Uma re­vo­lu­ção cha­ma­da block­chain

Tec­no­lo­gia que dá su­por­tes às pri­mei­ras mo­e­das di­gi­tais tem mui­to mais a ofe­re­cer

Folha de Londrina Domingo - - ENTREVISTA - Nel­son Bor­to­lin Re­por­ta­gem Lo­cal

Block­chain é uma tec­no­lo­gia de­sen­vol­vi­da pa­ra su­por­tar a pri­mei­ra crip­to­mo­e­da, ou mo­e­da di­gi­tal, o bit­coin, cri­a­do em 2008. Ho­je são cer­ca de mil des­se ti­po de mo­e­da no mun­do, sen­do que as mais im­por­tan­tes uti­li­zam o block­chain. E quem es­tu­da a tec­no­lo­gia diz que ela vai se pres­tar a ou­tras fun­ções e se­rá re­vo­lu­ci­o­ná­ria.

Na opi­nião do ad­vo­ga­do lon­dri­nen­se Car­los Ale­xan­dre Ro­dri­gues, mes­tran­do em di­rei­to ne­go­ci­al, po­de­rá im­pac­tar tan­to qu­an­to o ad­ven­to da ele­tri­ci­da­de. “A tec­no­lo­gia em si é sim­ples. É co­mo se fos­se um li­vro con­tá­bil com aces­so pú­bli­co, on­de tu­do que es­cri­to não po­de ser apa­ga­do”, de­ta­lha.

Em ar­ti­go es­cri­to pa­ra a Re­vis­ta dos Tri­bu­nais, Ro­dri­gues ex­pli­ca que, até a in­ven­ção do bit­coin, as tran­sa­ções on-li­ne sem­pre exi­gi­ram um in­ter­me­diá­rio. “To­man­do co­mo exem­plo uma trans­fe­rên­cia ban­cá­ria, a par­te que de­se­jas­se pa­gar uma de­ter­mi­na­da quan­tia a ou­tra, ne­ces­si­ta­ria da in­ter­me­di­a­ção de uma ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra pa­ra va­li­dar es­sa tran­sa­ção, co­mo os da­dos das con­tas de en­tra­da e saí­da, os sal­dos, a ve­ra­ci­da­de das as­si­na­tu­ras en­vol­vi­das, bem co­mo a ine­xis­tên­cia de gas­tos du­plos da mes­ma quan­tia.”

Na con­cep­ção do block­chain, diz o ad­vo­ga­do, es­sa con­fi­an­ça é re­ti­ra­da de uma par­te es­pe­cí­fi­ca e re­pas­sa­da pa­ra to­da a re­de e seus usuá­ri­os. “Eles passam a ser os res­pon­sá­veis pe­la va­li­da­ção e re­gis­tro his­tó­ri­co das tran­sa­ções, per­mi­tin­do as­sim que a tran­sa­ção se­ja fei­ta di­re­ta­men­te de par­te a par­te (pe­er to pe­er). É uma es­tru­tu­ra aber­ta e des­cen­tra­li­za­da”, ex­pli­ca.

O block­chain é con­si­de­ra­do “uma sé­rie de blo­cos en­ca­de­a­dos”. E ca­da blo­co é iden­ti­fi­ca­do por uma men­sa­gem crip­to­gra­fa­da (hash), que fun­ci­o­na co­mo uma im­pres­são di­gi­tal. “A li­ga­ção de um blo­co a ou­tro é sem­pre fei­ta por ou­tro hash, sen­do que a al­te­ra­ção do hash do blo­co pai im­pli­ca em al­te­ra­ção do blo­co fi­lho”, diz ele.

A tec­no­lo­gia é dis­tri­buí­da (não há uma ba­se de da­dos cen­tral),pú­bli­ca (seus da­dos não es­tão sob a pro­te­ção de ne­nhu­ma ins­ti­tui­ção) e crip­to­gra­fa­da (seu fun­ci­o­na­men­to se dá com ba­se em cál­cu­los ma­te­má­ti­cos que trans­for­mam uma men­sa­gem em uma sequên­cia de ca­rac­te­res). “As tran­sa­ções são re­gis­tra­das em um blo­co (block), li­ga­do em ca­deia (chain) a ou­tro, ge­ran­do daí a de­no­mi­na­ção ho­je co­nhe­ci­da”, afirma. Con­fi­ra tre­chos de en­tre­vis­ta con­ce­di­da pe­lo ad­vo­ga­do à FO­LHA:

Co­mo vo­cê ex­pli­ca o block­chain pa­ra quem não tem fa­mi­li­a­ri­da­de com o as­sun­to?

