Pi­or pa­ra o Bra­sil

Folha de Londrina Domingo - - ENTREVISTA -

O grau de ra­di­ca­li­za­ção a que che­ga­mos na elei­ção pre­si­den­ci­al co­lo­ca o ca­os co­mo ine­vi­tá­vel pers­pec­ti­va mais pró­xi­ma. É o que apa­ren­ta o ho­ri­zon­te, pos­to quer ne­le se in­si­ra, de for­ma sur­pre­en­den­te, o in­for­me, uma chis­pa de ar­co-íris, do Da­ta­fo­lha de que 69% dos bra­si­lei­ros pre­fe­rem a de­mo­cra­cia a re­gi­mes que a ne­guem. Não é a pri­mei­ra vez que en­fren­ta­mos um ce­ná­rio tão per­tur­ba­dor. Em 1960, sob o im­pac­to da Guer­ra Fria, ti­ve­mos is­so com a vi­tó­ria de Jâ­nio Qua­dros aga­sa­lha­do em par­ti­do na­ni­co, o Par­ti­do Tra­ba­lhis­ta Na­ci­o­nal (aqui tam­bém fez a in­ter­ven­ção que fa­ria de Pau­lo Pi­men­tel o can­di­da­to ir­re­ver­sí­vel de Ney Bra­ga e que ra­cha­ria o Par­ti­do De­mo­cra­ta Cris­tão), que de­ti­nha um his­tó­ri­co mes­si­â­ni­co, com cu­ja re­nún­cia fi­ca­mos a pi­que de uma guer­ra ci­vil mo­ni­to­ra­da pe­lo ge­ne­ral Ma­cha­do Lo­pes, que não su­bes­ti­mou a re­sis­tên­cia de Le­o­nel Bri­zo­la e da bri­ga­da gaú­cha e atu­ou pe­la con­cór­dia na con­di­ção de co­man­dan­te do Ter­cei­ro Exér­ci­to on­de se da­vam as ope­ra­ções pe­la pos­se de João Gou­lart.

Si­tu­a­ção mais ou me­nos se­me­lhan­te e anô­ma­la vi­ria com a elei­ção de Col­lor, a pri­mei­ra de­pois da di­ta­du­ra, tam­bém sob aco­lhi­da de par­ti­do sem ex­pres­são, al­go pró­xi­mo da si­tu­a­ção do­mi­nan­te atu­al, e que en­con­trou nas ins­ti­tui­ções ele­men­tos pa­ra vol­tar à nor­ma­li­da­de. O que se in­da­ga ho­je é o se­guin­te: há con­di­ções pa­ra a nor­ma­li­da­de ou es­sa, em qu­al­quer dos ca­sos das can­di­da­tu­ras ho­je co­lo­ca­das, é per­me­a­da de in­cli­na­ções mor­bi­da­men­te gol­pis­tas?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.