Mai­or in­ves­ti­dor do País vê vi­tó­ria de Bol­son aro e am­plia com­pra de ações

Em­pre­sá­rio Luis Stuhl­ber­ger, do Fun­do Ver­de, au­men­tou as apli­ca­ções na Bo­ves­pa em se­tem­bro; pa­ra o ban­co Gold­man Sa­chs, vi­tó­ria do can­di­da­to do PSL no pri­mei­ro tur­no se­ria “sur­pre­sa”

Folha de Londrina Domingo - - ECONOMIA & NEGÓCIOS - Tás­sia Kast­ner Fo­lha­press

São Pau­lo

- O em­pre­sá­rio Luis Stuhl­ber­ger, um dos mais res­pei­ta­dos in­ves­ti­do­res do País por sua ges­tão do Fun­do Ver­de, ele­vou as apli­ca­ções em Bol­sa no mês de se­tem­bro an­te­ci­pan­do a pos­si­bi­li­da­de de Jair Bol­so­na­ro (PSL) avan­çar na pre­fe­rên­cia dos elei­to­res em um se­gun­do tur­no con­tra Fer­nan­do Had­dad (PT).

Em re­la­tó­rio a in­ves­ti­do­res, que foi dis­tri­buí­do nes­ta sex­ta-fei­ra (5), Stuhl­ber­ger afirma que acre­di­ta­va no cres­ci­men­to de Bol­so­na­ro no se­gun­do tur­no, quan­do o ca­pi­tão re­for­ma­do do Exér­ci­to pas­sa­ria a so­frer me­nos ata­ques de opo­si­to­res, ao mes­mo tem po­em que po­de­ri­as e ala­van car­co­ma re­jei­ção ao PT.

“Agran­de sur­pre­sa foi que es­se pro­ces­so de re­jei­ção à es­quer­da ocor­reu de ma­nei­ra mui­to ace­le­ra­da, es­pe­ci­al­men­te nos úl­ti­mos di­as. Com is­so, o ce­ná­rio que vis­lum­brá­va­mos ocor­rer ao lon­go de ou­tu­bro foi an­te­ci­pa­do”, diz em re­la­tó­rio.

“A elei­ção ain­da é ex­tre­ma­men­te aper­ta­da, não po­de­mos es­que­cer. Com os mer­ca­dos nos pre­ços atu­ais, par­te da as­si­me­tria exis­ten­te - o que con­si­de­rá­va­mos ex­ces­so de pes­si­mis­mo - de­sa­pa­re­ceu”, acres­cen­ta o in­ves­ti­dor.

O Fun­do Ver­de foi cri­a­do em 1997 e en­tro upa­ra his­tó­ria co­mo o mais bem su­ce­di- do do mer­ca­do bra­si­lei­ro, acu­mu­lan­do al­ta su­pe­ri­or a 15.000% no pe­río­do. No mer­ca­do, po­rém, a cau­te­la subs­ti­tuiu a eu­fo­ria que pre­do­mi­nou no mer­ca­do fi­nan­cei­ro du­ran­te a se­ma­na. Nes­ta sex­ta (5), no úl­ti­mo pre­gão an­tes das elei­ções de do­min­go, a Bol­sa bra­si­lei­ra fe­chou em qu­e­da. O dó­lar tam­bém re­cu­ou e en­cer­rou no me­nor pa­ta­mar des­de 9 de agos­to, quan­do a cor­ri­da elei­to­ral co­me­ça­va a se de­se­nhar.

GOLDMANSACHS

A vi­tó­ria no pri­mei­ro tur­no do can­di­da­to à Pre­si­dên­cia Jair Bol­so­na­ro (PSL) se­ria con­si­de­ra­da uma si­tu­a­ção sur­pre­sa, se­gun­do re­la­tó­rio do ban­co de in­ves­ti­men­to Gold­man Sa­chs so­bre as elei­ções bra­si­lei­ras des­te ano.

