Pri­mei­ro ti­ra­ram o so­nho do Ae­ro­por­to de car­gas e ago­ra proí­bem cons­tru­ção de gran­ja

Folha de Londrina Domingo - - GENTE - OSWALDO MILITÃO

Al­guém me­dis­se, cer­to dia, em uma reu­nião na ci­da­de, que“Lon­dri­na imi­ta o Bra­sil: tem ou pro­cu­ra ter le­gis­la­ção de Suí­ça, e tem eco­no­mia de qua­se se­gun­do mun­do, que dei­xa mui­to a de­se­jar ...” Que se­não fos­se o agro­ne­gó­cio, es­ta­ría­mos pi­or do­que a an­ti­ga“Bel ín­dia ”. Lei­to­res po­de­rão pen­sar que is­so se­ja exa­ge­ro, mas há coi­sas que acon­te­cem a qui­que são sur­pre­en­den­tes. Exem­plo: pa­ras e abri rum no­vo con­sul­tó­rio mé­di­co, le­va-se um tem­pão pa­ra li­be­rar o al­va­rá de li­cen­ça. Ou­tro exem­plo: um pro­pri­e­tá­rio de sí­tio, há anos, es­tá proi­bi­do de cons­truir uma gran­ja pa­ra cri­ar ga­li­nhas, por­que sua pro­pri­e­da­de es­tá per­to da cha­ma­da ago­ra“zo­na de amor­te­ci­men­to da Ma­ta dos Go­doy”.M ais um exem­plo: a ses­tra­das es­tão pre­ci­san­do de re­pa­ros, mas os si­ti­an­tes es­tão proi­bi­dos pe­la lei, que obe­de­ce a al­gu­ma de­ci­são su­pe­ri­or, de re­ti­rar­mo le­do pa­ra ta­par os bu­ra­cos da ses­tra­das ... A cons­tru­ção do Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Car­gas“foi pe­lo sa­res ”. Foi bar­ra do­po ru­ma ONG, me dis­se­ram, e pa­ra­béns pa­ra Ma­rin­gá, que agra­de­ce, pois au­men­ta­mo mo­vi­men­to do Ae­ro­por­to de lá, no­que fa­zem mui­to bem. Ain­da nes­ta ter­ça-fei­ra (2), hou­ve reu­nião no Sin­di­ca­to Ru­ral Pa­tro­nal de Lon­dri­na, pre­si­di­do por Nar­ci­so Piss in ati,p ara de­fen­der os di­rei­tos ad­qui­ri­dos dos pro­pri­e­tá­ri­os ru­rais, que têm seu ga­nha-pão em ter­ras que cir­cun­dam a Ma­ta­dos Go­doy, em um to­tal de 22 mil al­quei­res. O IA P tam­bém es­tá mui­to pre­o­cu­pa­do co­ma si­tu­a­ção cri­a­da, pois tu do­es­tá pa­ra­do em li­mi­nar da­da em juí­zo, ape­di­do de uma ONG lo­cal. A“zo­na de amor­te­ci­men­to” pe­ga des­de o Pa­trimô­nio Sel­va até o Dis­tri­to de Ire­rê e tal­vez ve­nha até o Pa­trimô­nio Re­gi­na. A ver da deé que o tem­po pas­sou, e des­de a ad­mi­nis­tra­ção de Ale­xan­dre K ire eff,a si­tu­a­ção cri­a­da pre­ci­sa de uma de­ci­são de bom sen­so, que não pre­ju­di­que quem tra­ba­lha há tem­pos nes­sa re­gião do mu­ni­cí­pio. Já há lon­dri­nen­ses di­zen­do que a Ma­ta­dos Go­doyé lin­da, ma­ra­vi­lho­sa, mas­que pre­ci­sa de­mais cui­da­dos, e mui­tos afir­mam que“tal­vez te­nha si doum pre­sen­te de gre­go pa­ra aci­da­de ....”

Luis Pau­lo Her­re­ro/ Di­vul­ga­ção

A ar­qui­te­ta lon­dri­nen­se He­le­na Her­re­ro,que so­ma­mais­de20a­nos de car­rei­ra,dá iní­cio àma­ra­to­na­de mon­ta­gens­de­ce­ná­ri­os deNa­tal­pa­ra shop­pings.Es­se tra­ba­lho ela re­a­li­za há 18 anos con­se­cu­ti­vos, co­mu­ma­em­pre­sa­de São Pau­lo.“Nes­ta li­nha, to­do­so­sa­nos­me pre­pa­ro­men­ta­le fi­si­ca­men­te,pois li­de­ro equi­pes­de­mon­ta­gens com al­pi­nis­tas, ele­tri­cis­tas,e pen­du­ra­do­res­por­vá­ri­os es­ta­dos”,de­cla­rou. De­pois de tu­do pron­to, ela se de­lei­ta com a fan­ta­sia que con­se­guiu im­pri­mir­na­de­co­ra­ção eque­en­can­ta­tan­to adul­tos­co­mo, prin­ci­pal­men­te, as cri­an­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.