No­bel da Paz pre­mia lu­ta con­tra a vi­o­lên­cia se­xu­al

Es­co­lhi­dos pe­lo co­mi­tê são sím­bo­los do com­ba­te ao abu­so co­mo ar­ma de guer­ra

Folha de Londrina Domingo - - MUNDO - Mun­do@fo­lha­de­lon­dri­na.com.br Fo­lha­press

- O prê­mio No­bel da Paz de 2018 foi con­ce­di­do nes­ta sex­ta-fei­ra (5) ao mé­di­co con­go­lês De­nis Mukwe­ge­eàa ti­vi stay az idi Na­dia Mu­rad por seus es­for­ços con­tra o uso de vi­o­lên­cia se­xu­al co­mo ar­ma de guer­ra.

Ao anun­ci­a­ra pre­mi­a­ção, o co­mi­tê do No­bel afir­mou que o gi­ne­co­lo­gis­ta Mukwe­ge, da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, tem si­do “o sím­bo­lo prin­ci­pal e mais uni­fi­ca­dor tan­to na­ci­o­nal qu­an­to in­ter­na­ci­o­nal­men­te da lu­ta­par apôr fi­ma ou so­de vi­o­lên­cia se­xu­al em guer­ras e con­fli­tos ar­ma­dos”.

Na­dia Mu­rad, mem­bro da mi­no­ria re­li­gi­o­sa ya­zi­di no Ira­que, foi cap­tu­ra­da pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co em 2014, es­tu­pra­da re­pe­ti­da­men­te e su­jei­ta­da a ou­tros abu­sos. Se­gun­do o co­mi­tê, ela de­mons­trou“co­ra­gem in­cal­cu­lá­vel ao re­con­tar seu pró­prio so­fri­men­to ”.

“De nis Mukwe­geéo­ag en­te que de­vo­tou sua vi­da a de­fen­de res­sas ví­ti­mas. Na­di a Mu­ra déa tes­te­mu­nha que­nos con­ta dos abu­sos co­me­ti­dos con­tra ela e ou­tros”, afir­mou Be­rit Reiss-An­der­sen, pre­si­den­te do Co­mi­tê do No­bel.

“Am­bos co­lo­ca­ram sua pró­pria se­gu­ran­ça pes­soa em ris­co ao com­ba­ter de for­ma co­ra­jo­sa cri­mes de guer­ra e as­se­gu­rar jus­ti­ça pa­ra as ví­ti­mas”, acres­cen­tou. “Um mun­do mais pa­cí­fi­co só po­de ser al­can­ça­do se as mu­lhe­res, sua se­gu­ran­ça e os di­rei­tos fun­da­men­tais são re­co­nhe­ci­dos e pre­ser­va­dos em tem­pos de guer­ra.”

A ONU (Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das) ce­le­brou o “anún­cio fan­tás­ti­co, que aju­da­rá a fa­zer avan­çar o com­ba­te con­tra a vi­o­lên­cia se­xu­al co­mo ar­ma de guer­ra nos con­fli­tos”. “É uma cau­sa mui­to im­por­tan­te pa­ra as Na­ções Uni­das”, afir­mou a por­ta-voz da ONU em Ge­ne­bra, na Suí­ça, Ales­san­dra Vel­luc­ci.

A pre­mi­a­ção ocor­re após um ano em que o abu­so de mu­lhe­res es­te­ve no cen­tro do de­ba­te in­ter­na­ci­o­nal. Ques­ti­o­na­da se o mo­vi­men­to Me Too ins­pi­rou a pre­mi­a­ção des­te ano, Reiss-An­der­sen afir­mou: “Me Too e cri­mes de guer­ra não são exa­ta­men­te a mes­ma coi­sa. Mas eles têm em co­mum o fa­to de ve­rem o so­fri­men­to das mu­lhe­res, o abu­so a mu­lhe­res, e é im­por­tan­te que mu­lhe­res dei­xem pa­ra trás o con­cei­to de ver­go­nha e fa­lem.”

Mukwe­ge li­de­ra no hos­pi­tal Pan­zi, na ci­da­de de Bu­ka­vu, na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. Aber­ta em 1999, a clí­ni­ca aten­de mi­lha­res de mu­lhe­res to­dos os anos, mui­tas das quais ne­ces­si­tam de ci­rur­gia após a vi­o­lên­cia so­fri­da. Ho­mens ar­ma­dos ten­ta­ram ma­tá-lo em 2012, fa­zen­do com que dei­xas­se tem­po­ra­ri­a­men­te o país.

Aos 25 anos, Mu­rad é a se­gun­da lau­re­a­da mais jo­vem na his­tó­ria do No­bel da Paz. A mais no­va con­ti­nua sen­do a pa­quis­ta­ne­sa Ma­la­la, lau­re­a­das aos 17 anos.

Ela foi cap­tu­ra­da pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co ao la­do das ir­mãs no vi­la­re­jo de Ko­cho, na pro­vín­cia ira­qui­a­na de Sin­jar, no nor­te do Ira­que. Per- deu seis ir­mãos e a mãe quan­do os ex­tre­mis­tas ma­ta­ram to­dos os ho­mens e to­das as mu­lhe­res con­si­de­ra­das ve­lhas de­mais pa­ra se­rem se­xu­al­men­te ex­plo­ra­das. Mu­rad con­se­guiu es­ca­par após três me­ses.

Em 2016, Mu­rad ob­te­ve o pre­miê de di­rei­tos hu­ma­nos con­ce­di­do pe­la União Eu­ro­peia, o Sakha­rov, ao la­do tam­bém ya­zi­di La­miya Aji Bashar. No mes­mo ano, ela ob­te­ve o pre­miê de di­rei­tos Vá­clav Ha­vel, con­ce­di­do pe­lo Con­se­lho Eu­ro­peu. Aos 23 anos, ela foi in­di­ca­da co­mo a pri­mei­ra Em­bai­xa­do­ra da ONU pa­ra a Dig­ni­da­de dos So­bre­vi­ven­tes de Trá­fi­co Hu­ma­no.

Em 2017, Mu­rad pu­bli­cou o li­vro de me­mó­ri­as “The Last Girl” (“A Úl­ti­ma Me­ni­na”, sem edi­ção em por­tu­guês). “A cer­to pon­to, ha­via es­tu­pro e na­da mais. Is­so se tor­na­va seu dia nor­mal”, es­cre­veu. Es­ti­ma-se que 3 mil mu­lhe­res e me­ni­nas ya­zi­di te­nham si­do ví­ti­mas de vi­o­lên­cia se­xu­al e ou­tros abu­sos pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

O prê­mio em 2018 é de 9 mi­lhões de co­ro­as su­e­cas, o equi­va­len­te a US$ 1,01 mi­lhão ou R$ 3,9 mi­lhões. No ano pas­sa­do, o pre­mi­a­do foi a Cam­pa­nha In­ter­na­ci­o­nal pa­ra Abo­lir as Ar­mas Nu­cle­a­res.

A pre­mi­a­ção se­rá en­tre­gue em Os­lo em 10 de de­zem­bro, ani­ver­sá­rio da mor­te do in­dus­tri­al su­e­co Al­fred No­bel, que cri­ou a pre­mi­a­ção em seu tes­ta­men­to, em 1895.

Fre­de­rick Flo­rin/AFP

De­nis Mukwe­ge e Na­dia Mu­rad fo­ram es­co­lhi­dos pa­ra di­vi­dir o prê­mio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.