ti­po­de ‘Qu­al­quer as­sé­di­o­tem de ba­ni­do’ ser

Pro­ta­go­nis­ta da mi­nis­sé­rie “As­sé­dio”, An­to­nio Cal­lo­ni tam­bém fa­rá par­ti­ci­pa­ção em “O Sé­ti­mo Gu­ar­dião”, pró­xi­ma no­ve­la das 21h na Glo­bo

Folha de Londrina Domingo - - GENTE - Ra­quel Ro­dri­gues

Du­ran­te 16 ca­pí­tu­los, An­to­nio Cal­lo­ni da­rá o ar da gra­ça em“O Sé­ti­mo Gu­ar­dião”, pró­xi­ma no­ve­la das 21h da Glo­bo, pre­vis­ta pa­ra no­vem­bro. No fo­lhe­tim de Agui­nal­do Sil­va, que mar­ca a vol­ta do au­tor ao re­a­lis­mo fan­tás­ti­co, o ator in­ter­pre­ta­rá Egí­dio, gu­ar­dião-mor de uma fon­te com pro­pri­e­da­des cu­ra­ti­vas e re­ju­ve­nes­ce­do­ras. Além do per­so­na­gem, ou­tras seis pes­so­as fo­ram es­co­lhi­das em um ri­tu­al se­cre­to pa­ra pro­te­ger es­se lu­gar má­gi­co. En­tão, com a mor­te de seu prin­ci­pal pro­te­tor, seu fi­lho, Ga­bri­el (Bru­no Ga­gli­as­so), te­rá que as­su­mir es­ta mis­são.

“É um per­so­na­gem ex­tre­ma­men­te ge­ne­ro­so, to­tal­men­te do bem. É mui­to ab­di­ca­do, por­que abre mão da vi­da de­le pa­ra to­mar con­ta des­sa fon­te mi­la­gro­sa. Ele dei­xa de se ca­sar com a mu­lher que ama pa­ra cui­dar dis­so. É um per­so­na­gem bo­ni­to nes­se sen­ti­do. Ele apre­sen­ta es­se mis­ti­cis­mo to­do em re­la­ção à fon­te”, adi­an­ta Cal­lo­ni, fa­zen­do re­fe­rên­cia à vi­lã Va­len­ti­na (Li­lia Ca­bral), que o per­so­na­gem aban­do­nou no pas­sa­do, por­que os guar­diões são proi­bi­dos de se ca­sar

Po­rém, en­quan­to ‘O Sé­ti­mo Gu­ar­dião’ não es­treia, Cal­lo­ni po­de ser vis­to na mi­nis­sé­rie “As­sé­dio”, já dis­po­ní­vel no Glo­bo­play e sem uma da­ta de es­treia na te­le­vi­são. Na obra de Ma­ria Camargo, li­vre­men­te ins­pi­ra­da no li­vro “A Clí­ni­ca - A Far­sa e os Cri­mes de Ro­ger Ab­del­mas­sih”, de au­to­ria de Vi­cen­te Vi­lar­da­ga, o ator faz o mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta em re­pro­du­ção as­sis­ti­da, Ro­ger Sa­da­la, que es­tu­pra su­as pa­ci­en­tes en­quan­to elas es­tão se­da­das em seu con­sul­tó­rio.

“Qu­al­quer ti­po de as­sé­dio tem de ser ba­ni­do, de pre­fe­rên­cia do pla­ne­ta. É uma dis­cus- são im­por­tan­te co­mo ator, fa­zen­do um tra­ba­lho ar­tís­ti­co de qua­li­da­de; e tam­bém co­mo ci­da­dão, pro­pon­do um de­ba­te em al­to ní­vel. Eu me ba­se­ei, prin­ci­pal­men­te, no tex­to da Ma­ria, que é bem de­li­ne­a­do, en­tão não ti­ve di­fi­cul­da­de. É um per­so­na­gem cheio de con­tra­di­ções e nu­an­ces”, ob­ser­va.

Se­gun­do Cal­lo­ni, “As­sé­dio” tra­ta de uma qu­es­tão im­por­tan­te na re­la­ção en­tre ho­mem e mu­lher. O ator diz que o ma­cho não sa­be mui­to bem di­fe­ren­ci­ar uma can­ta­da de um as­sé­dio, mas que is­so não jus­ti­fi­ca de ne­nhu­ma for­ma es­se com­por­ta­men­to cri­mi­no­so. Pa­ra ele, o as­sun­to já vem sen­do dis­cu­ti­do há bas­tan­te tem­po. Por is­so, ca­be a to­dos se in­for­ma­rem e mu­da­rem de pen­sa­men­to. In­clu­si­ve, a sé­rie apre­sen­ta per­so­na­gens mas­cu­li­nos com ati­tu­des di­fe­ren­tes, que vão aju­dar o pú­bli­co a en­ten­der me­lhor o as­sun­to.

“O ‘Bom dia’ co­mo Ro­ger Sa­da­la já era di­fí- cil, por­que pra fa­zer tem que acre­di­tar. Ele fez o que fez, se tor­nou um cri­mi­no­so, por­que ‘ado­e­ceu’ com o po­der que ti­nha na mão. O ins­tin­to ga­nhou da cul­tu­ra. A gen­te tem que en­con­trar um equi­lí­brio nes­se con­fli­to, mas ele não en­con­trou. Es­se per­so­na­gem sa­bia o que era o amor por uma mu­lher, pe­lo fi­lho, pe­la vi­da. Só que se de­se­qui­li­brou”, re­la­ta.

Ape­sar de a his­tó­ria ser pe­sa­da, Cal­lo­ni afirma que sa­be se­pa­rar fic­ção de re­a­li­da­de. En­tão, não fi­ca se mar­ti­ri­zan­do por con­ta de uma sequên­cia di­fí­cil. Pe­lo con­trá­rio, o ator res­sal­ta a ale­gria de fa­zer um bom tra­ba­lho e o res­pei­to pe­las co­le­gas de elen­co.

“É ób­vio que, quan­do vo­cê tem uma ce­na de vi­o­lên­cia se­xu­al, tem que ser cui­da­do­so com a atriz. Tem que com­bi­nar an­tes. A gen­te se pro­põe a fa­zer des­se jo­go a sen­sa­ção de que es­tá sen­do uma coi­sa re­al, mas exis­te mui­ta téc­ni­ca en­vol­vi­da”, con­clui.

Glo­bo/Ra­món Vas­con­ce­los

O ator faz o mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta em re­pro­du­ção as­sis­ti­da, Ro­ger Sa­da­la, que es­tu­pra su­as pa­ci­en­tes en­quan­to elas es­tão se­da­das em seu con­sul­tó­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.