PRI­SÕES

Folha de Londrina Domingo - - POLÍTICA -

Por ou­tro la­do, há pro­ble­mas cu­jos da­dos fa­lam por si só. É o ca­so do de­fi­cit no sis­te­ma pe­ni­ten­ciá­rio. O De­pen (De­par­ta­men­toPe­ni­ten­ciá­rio do Es­ta­do do Pa­ra­ná) in­for­ma que ho­je há 20.903 pre­sos pa­ra 18.645 va­gas no Es­ta­do - um de­fi­cit de 2.258 so­men­te

nas uni­da­des pe­nais. Os pre­sos em de­le­ga­ci­as pa­ra­na­en­ses agra­va o qua­dro. A Po­lí­cia Ci­vil não dis­pu­nha de um le­van­ta­men­to atu­a­li­za­do so­bre o nú­me­ro de pre­sos em de­le­ga­ci­as no es­ta­do até o fe­cha­men­to des­ta re­por­ta­gem. Até de­zem­bro de 2017, no en­tan­to, ha­via 10.729 pre­sos em car­ce­ra­gens de de­le­ga­ci­as e ca­dei­as pú­bli­cas no Es­ta­do, que ti­nham ca­pa­ci­da­de pa­ra 3.618 - uma su­per­lo­ta­ção de 196,5%, se­gun­do o re­sul­ta­do de uma au­di­to­ria do TCE (Tri­bu­nal de Con­tas do Es­ta­do do Pa­ra­ná) di­vul­ga­do em mar­ço des­te ano.

Re­du­zir es­te de­fi­cit é ur­gen­te tan­to pa­ra ga­ran­tir os di­rei­tos das pes­so­as pre­sas qu­an­to pa­ra pre­ve­nir a re­tro­a­li­men­ta­ção da cri­mi­na­li­da­de pe­las con­di­ções das pri­sões, diz Ale­xan­dre Sa­lo­mão, pre­si­den­te da Co­mis­são de De­fe­sa dos Di­rei­tos Hu­ma­nos da OABPR.

“A cons­tru­ção de uni­da­des que es­tão pen­den­tes - al­gu­mas já pro­je­ta­das e com ver­bas li­be­ra­das - pa­ra aco­mo­da­res­sas­pes­so­as­de­vi­da­men­te de­ve ser uma pri­o­ri­da­de do go­ver­no do Pa­ra­ná”, diz.

Co­mo exem­plo, o ad­vo­ga­do lem­bra a mor­te de um pre­so em uma ca­deia de Umu­a­ra­ma (No­ro­es­te), em se­tem­bro, que ti­nha 260 pre­sos em uma car­ce­ra­gem com ca­pa­ci­da­de pa­ra 60. “Não se po­de fa­lar em dig­ni­da­de em um lo­cal co­mo es­se. E não se po­de ad­mi­tir que o Es­ta­do fa­ça es­se ti­po de coi­sa”, diz.

Re­ver a po­lí­ti­ca cri­mi­nal pa­ra re­du­zir o en­car­ce­ra­men­to em con­jun­to com o Po­der Ju­di­ciá­rio, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, De­fen­so­ria Pú­bli­ca e a pró­pria OAB é ou­tro pas­so fun­da­men­tal, se­gun­do Sa­lo­mão.“Man­ter um diá­lo­go en­tre os Po­de­res

se­rá o mai­or de­sa­fio”, ava­lia.

O ad­vo­ga­do lem­bra que ca­da vez mais pes­so­as es­tão ade­rin­do a or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas den­tro das pe­ni­ten­ciá­ri­as por di­fe­ren­tes mo­ti­vos - en­tre eles, a união em tor­no das con­di­ções de­gra­dan­tes cri­a­das pe­lo pró­prio Es­ta­do. “Mui­tas ve­zes, elas en­tram no sis­te­ma pa­ra res­pon­der ao pro­ces­so e ter­mi­nam ab­sol­vi­das no fi­nal, mas en­tram em con­ta­to com a cri­mi­na­li­da­de or­ga­ni­za­da”, diz. “Dei­xar que se crie um ‘clu­be’ de pes­so­as com des­vio de con­du­ta não me pa­re­ce mui­to in­te­li­gen­te”, cri­ti­ca.

Pa­ra Sa­lo­mão, em­bo­ra o Pa­ra­ná não pos­sa re­sol­ver so­zi­nho es­ta dis­tor­ção, dis­põe de mei­os pa­ra cri­ar con­di­ções mais ade­qua­das - in­clu­si­ve, me­di­an­te a uti­li­za­ção de al­ter­na­ti­vas à pri­são pa­ra o con­tro­le da cri­mi­na­li­da­de. “Ho­je, te­mos um gran­de nú­me­ro de pes­so­as que não têm gran­de atu­a­ção cri­mi­no­sa sen­do co­lo­ca­das den­tro do sis­te­ma em de­tri­men­to de in­ves­ti­ga­ções de cri­mes de ho­mi­cí­dio, por exem­plo, que têm um ín­di­ce de so­lu­ção de ca­sos que não che­ga a 20%”, diz.

“Não es­ta­mos ten­do pi­cos de cri­mes vi­o­len­tos. No Es­ta­do, es­sa ten­dên­cia . Mas o en­car­ce­ra­men­to mai­or é pa­ra cri­mes não vi­o­len­tos. En­tão, mui­tas ve­zes, fal­ta es­pa­ço na uni­da­de pri­si­o­nal pa­ra se co­lo­car al­guém pa­ra cum­prir pe­na de cri­me pra­ti­ca­do com vi­o­lên­cia ou gra­ve ame­a­ça por­que tem al­guém acu­sa­do por um cri­me sem vi­o­lên­cia ocu­pan­do es­se es­pa­ço.” Os pro­ble­mas re­fle­tem a si­tu­a­ção das pe­ni­ten­ciá­ri­as es­ta­du­ais, on­de as re­be­liões são re­cor­ren­tes, a úl­ti­ma de­las nes­ta se­ma­na, na Pe­ni­ten­ciá­ria Es­ta­du­al de Ma­rin­gá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.