A tec­no­lo­gia em si é sim­ples. É co­mo se fos­se um li­vro con­tá­bil com aces­so pú­bli­co, on­de tu­do que es­cri­to não po­de ser apa­ga­do.

Mas quem ga­ran­te is­so?

A tec­no­lo­gia em si é cri­a­da pa­ra is­so. Quan­do eu re­gis­tro uma coi­sa num si­te qu­al­quer, ela fi­ca gra­va­da no ser­vi­dor. Já, na tec­no­lo­gia block­chain, o que vo­cê re­gis­tra fi­ca es­pa­lha­do por to­dos os com­pu­ta­do­res que aces­sam es­sa tec­no­lo­gia. Vo­cê te­ria que apa­gar em to­dos os com­pu­ta­do­res

To­das as crip­to­mo­e­das uti­li­zam block­chain?

Não pos­so te ga­ran­tir que to­das­fa­zem­por­block­chain, mas as mais fa­mo­sas se ba­sei­am na tec­no­lo­gia pa­ra po­der ter cre­di­bi­li­da­de.

A tec­no­lo­gia te­ria nas­ci­do a par­tir da ideia de Sa­toshi Na­ka­mo­to, que nin­guém sa­be se re­al­men­te exis­te.Co­mo é is­so?

Nin­guém tem cer­te­za se es­se Sa­toshi exis­tiu, nem se é uma pes­soa ou uma cor­po­ra­ção ou mes­mo uma por­ção de com­pu­ta­do­res. É meio uma len­da que tem por trás do block­chain. No pa­per do lan­ça­men­to, es­tá es­cri­to que a tec­no­lo­gia nas­ceu pa­ra abri­gar a mo­e­da bit­coin. Ho­je, o bit­coin é só um pe­da­ci­nho da block­chain. O re­gis­tro pú­bli­co do block­chain é que dá con­fi­an­ça aos in­ves­ti­do­res.

As pes­so­as ain­da têm mui­ta des­con­fi­an­ça em re­la­ção às crip­to­mo­e­das?

O que exis­te é a mes­ma di­fi­cul­da­de de se con­fi­ar em tu­do aqui­lo que é no­vo. Lem­bra quan­do co­me­çou a in­ter­net em 1994? A gen­te ti­nha me­do de com­prar um CD pe­la in­ter­net e ho­je com­pram até car­ro. A gen­te já tem uma imer­são de com­pu­ta­do­res na nos­sa vi­da e tal­vez se­ja até mais fá­cil de acre­di­tar (em block­chain e crip­to­mo­e­das) no cur­to pra­zo do que foi con­fi­ar na in­ter­net.

O di­nhei­ro fí­si­co e es­pe­cí­fi­co pa­ra ca­da país vai de­sa­pa­re­cer?

Há uma ten­den­cia de mi­grar pa­ra es­se meio vir­tu­al. Eu não sei qu­an­to tem­po is­so vai le­var. Mas já tem es­tu­dos so­bre um i-dó­lar e ieu­ro, por exem­plo. O BNDES (Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al) já tem um to­ken pa­ra li­be­ra­ção de em­prés­ti­mos que já usa block­chain.

Mas es­sas mo­e­das,se exis­ti­rem, vão es­tar re­gu­la­das pe­las ins­ti­tui­ções co­mo o dó­lar?

Es­se é o pon­to. Não vou di­zer que a crip­to­mo­e­da vai ser o bit­con ou i-dó­lar. Eu acho que o di­nhei­ro do fu­tu­ro vai ser a crip­to­mo­e­da, mas eu não sei di­zer qual. Ago­ra é que co­me­ça a re­gu­la­ção das mo­e­das vir­tu­ais. Há três anos, is­so era qua­se clan­des­ti­no. Ho­je já exis­tem paí­ses on­de a mo­e­da é bem re­gu­la­da.

Que re­gu­la­ções te­mos no Bra­sil?

Não te­mos. Mas já há bas­tan­te es­tu­do. De um ano pa­ra cá, a CVM (Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os) apre­sen­tou di­re­tri­zes pa­ra fun­dos que apli­cam em mo­e­das di­gi­tais. Mas não dá pa­ra cha­mar de re­gu­la­ção. Há du­as cir­cu­la­res, mas es­se as­sun­to de­ve ga­nhar um cor­po mai­or na CVM. E tem pro­je­to de lei no Con­gres­so que é bem in­ci­pi­en­te. É um pro­je­to bem ruim aliás, que mis­tu­ra crip­to­mo­e­da com mi­lhas de vi­a­gem. E ten­ta tra­tar co­mo ar­ran­jo­de­pa­ga­men­to.Acho que o pro­je­to se­rá mu­da­do com­ple­ta­men­te.

