Mor­te evi­da são te­mas de crô­ni­cas

Meu ami­go par­tiu na pri­ma­ve­ra, quan­do nem to­dos os ipês flo­res­ce­ram

Folha de Londrina Domingo - - FOLHA 2 -

Ele era ma­gro, ti­nha apa­rên­cia frá­gil, ul­ti­ma­men­te es­ta­va fi­can­do ca­re­ca ou com en­tra­das que lem­bra­vam as cur­vas e es­tra­das que per­cor­reu na vi­da. Co­nhe­ci-o, as­sim, ma­gro e es­per­to. Um es­tu­dan­te de Eco­no­mia na mes­ma uni­ver­si­da­de em que fiz Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al. Sua mo­ra­da, uma re­pú­bli­ca co­nhe­ci­dís­si­ma em Lon­dri­na, era um ca­sa­rão ver­de de ma­dei­ra na rua Tu­pi, on­de ha­via fes­tas e pes­so­as can­tan­do. Con­vi­ve­mos mui­to tem­po, mo­ças e ra­pa­zes que ti­nham en­con­tros diá­ri­os, num ti­po de so­li­da­ri­e­da­de que per­de­mos com o pas­sar dos anos. Os adul­tos qua­se sem­pre se iso­lam, apa­gam ou re­du­zem a cha­ma da ami­za­de até vi­rar um fo­gui­nho, que não avis­ta­mos mais de lon­ge. Fo­guei­ras que vão se apa­gan­do, lu­zes que se per­dem. Até que vem o ba­que da mor­te e, abo­ba­lha­dos, des­lo­ca­dos em re­la­ção ao que en­tra pe­la vi­da co­mo um gol­pe, re­ce­be­mos, mais dia me­nos dia, a no­tí­cia de que o ami­go se foi.

Na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra (3), re­ce­bi as­sim a no­tí­cia de que meu ami­go Car­los Mot­ta, o Car­li­nhos, ha­via par­ti­do da for­ma mais vi­o­len­ta e do­lo­ri­da: foi as­sas­si­na­do. Os por­me­no­res não ca­bem aqui, já bas­ta a crô­ni­ca po­li­ci­al dan­do con­ta que ele “ti­nha uma es­pé­cie de sa­lão de be­le­za” no seu apar­ta­men­to, no cen­tro de Cu­ri­ti­ba. Não era “uma es­pé­cie de sa­lão”, era um sa­lão, meu ami­go sem­pre foi tra­ba­lha­dor, se sus­ten­tou e vi­veu com um pro­fis­si­o­na­lis­mo que se con­fi­gu­ra­va num de­se­nho de per­fei­ção em tu­do que fa­zia. Se ha­via mó­veis usa­dos em al­gum can­to, ele os re­co­lhia, li­xa­va e pin­ta­va e, da­li a um tem­po, vía­mos uma ca­dei­ra azul em sua sa­la, com al­mo­fa­das com­bi­nan­do. Su­as ca­sas sem­pre ti­ve­ram jar­dins ou plan­tas pen­den­tes, ti­nha mãos bo­as pa­ra plan­tar, ama­va as flo­res e, coin­ci­den­te­men­te, par­tiu na pri­ma­ve­ra. Des­ta vez, sem tem­po de ver to­da flo­ra­ção.

Quan­do per­di meu pai, em 1989, ele foi o ami­go que pas­sou al­guns me­ses lá em ca­sa, me con­so­lan­do co­mo um ir­mão que ex­pres­sa­va afe­to pe­la mi­nha fa­mí­lia que ia aos pou­cos se des­fa­zen­do: mãe e pai, le­va­dos pe­la ve­lhi­ce. Ges­tos de so­li­da­ri­e­da­de as­sim a gen­te nun­ca es­que­ce, em­bo­ra nos úl­ti­mos anos nos te­nha­mos vis­to tão pou­co, mo­ran­do em ci­da­des di­fe­ren­tes. Mas sou­be que ele par­tiu co­mo veio ao mun­do, uma cri­an­ça eter­na que cor­ria ris­cos no ím­pe­to de apro­vei­tar a vi­da. E, mes­mo na mor­te, ele dei­xa um exem­plo de vi­ta­li­da­de e de pul­são pe­lo im­pre­vis­to que só cir­cun­da os mui­to vi­vos.

Há mo­men­tos mai­o­res do que as crô­ni­cas po­li­ci­ais que des­qua­li­fi­cam os mor­tos por­que tes­te­mu­nhas fa­lam de seu “his­tó­ri­co de ho­mos­se­xu­a­li­da­de”, há mo­men­tos mai­o­res que a vi­o­lên­cia con­den­sa­da em pa­la­vras que pre­su­mem que um ami­go, se­jam quais fo­rem su­as es­co­lhas, ca­vou pa­ra si cir­cuns­tân­ci­as ad­ver­sas. A mor­te co­lhe a to­dos, não se es­que­çam, se­jam quais fo­rem as su­as es­co­lhas.

Di­an­te da per­da, pre­fi­ro me lem­brar do ami­go em vi­da, sua fra­gi­li­da­de e su­as ca­mi­se­tas co­lo­ri­das, seu es­pí­ri­to in­do­má­vel, sua ale­gria em usar te­sou­ras pa­ra cor­tar ca­be­los, plan­tar mar­ga­ri­das, trans­for­mar es­pa­ços hu­mil­des em quin­tais de luz, abrin­do ve­ne­zi­a­nas on­de só ha­via pa­re­des. As­sim me lem­bro de Car­li­nhos, sig­no da pri­ma­ve­ra que par­tiu an­tes do tem­po, quan­do nem to­dos os ipês flo­ri­ram di­an­te de seus olhos que se ale­gra­vam, co­mo pou­cos, com o es­pe­tá­cu­lo da vi­da. Si­ga em paz, ami­go, e que ha­ja flo­res.

Arquivo pes­so­al/ Mar­co Ja­cob­sen

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.