Uma­e­lei­ção di­fe­ren­te de to­das E

Folha de Londrina Domingo - - OPINIÃO - Opi­ni­ao@fo­lha­de­lon­dri­na.com.br

m meio a tan­tas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to di­vul­ga­das nos úl­ti­mos di­as, cha­ma aten­ção uma con­sul­ta re­a­li­za­da pe­lo Ins­ti­tu­to Da­ta­fo­lha, mos­tran­do que o bra­si­lei­ro tem mui­to apre­ço pe­la de­mo­cra­cia. Se­gun­do a pes­qui­sa, pa­ra 69% dos elei­to­res bra­si­lei­ros, a de­mo­cra­cia é sem­pre a me­lhor for­ma de go­ver­no, ín­di­ce su­pe­ri­or ao re­gis­tra­do no úl­ti­mo le­van­ta­men­to so­bre o te­ma, em ju­nho de 2018. Nes­sa épo­ca, 57% dos en­tre­vis­ta­dos ti­nham a mes­ma vi­são so­bre a de­mo­cra­cia. Se­gun­do o Da­ta­fo­lha, os de­mais, atu­al­men­te, di­vi­dem-se en­tre aque­les que, em cer­tas cir­cuns­tân­ci­as, acre­di­tam que é me­lhor uma di­ta­du­ra do que a de­mo­cra­cia, quem acre­di­ta que tan­to faz a for­ma de go­ver­no, além dos que não opi­na­ram. E é com a de­mo­cra­cia em men­te que, nes­te do­min­go (7), um pou­co mais de 147 mi­lhões de bra­si­lei­ros de­vem ir às ur­nas pa­ra ele­ger pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, se­na­do­res, go­ver­na­do­res e de­pu­ta­dos es­ta­du­ais e fe­de­rais. No Bra­sil, são 147 mi­lhões de elei­to­res, en­quan­to no Pa­ra­ná, são 8 mi­lhões de pes­so­as ap­tas a vo­tar, se­gun­do o TSE (Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral).

Com a cam­pa­nha elei­to­ral che­gan­do ao fim, de cer­te­za há ape­nas a cons­ta­ta­ção de um pro­ces­so di­fe­ren­te de to­dos. A cam­pa­nha mais cur­ta da his­tó­ria ter­mi­na que­bran­do to­das as cer­te­zas e es­tra­té­gi­as. Não é mais o ho­rá­rio elei­to­ral gra­tui­to nem os de­ba­tes na te­le­vi­são que dão o tom da dis­pu­ta. O mar­ke­ting elei­to­ral dá lu­gar às guer­ri­lhas nas re­des so­ci­ais. Co­mo já era pre­vis­to, a po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca co­lo­cou dois ex­tre­mos ide­o­ló­gi­cos nas pri­mei­ras po­si­ções das pes­qui­sas e a de­sin­for­ma­ção ro­lou sol­ta na for­ma de fa­ke news. Com­par­ti­lha­das à exaus­tão no gru­po da fa­mí­lia, do tra­ba­lho ou do con­do­mí­nio, as men­ti­ras fa­bri­ca­das cum­pri­ram o seu pa­pel de for­ta­le­ci­men­to das “bo­lhas so­ci­ais”, com os usuá­ri­os das re­des re­ce­ben­do e con­su­min­do con­teú­do de acor­do com as su­as pre­fe­rên­ci­as.

É o mo­men­to cer­to pa­ra re­fle­tir so­bre as con­sequên­ci­as de uma so­ci­e­da­de que par­te ca­da vez mais pa­ra uma vi­da se­pa­ra­da em “tri­bos”, com seus gru­pos fi­can­do mais dis­tan­te um dos ou­tros. A po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca que mar­ca as elei­ções de 2018 não po­de im­pe­dir o elei­tor de vo­tar nes­te do­min­go (7) le­van­do em con­ta que o País pre­ci­sa mu­dar de ru­mo e cons­ci­en­te que a sua es­co­lha se­rá de­ci­si­va.

In­de­pen­den­te­men­te de quem ga­nhar (no pri­mei­ro ou no se­gun­do tur­no), é pre­ci­so con­fi­ar que os elei­tos acei­tem com res­pei­to e ho­nes­ti­da­de a mis­são de con­du­zir o Pa­ra­ná e o Bra­sil pe­las mu­dan­ças e re­for­mas ne­ces­sá­ri­as pa­ra ge­rar em­pre­go, for­ta­le­cer a eco­no­mia e cons­truir uma so­ci­e­da­de mais jus­ta e igual.

A cam­pa­nha mais cur­ta da his­tó­ria ter­mi­na que­bran­do to­das as cer­te­zas e es­tra­té­gi­as”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.