O Ban­co Cen­tral tam­bém apre­sen­tou di­re­tri­zes,não é?

O Ban­co Cen­tral tem du­as cir­cu­la­res su­ge­rin­do que não se use crip­to­mo­e­das num pri­mei­ro mo­men­to. Mas não as proi­biu. Le­van­tou os ris­cos que po­de ter de a pes­soa per­der tu­do num dia. Acho exa­ge­ra­do. Elas re­for­çam que as crip­to­mo­e­das não são o di­nhei­ro ofi­ci­al do País. O Ban­co Cen­tral põe bas­tan­te me­do em quem quer usar.

An­tes do bit­coin, que sur­giu em 2008,já hou­ve uma pro­pos­ta de mo­e­da di­gi­tal. Co­mo foi is­so?

La pa­ra trás (anos 1980), uma pes­soa cha­ma­da Nick Sza­bo lan­çou uma tec­no­lo­gia, e-chash, que era di­gi­tal mo­ney. Era mais ou me­nos a ideia das crip­to­mo­e­das, mas não ti­nha a tec­no­lo­gia de ho­je. A in­ter­net era bem in­ci­pi­en­te e ele ten­tou fa­zer que as tran­sa­ções de car­tões de cre­di­to fos­sem pa­ra es­se la­do. A em­pre­sa de­le fa­liu, mas de­pois a ideia de­le foi usa­da nas crip­to­mo­e­das. A pri­mei­ra é o bit­coin, que nas­ceu lo­go de­pois da cri­se de 2008.

As­crip­to­mo­e­das­são­ven­di­das co­mo opor­tu­ni­da­de de des­cen­tra­li­zar o sis­te­ma fi­nan­cei­ro.Mas­nãoéal­go­mais in­se­gu­ro­queWallS­tre­et?

Não, vol­ta­mos ao block­chain, que dão se­gu­ran­ça pa­ra elas. Des­de que a pri­mei­ra mo­e­da di­gi­tal foi lan­ça­da, em 2008, até ho­je não hou­ve ne­nhu­ma frau­de no mun­do in­tei­ro. Não adi­an­ta vo­cê frau­dar um único ser­vi­dor, tem de frau­dar me­ta­de dos com­pu­ta­do­res no mun­do. Ho­je, a gen­te con­fia em ins­ti­tui­ções, con­fia no ban­co, no go­ver­no, na ope­ra­do­ra do car­tão. No fu­tu­ro, es­sa con­fi­an­ça se­rá to­da re­pas­sa­da pa­ra a re­de.

Co­mo as crip­to­mo­e­das são ven­di­das ho­je?

De três jei­tos: vo­cê po­de mi­ne­rar a mo­e­da . Mas ho­je é bas­tan­te di­fí­cil por­que exi­ge com­pu­ta­do­res mui­to po­ten­tes.

Vo­cê­po­de­com­prar­de­cor­re­to­ras es­pe­cí­fi­cas pa­ra crip­to­mo­e­das. Não são cor­re­to­ras re­gu­la­das pe­la CVM. Nes­se ca­so é um pro­ces­so mui­to fá­cil, atra­vés de apli­ca­ti­vo. Ou po­de com­prar sem in­ter­me­diá­ri­os, di­re­ta­men­te de uma ou­tra pes­soa pe­la re­de, por meio de um có­di­go.

Va­mos pas­sar a pa­gar to­das as nos­sa con­tas por crip­to­mo­e­das?

Ho­je, quan­do a pes­soa bus­ca a crip­to­mo­e­da, ela es­tá mui­to fo­ca­da em in­ves­ti­men­tos. Mas o mais in­te­res­san­te é o que es­tá por trás da mo­e­da, ou se­ja, a tec­no­lo­gia block­chain. Quem a es­tu­da mais a fun­do, sa­be que ela vai re­vo­lu­ci­o­nar o mun­do co­mo re­vo­lu­ci­o­nou a ele­tri­ci­da­de. Ima­gi­na es­se sis­te­ma de re­gis­tro pú­bli­co apli­ca­do à ad­mi­nis­tra­ção em ge­ral, aos pro­ces­sos de li­ci­ta­ção.

O block­chain vai re­vo­lu­ci­o­nar o mun­do as­sim co­mo acon­te­ceu com a ele­tri­ci­da­de

Gi­na Mar­do­nes

Ad­vo­ga­do lon­dri­nen­se Car­los Ale­xan­dre Ro­dri­gues com­pa­ra o block­chain a um li­vro con­tá­bil com aces­so pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.