Cons­ti­tui­ção, de­mo­cra­cia e elei­ções

Folha de Londrina Domingo - - OPINIÃO - ES­PA­ÇO ABER­TO CLODOMIRO JO­SÉ BANNWART JÚNIOR, pro­fes­sor de Éti­ca e Fi­lo­so­fia Po­lí­ti­ca na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na

Até aqui che­ga­mos! Co­me­mo­ra­mos 30 anos da Cons­ti­tui­ção ci­da­dã com uma de­mo­cra­cia bal­za­qui­a­na que aco­lhe, na elei­ção de do­min­go (7), o mais am­plo es­pec­tro ide­o­ló­gi­co par­ti­dá­rio, da es­quer­da à di­rei­ta, in­clu­si­ve os dis­cur­sos ex­tre­ma­dos nas pon­tas. Sob es­sa pers­pec­ti­va não há co­mo ne­gar que a de­mo­cra­cia vai bem. Ela al­ber­ga a plu­ra­li­da­de e per­mi­te que as idei­as, as mais di­ver­sas, con­cor­ram li­vre­men­te pa­ra ob­ter a acei­ta­ção do elei­tor, o so­be­ra­no e le­gí­ti­mo fi­a­dor dos pró­xi­mos man­da­tos.

Cons­ti­tui­ção, de­mo­cra­cia e elei­ções são con­cei­tos que ca­mi­nham in­ti­ma­men­te re­la­ci­o­na­dos. A dis­pu­ta po­lí­ti­ca, a al­ter­nân­cia de po­der e a regularidade do exer­cí­cio dos man­da­tos so­men­te en­con­tram le­gi­ti­mi­da­de sob o las­tro de­mo­crá­ti­co. São as re­gras de­mo­crá­ti­cas que con­fe­rem aos ci­da­dãos a pos­si­bi­li­da­de de re­gu­la­rem os con­fli­tos so­ci­ais de for­ma ins­ti­tu­ci­o­nal, evi­tan­do a bar­bá­rie e a vi­o­lên­cia. Elas pro­por­ci­o­nam, ade­mais, que o Es­ta­do - nos Po­de­res cons­ti­tuí­dos - atue nos li­mi­tes le­gais, con­fir­man­do­os­prin­cí­pi­os­que mar­cam a es­tru­tu­ra do Es­ta­do de di­rei­to. Não há de­mo­cra­cia fo­ra do Es­ta­do de di­rei­to, e es­te só se man­tém sob a égi­de e o res­pei­to à Cons­ti­tui­ção.

O des­mo­ro­na­men­to de uma de­mo­cra­cia tem iní­cio quan­do o des­res­pei­to aos pre­cei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais são pa­tro­ci­na­dos no va­re­jo, sob a su­ti­le­za de nar­ra­ti­vas que vi­sam a se­le­ci­o­nar um va­lor so­ci­al es­pe­cí­fi­co em de­tri­men­to aos de­mais (su­pe­ri­o­ri­da­de axi­o­ló­gi­ca), ou a de­ter­mi­nar o fim a que to­dos de­vem se sub­me­ter (su­pe­ri­o­ri­da­de epis­te­mo­ló­gi­ca). O to­ta­li­ta­ris­mo sem­pre na­ve­gou nes­sas águas tur­vas. É por is­so que o gran­de de­sa­fio da de­mo­cra­cia es­tá em as­se­gu­rar no mes­mo de­no­mi­na­dor co­mum a cor­re­la­ção en­tre so­be­ra­nia po­pu­lar e di­rei­tos fun­da­men­tais. E pa­ra is­so não de­ve­mos, ja­mais, des­vi­ar o olhar da Cons­ti­tui­ção.

Tal co­mo no epi­só­dio de Ulis­ses, pa­ra não su­cum­bir ao can­to da se­rei­as, a Cons­ti­tui­ção de­ve es­tar amar­ra­da ao mas­tro do bar­co. A nos­sa li­ber­da­de es­ta­rá pre­ser­va­da en­quan­to a Cons­ti­tui­ção con­ti­nu­ar sen­do o nor­te a nos li­vrar de tra­gé­di­as e de can­tos ape­la­ti­vos que en­fei­ti­çam, so­bre­tu­do, as re­des so­ci­ais. La­men­ta­vel­men­te, a se­du­ção das se­rei­as é mui­to for­te e seu can­to soa de for­ma qua­se ir­re­sis­tí­vel. O elei­tor irá as ur­nas sa­ben­do que à sua vol­ta pu­lu­lam se­rei­as, can­tos e en­can­ta­men­tos.

As se­rei­as se­du­zem quan­do os pa­la­di­nos da Jus­ti­ça pro­mo­vem in­ter­pre­ta­ções elás­ti­cas na Cons­ti­tui­ção a pon­to de dis­tor­cê-la, ou ain­da, a pre­tex­to de atin­gir a de­ter­mi­na­dos fins, im­põem de­ci­sões que vão além das rai­as da le­ga­li­da­de. É um de­lei­te, pa­ra mui­tos, quan­do a Jus­ti­ça ce­de es­pa­ço aos jus­ti­cei­ros que in­ter­fe­rem no pro­ces­so elei­to­ral com su­as ope­ra­ções es­pe­ta­cu­lo­sas. O mes­mo ocor­re quan­do po­lí­ti­cos se em­pe­nham em con­quis­tar o po­der den­tro das re­gras do jo­go de­mo­crá­ti­co, mas ne­gam a to­do mo­men­to as de­ci­sões ju­di­ci­ais que lhes são des­fa­vo­rá­veis, de­las se be­ne­fi­ci­an­do ape­nas pa­ra in­fe­rir que são ví­ti­mas. Não me­nos gra­ve são ma­ni­fes­ta­ções no es­pa­ço pú­bli­co que cla­mam, à luz do dia, pe­lo ex­ter­mí­nio de opo­si­to­res e fler­tam sem pu­dor com pos­tu­ras an­ti­de­mo­crá­ti­cas, a pon­to de não se con­ten­ta­rem ape­nas em de­sa­mar­rar a Cons­ti­tui­ção do mas­tro, mas in­sis­tem em cor­tar o pró­prio mas­tro da em­bar­ca­ção. E ma­ri­nhei­ros que so­mos, al­guns se de­li­ci­am alu­ci­na­dos sob o can­to das se­rei­as, en­quan­to o bar­co se apro­xi­ma, ca­da vez mais, das ro­chas pon­ti­a­gu­das. Ou­tros, de­sa­cre­di­ta­dos e sur­dos ao can­to das se­rei­as, se de­ses­pe­ram di­an­te da tra­gé­dia anun­ci­a­da.

As elei­ções cons­ti­tu­em mo­men­to ím­par a de­ci­dir o fu­tu­ro do País. Que o único som pos­sí­vel de ser ou­vi­do nes­te do­min­go se­ja o da ur­na ele­trô­ni­ca con­fir­man­do uma es­co­lha autô­no­ma, ra­ci­o­nal e res­pon­sá­vel.

Enão­cus­ta­lem­brar!Não­são­a­pe­na­sos­nos­so­sad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos que es­tão no bar­co. Ne­le es­ta­mos to­dos nós. E co­mo di­zem os mais jo­vens: jun­tos e mis­tu­ra­dos.

A dis­pu­ta po­lí­ti­ca, a al­ter­nân­cia de po­der e a regularidade do exer­cí­cio dos man­da­tos so­men­te en­con­tram le­gi­ti­mi­da­de sob o las­tro de­mo­crá­ti­co”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.