a ali­men- ta­ção dos pre­sos se­rá ava­li­a­da com a di­re­ção da pe­ni­ten­ciá­ria. Já qu­an­to aos pro­ces­sos, Ca­ri­ca­ti ale­gou que “ca­be ao Ju­di­ciá­rio fa­zer es­se ti­po de pro­ce­di­men­to”.

Os pre­sos tam­bém re­cla­ma­vam da che­fia de se­gu­ran­ça. Mas, pa­ra o di­re­tor, “o De­pen tem fei­to de for­ma per­ma­nen­te ins­pe­ções nas uni­da­des pe­ni­ten­ciá­ri­as de for­ma pre­ven­ti­va”. Con­for­me o res­pon­sá­vel, a uni­da­de de Ma­rin­gá já re­ce­be­ria a fis­ca­li- za­ção pa­ra ve­ri­fi­car a apli­ca­bi­li­da­de do que es­tá no re­gu­la­men­to pe­ni­ten­ciá­rio, bem co­mo to­do o Es­ta­do.

Mes­mo com o mo­tim, não há pre­vi­são de que pre­sos se­jam trans­fe­ri­dos. A ne­go­ci­a­ção foi fei­ta de for­ma con­jun­ta por equi­pes de ba­ta­lhões de Po­lí­cia Mi­li­tar e do Bo­pe (Ba­ta­lhão de Ope­ra­ções Es­pe­ci­ais) e de­mo­rou por­que “ha­via uma li­de­ran­ça con­fu­sa” en­tre os pre­sos, co­mo ex­pli­cou o co­ro­nel Ade­mar Car­los Pas­cho­al.

“Eles de­mo­ra­ram pa­ra en­tre­gar a pau­ta de rei­vin­di­ca­ções e ti­nham sem­pre a pre­o­cu­pa­ção que hou­ves­se re­ta­li­a­ção, mas ga­ran­ti­mos que não iria acon­te­cer”, expôs. Se­gun­do o co­ro­nel, hou­ve mo­men­tos ten­sos du­ran­te a ne­go­ci­a­ção, já que uma ga­le­ria es­ta­va to­ma­da e em de­ter­mi­na­do mo­men­to os pre­sos de ou­tra ga­le­ria ten­ta­ram ade­rir à re­be­lião. “Ti­ve­mos que ter ações pa­ra não per­der a ca­deia”, con­tou.

De acor­do com o Pas­cho­al, o pré­dio so­freu pou­cos da­nos. “Tem al­gu­ma des­trui­ção por­que co­lo­ca­ram fo­go em col­chões, mas é pou­co, dá pa­ra re­sol­ver”, pon­tu­ou. Com o fim do mo­tim, os ape­na­dos fo­ram con­du­zi­dos ao pá­tio pa­ra re­vis­ta. Até o fim des­ta sex­ta­fei­ra (5), os po­li­ci­ais não en­con­tra­ram qu­al­quer ar­ma.

Ques­ti­o­na­do so­bre en­vol­vi­men­to de fac­ções cri­mi­no­sas no mo­tim, Pas­cho­al re­pli­cou: “Não te­mos co­mo afir­mar”.

Nos ar­re­do­res da PEM, fa­mi­li­a­res aguar­da­ram afli­tos in­for­ma­ções so­bre os de­ten­tos e re­cla­ma­ram da fal­ta de aten­ção das au­to­ri­da­des. “Não sa­be­mos quem es­tá fe­ri­do”, la­men­tou uma mu­lher, que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car.

Ou­tra mu­lher que pre­fe­riu pre­ser­var a iden­ti­da­de dis­se que pas­sou a noi­te es­pe­ran­do in­for­ma­ções so­bre o ma­ri­do, que cum­pre pe­na há 11 anos e te­ria re­cla­ma­do da di­re­ção da PEM, que res­trin­giu co­mi­da e rou­pas tra­zi­das por fa­mi­li­a­res. “Tam­bém não da­vam a op­ção pa­ra eles tra­ba­lha­rem e re­mi­rem a pe­na”, dis­se.

Os fa­mi­li­a­res dos pre­sos con­ta­ram à re­por­ta­gem que o único au­xí­lio que re­ce­be­ram foi de uma igre­ja, que le­vou ali­men­tos pa­ra os que aguar­da­vam no­tí­ci­as. De acor­do com o gru­po, o tra­ta­men­to tan­to dos pre­sos qu­an­to dos fa­mi­li­a­res de­ve­ria ser mais hu­ma­no, já que “a pe­na eles es­tão pa­gan­do lá den­tro”.

A ali­men­ta­ção e a ener­gia elé­tri­ca que ti­nham si­do sus­pen­sas na ga­le­ria se­te pa­ra ace­le­rar as ne­go­ci­a­ções já ha­vi­am si­do res­ta­be­le­ci­das. O agen­te pe­ni­ten­ciá­rio que foi fei­to re­fém es­tá bem e sem fe­ri­men­tos e o Sin­dars­pen (Sin­di­ca­to dos Agen­tes Pe­ni­ten­ciá­ri­os do Pa­ra­ná) ga­ran­tiu su­por­te ju­rí­di­co ao pro­fis­si­o­nal.

Vo­cê es­tá na es­qui­na e tem de es­co­lher en­tre dois ca­mi­nhos: qual se­rá me­lhor?” Eles de­mo­ra­ram pa­ra en­tre­gar a pau­ta de rei­vin­di­ca­ções e te­mi­am por re­ta­li­a­ção,mas ga­ran­ti­mos que não iria acon­te­cer”

Mar­cos Za­nut­to

Pa­ra o De­pen, mo­tim co­me­çou após ten­ta­ti­va frus­tra­da de fu­ga. Ne­go­ci­a­ção ter­mi­nou por vol­ta das 15h30 de sex­ta-fei­ra (5) com a li­be­ra­ção dos re­féns

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.