De acor­do co­mo do­cu­men­to, o in­ves­ti­dor tam­bém de­ve se sur­pre­en­der se o ca­pi­tão re­for­ma­do ob­ti­ver mais 44% dos vo­tos vá­li­dos ou se su­pe­rar em mais de 15 pon­tos per­cen­tu­ais o se­gun­do co­lo­ca­do.

Mas não é ape­nas so­bre o can­di­da­to do PSL que o re­la­tó­rio de­se­nha si­tu­a­ções que diz se­rem sur­pre­en­den­tes. Se­gun­do o ban­co, tam­bém se­ria ines­pe­ra­do se o can­di­da­to do PT, Fer­nan­do Had­dad, con­se­guir mais de 26% ou me­nos de 20% dos vo­tos nes­te do­min­go (7).

O mes­mo ocor­re­ria se Ci­ro Go­mes (PDT) e Ma­ri­na Sil­va (Re­de) ti­ve­rem, jun­tos, mais de 20% ou me­nos de 10% dos vo­tos vá­li­dos. No ca­so do can­di­da­to Ge­ral­do Alck­min (PSDB), a sur­pre­sa vi­ria se o tu­ca­no ti­ver me­nos de 5% ou mais de 12% dos vo­tos.

No re­la­tó­rio, di­vul­ga­do nes­ta sex­ta-fei­ra (5), o ban­co de in­ves­ti­men­tos afirma que a cam­pa­nha elei­to­ral des­te ano foi al­ta­men­te po­la­ri­za­da, cheia de sur­pre­sas e car­re­ga­da de emo­ção.

Além dis­so, diz que o pa­no de fun­do foi um sen­ti­men­to con­trá­rio às es­tru­tu­ras po­lí­ti­cas tra­di­ci­o­nais, vis­tas co­mo cor­rup­tas e egoís­tas. A po­la­ri­za­ção tra­di­ci­o­nal en­tre PSDB e PT das úl­ti­mas seis elei­ções pre­si­den­ci­ais pa­re­ce ter que­bra­do, re­la­ta o ban­co.

CON­GRES­SO

So­bre o Con­gres­so, a ex­pec­ta­ti­va é que ha­ja uma re­no­va­ção li­mi­ta­da, da­do o pe­río­do de cam­pa­nha ofi­ci­al mais cur­to e as re­gras mais rí­gi­das de fi­nan­ci­a­men­to, que os ana­lis­tas jul­gam co­mo fa­vo­rá­vel aos can­di­da­tos tra­di­ci­o­nais - ca­ci­ques dos par­ti­dos têm mais po­der pa­ra re­ce­ber ver­ba do fun­do elei­to­ral.

O ban­co pre­vê que o Con­gres­so con­ti­nue frag­men­ta­do ide­o­lo­gi­ca­men­te e, por is­so, o pró­xi­mo pre­si­den­te de­ve ter de­sa­fi­os pe­la fren­te pa­ra apro­var re­for­mas, co­mo da Pre­vi­dên­cia, e pa­ra dei­xar os mer­ca­dos de bens e ser­vi­ços mais efi­ci­en­tes e com­pe­ti­ti­vos.

“No ge­ral, o prin­ci­pal de­sa­fio da pró­xi­ma ad­mi­nis­tra­ção é for­ta­le­cer as con­tas fis­cais e apoi­ar um es­for­ço de ex­pan­dir in­ves­ti­men­tos pa­ra ala­van­car um no­vo ci­clo de cres­ci­men­to equi­li­bra­do e so­ci­al­men­te in­clu­si­vo”, in­for­ma o ban­co.

Fun­doVer­de foi cri­a­do em 1997 e acu­mu­la al­ta su­pe­ri­or a 15.000% no pe­río­do

Alf Ri­bei­ro/Shut­ters­tock

Nes­ta sex­ta (5), no úl­ti­mo pre­gão an­tes das elei­ções, a Bol­sa bra­si­lei­ra fe­chou em qu­e­da e o dó­lar tam­bém re­cu­ou: cau­te­la subs­ti­tuiu a eu­fo­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.