Fal­ta in­ves­tir mai­sem­saú­de ese­gu­ran­ça Nú­me­ros ne­ga­ti­vos na aten­ção bá­si­ca acen­dem aler­ta, e si­tu­a­ção car­ce­rá­ria ain­da é gra­ve pro­ble­ma, di­zem es­pe­ci­a­lis­tas

Folha de Londrina Domingo - - POLÍTICA - Ra­fa­el Cos­ta Re­por­ta­gem Lo­cal

Cu­ri­ti­ba - Dois dos te­mas mais lem­bra­dos pe­los elei­to­res quan­do se fa­la em pro­ble­mas do país e em pri­o­ri­da­des pa­ra o po­der pú­bli­co, a saú­de e a se­gu­ran­ça pú­bli­ca apre­sen­tam de­sa­fi­os tam­bém pa­ra o pró­xi­mo ocu­pan­te do Pa­lá­cio Igua­çu.

Em­bo­ra apre­sen­te me­lho­ras im­por­tan­tes em in­di­ca­do­res co­mo a mor­ta­li­da­de ma­ter­na e te­nha con­se­gui­do man­ter o pa­ta­mar de mor­ta­li­da­de in­fan­til em um ce­ná­rio de pi­o­ra no país, o es­ta­do apre­sen­ta qu­e­da na co­ber­tu­ra va­ci­nal - um si­nal de aler­ta, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas.

Na se­gu­ran­ça, o de­fi­cit de va­gas e a per­cep­ção de in­se­gu­ran­ça da po­pu­la­ção per­sis­tem, ape­sar de que­das em in­di­ca­do­res co­mo a ta­xa de ho­mi­cí­di­os. tão pi­o­ran­do no Pa­ra­ná, o go­ver­no do Es­ta­do de­ve ten­tar iden­ti­fi­car as cau­sas e atu­ar”, diz Ch­ris­ti­an Men­dez Al­can­ta­ra, pro­fes­sor dos cur­sos de Agen­te Co­mu­ni­tá­rio em Saú­de, Ges­tão Pú­bli­ca e Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca da UFPR (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­ra­ná).

Pa­ra Dei­vis­sonVi­an­na, pro­fes­sor de Saú­de Co­le­ti­va da UFPR (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­ra­ná), es­ta qu­e­da é ob­ser­va­da na­ci­o­nal­men­te e tem múl­ti­plas cau­sas, co­mo de­fi­ci­ên­ci­as edu­ca­ci­o­nais e o “re­la­xa­men­to”da­po­pu­la­ção­di­an­te da er­ra­di­ca­ção de do­en­ças in­fec­to-con­ta­gi­o­sas. A re­du­ção de Agen­tes Co­mu­ni­tá­ri­os de Saú­de e da Co­ber­tu­ra da Aten­ção Bá­si­ca no Pa­ra­ná, no en­tan­to, tam­bém con­tri­bui pa­ra es­te ti­po de re­sul­ta­do, e tem re­la­ção di­re­ta com os in­ves­ti­men­tos fei­tos pe­lo Es­ta­do na saú­de, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta.

Is­so acon­te­ce por­que, em­bo­ra a aten­ção pri­má­ria se­ja de res­pon­sa­bi­li­da­de dos mu­ni­cí­pi­os, os bai­xos in­ves­ti­men­tos das uni­da­des fe­de­ra­ti­vas na área vêm for­çan­do as ci­da­des a re­du­zi­rem seus in­ves­ti­men­tos pa­ra as­su­mi­rem gas­tos que se­ri­am dos es­ta­dos, co­mo a cons­tru­ção de am­bu­la­tó­ri­os e o fi­nan­ci­a­men­to de hos­pi­tais. “Man­ter um hos­pi­tal é ca­rís­si­mo e não faz sen­ti­do pa­ra um mu­ni­cí­pio pe­que­no”, dizVi­an­na.

Pa­ra o es­pe­ci­a­lis­ta, es­te de­se­qui­lí­brio ex­pli­ca re­du­ção da co­ber­tu­ra no Es­ta­do.“Ela caiu de cer­ca de 68% pa­ra 64% em mais ou me­nos dois anos. Is­so quer­di­zer­quehá­me­no­se­qui­pes de saú­de dis­po­ní­veis”, diz. Já o nú­me­ro de agen­tes - os pro­fis­si­o­nais que fa­zem vi­si­tas do­mi­ci­li­a­res e a iden­ti­fi­ca- ção pre­co­ce de do­en­ças, por exem­plo - caiu de 12.773 em fe­ve­rei­ro de 2016 pa­ra 11.785 em agos­to de 2018.

