DÍ­VI­DA

Folha de Londrina Domingo - - POLÍTICA -

Na ava­li­a­ção de Cor­reia, um fa­tor im­por­tan­te pa­ra a saú­de fis­cal do Es­ta­do foi a re­ne­go­ci­a­ção, em 2016, da dí­vi­da do Pa­ra­ná com a União, que pas­sou a ser re­a­jus­ta­da pe­lo IPCA (Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo) mais 4% ao ano ao in­vés do IGP-DI (Ín­di­ce Ge­ral de Pre­ços - Dis­po­ni­bi­li­da­de In­ter­na) mais 6% ao ano. “Te­mos de ob­ser­var o com­por­ta­men­to da dí­vi­da con­so­li­da­da em re­la­ção à re­cei­ta. Se a ve­lo­ci­da­de de cres­ci­men­to for al­ta, é um pro­ble­ma, por­que po­de ter uma tra­je­tó­ria ex­plo­si­va a mé­dio pra­zo”, ex­pli­ca.

Cid Cor­dei­ro lem­bra que o te­to de gas­tos se­gui­rá em vi­gor e res­trin­ge tam­bém. En­tre­tan­to, ele diz que há sim mar­gens pa­ra am­pli­ar os in­ves­ti­men­tos. “O go­ver­no fez em 2018 uma pre­vi­são na mi­nha ava­li­a­ção equi­vo­ca­da de re­cei­ta, su­bes­ti­ma­da, e is­so aca­ba ge­ran­do mar­gem pa­ra au­men­to no ano que vem. Tam­bém a au­sên­cia de ges­tão das po­lí­ti­cas pu­bli­cas. Não há ar­ti­cu­la­ção en­tre as di­fe­ren­tes áre­as”, cri­ti­ca.

Con­for­me o con­sul­tor, o pró­xi­mo go­ver­na­dor vai ser pres­si­o­na­do a au­men­tar os gas­tos que não fo­ram re­a­li­za­dos. “Cla­ro que o go­ver­no elei­to po­de in­clu­si­ve con­ti­nu­ar com es­sa po­li­ti­ca. E nós te­ría­mos a qu­e­da da qua­li­da­de do ser­vi­ço pú­bli­co pres­ta­do à po­pu­la­ção. Se qui­ser re­ver­ter es­se qua­dro e me­lho­rar, es­ta­rá en­fren­tan­do de­sa­fi­os enor­mes, de re­cons­truir o que o Be­to Ri­cha fez no Pa­ra­ná. Es­sa re­cons­tru­ção vai de­man­dar R$ 5 bi­lhões de pas­si­vo na pre­vi­dên­cia, R$ 4 bi­lhões na saú­de, con­tra­ta­ção de ser­vi­do­res e ain­da a dí­vi­da do go­ver­no, de 11,83% de re­a­jus­te acu­mu­la­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.