“O pró­xi­mo go­ver­no vai ter o de­sa­fio de ali­vi­ar a car­ga or­ça­men­tá­ria dos mu­ni­cí­pi­os com saú­de in­ves­tin­do o mí­ni­mo que a Cons­ti­tui­ção de­ter­mi­na, que é de 12% do or­ça­men­to, e qui­çá au­men­tan­do es­te in­ves­ti­men­to”, diz.

O pro­fes­sor apon­ta que a Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 95, que li­mi­ta gas­tos do go­ver­no fe­de­ral, ten­de a agra­var es­te ce­ná­rio.

Na ava­li­a­ção de Al­can­ta­ra, além de aju­dar os mu­ni­cí­pi­os com con­sór­ci­os, hos­pi­tais re­gi­o­nais e a qua­li­fi­ca­ção da aten­ção pri­má­ria, o go­ver­no do Es­ta­do tam­bém pre­ci­sa­rá ter uma gran­de ca­pa­ci­da­de de ar­ti­cu­la­ção com as pre­fei­tu­ras pa­ra me­lho­rar a saú­de no Pa­ra­ná.

“O es­ta­do não tem ca­pa­ci­da­de e ca­pi­la­ri­da­de pa­ra im­ple­men­tar al­gu­mas po­lí­ti­cas pro­pos­tas na cam­pa­nha, por­que elas de­pen­dem dos ato­res lo­cais”, diz. “O fu­tu­ro go­ver­no e seus se­cre­tá­ri­os pre­ci­sa­rão fa­zer um tra­ba­lho ar­ti­cu­la­do com os mu­ni­cí­pi­os e co­or­de­nar a aten­ção pri­má­ria. Po­lí­ti­cas‘ver­ti­cais’ ten­dem a fra­cas­sar ou ter pou­co im­pac­to.” Ele ci­ta es­tu­dos que mos­tram que, em São Pau­lo, o cri­me or­ga­ni­za­do in­ter­fe­re de ma­nei­ra de­li­be­ra­da no nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os, o que tam­bém po­de ter re­fle­xos no Pa­ra­ná pe­la pro­xi­mi­da­de ge­o­grá­fi­ca.

Ele lem­bra, tam­bém, que o ho­mi­cí­dio é ape­nas um dos fa­to­res da vi­o­lên­cia. “A qu­es­tão mais im­por­tan­te pa­ra a po­pu­la­ção ur­ba­na, e mes­mo pa­ra mo­ra­do­res de pe­que­nas ci­da­des, é tor­nar o sis­te­ma de se­gu­ran­ça pú­bli­ca mais efi­ci­en­te pa­ra com­ba­ter cri­mes co­muns, co­mo fur­tos, rou­bos, atos de vi­o­lên­cia co­ti­di­a­nas que cau­sam da­nos in­clu­si­ve psí­qui­cos e sim­bó­li­cos mui­to im­por­tan­tes no dia a dia da po­pu­la­ção”, diz.“A po­lí­cia tem de es­tar pre­pa­ra­da pa­ra re­sol­ver es­se uni­ver­so mais am­plo da vi­o­lên­cia com uma atu­a­ção mais in­te­li­gen­te e efi­caz.”

Ho­je, o efe­ti­vo de po­li­ci­ais mi­li­ta­res no Pa­ra­ná é de mais de 21 mil, de acor­do com a PM, pa­ra cer­ca de 11,3 mi­lhões de pa­ra­na­en­ses, se­gun­do a es­ti­ma­ti­va mais re­cen­te do IB­GE. Pa­ra Bu­e­no, em­bo­ra um efe­ti­vo su­fi­ci­en­te e bem equi­pa­do se­ja im­por­tan­te, a pri­o­ri­da­de de­ve ser a abor­da­gem pre­ven­ti­va, não os­ten­si­va. “Mui­tos pla­nos de go­ver­no fa­lam em po­lí­cia pre­ven­ti­va, mas pou­cos o fa­zem na prá­ti­ca”, diz. “Po­lí­ti­cas de po­li­ci­a­men­to mais pre­ven­ti­vas e mais co­mu­ni­tá­ri­as po­dem aju­dar na con­ten­ção do cri­me e do me­do ur­ba­no. O go­ver­no tem au­to­no­mia pa­ra atu­ar nes­sa di­re­ção. Nos­so pro­ble­ma não é au­men­tar o nú­me­ro de po­li­ci­ais. É tra­tar a se­gu­ran­ça de uma ma­nei­ra mais efi­ci­en­te”, ava­lia.

Ri­car­do Chi­ca­rel­li/30-08-2018

Efe­ti­vo de po­li­ci­ais mi­li­ta­res no Pa­ra­ná é de mais de 21 mil, mas pri­o­ri­da­de de­ve ser a abor­da­gem pre­ven­ti­va em vez da os­ten­si­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.