Ação de fa­bri­can­te de ar­mas tem va­lo­ri­za­ção de 130%

Folha de Londrina Domingo - - ECONOMIA & NEGÓCIOS - Anaïs Fer­nan­des

- Ape­sar de so­mar um pre­juí­zo de R$ 92,6 mi­lhões no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, a fa­bri­can­te bra­si­lei­ra de ar­mas For­ja Tau­rus tem cha­ma­do a aten­ção do mer­ca­do pe­lo sal­to de su­as ações, sen­do in­clu­si­ve ci­ta­da no de­ba­te en­tre pre­si­den­ciá­veis na noi­te de quin­ta-fei­ra (4).

Os pa­péis pre­fe­ren­ci­ais da em­pre­sa acu­mu­lam al­ta de 130% no ano. Co­mo com­pa­ra­ção, o Ibo­ves­pa, ín­di­ce que reú­ne as ações mais ne­go­ci­a­das no Bra­sil e do qual a For­ja Tau­rus não faz par­te, avan­ça 9%.

Ana­lis­tas apon­tam que boa par­te da in­fla­da nas ações da fa­bri­can­te se ex­pli­ca por in­ves­ti­do­res com­pra­dos em Jair Bol­so­na­ro, is­to é, que apos­tam na vi­tó­ria do can­di­da­to do PSL na cor­ri­da pre­si­den­ci­al - tal­vez até em um pri­mei­ro tur­no, pa­ra al­guns.

Bol­so­na­ro não só diz que as For­ças Ar­ma­das pre­ci­sam ser me­lhor equi­pa­das, co­mo de­fen­de a re­for­mu­la­ção do Es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to, de mo­do a fle­xi­bi­li­zar a pos­se e uso de ar­mas à po­pu­la­ção. “Ele de­fen­de a am­pli­a­ção da se­gu­ran­ça e, pa­ra al­can­çar es­sa me­ta, de­ve­ria au­men­tar o efe­ti­vo po­li­ci­al, tro­car ar­ma­men­to, com­prar mais ar­mas. Além dis­so, se mu­dar a po­lí­ti­ca de de­sar­ma­men­to, po­de ge­rar um in­cre­men­to na ven­da de ar­mas”, ava­lia Glau­co Le­gat, ana­lis­ta-che­fe de in­ves­ti­men­tos da Spi­nel­li.

Só na se­ma­na de 17 a 20 de se­tem­bro, quan­do uma ba­te­ria de pes­qui­sas cris­ta­li­zou Bol­so­na­ro na li­de­ran­ça das in­ten­ções de vo­to dos elei­to­res e avan­çan­do pa­ra um even­tu­al se­gun­do tur­no, as ações da For­ja Tau­rus dis­pa­ra­ram 91%.

No dia 19, a fa­bri­can­te foi ques­ti­o­na­da pe­la CVM (Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os), xe­ri­fe do mer­ca­do, e pe­la B3, do­na da Bol­sa, se ha­via al­gum fa­to que pu­des­se jus­ti­fi­car o que iden­ti­fi­ca­ram co­mo uma mo­vi­men­ta­ção atí­pi­ca de ações en­tre 5 e 19 de se­tem­bro.

No in­ter­va­lo, o nú­me­ro de ne­gó­ci­os pas­sou de 589 pa­ra 1.308, e a quan­ti­da­de de pa­péis pre­fe­ren­ci­ais, de 590 mil pa­ra 1,5 mi­lhão. O va­lor das ações da For­ja sal­tou de R$ 2,89 pa­ra R$ 3,45.

Em res­pos­ta, a em­pre­sa dis­se ape­nas des­co­nhe­cer qu­al­quer fa­to ou ato re­le­van­te que pos­sa ter in­flu­en­ci­a­do a os­ci­la­ção de su­as ações no que tan­ge ao nú­me­ro de ne­gó­ci­os ou quan­ti­da­des ne­go­ci­a­das. A ca­pi­ta­li­za­ção pe­que­na da For­ja Tau­rus tam­bém aju­da­ria a ex­pli­car o rá­pi­do bo­om das ações, apon­tam ana­lis­tas. No ápi­ce do ano, em 20 de se­tem­bro, o pa­pel pre­fe­ren­ci­al da fa­bri­can­te atin­giu R$ 5,30.

A Pe­tro­bras, por exem­plo, uma das em­pre­sas mais va­li­o­sas em Bol­sa no Bra­sil, te­ve ação pre­fe­ren­ci­al ne­go­ci­a­da a R$ 24 na quin­ta (4), en­cer­ran­do o dia com um va­lor de mer- ca­do de R$ 333,5 bi­lhões. O va­lor da For­ja Tau­rus foi de R$ 330 mi­lhões.

ES­PE­CU­LA­ÇÃO

Em re­la­tó­rio, a Su­no Re­se­ar­ch atri­buiu a for­te va­lo­ri­za­ção da For­ja Tau­rus a “pro­ces­sos es­pe­cu­la­ti­vos”. Ana­lis­tas des­ta­cam que os fun­da­men­tos fi­nan­cei­ros da com­pa­nhia são frá­geis.

A Su­no res­sal­ta que a For­jaTau­rus fe­chou ju­nho com um pa­trimô­nio lí­qui­do ne­ga­ti­vo (mais pas­si­vos do que ati­vos em seu ba­lan­ço) em R$ 510 mi­lhões.

No pe­río­do, a com­pa­nhia apre­sen­tou ain­da en­di­vi­da­men­to bru­to de R$ 815,5 mi­lhões - 11% su­pe­ri­or ao re­sul­ta­do de ju­nho de 2017. En­quan­to is­so, as dis­po­ni­bi­li­da­des e apli­ca­ções fi­nan­cei­ras da em­pre­sa so­ma­vam ape­nas R$ 9,8 mi­lhões, 38,4% abai­xo do re­gis­tra­do em igual mo­men­to do ano pas­sa­do.

Além dis­so, o pró­prio dis­cur­so de Bol­so­na­ro se mos­tra dú­bio em re­la­ção aos in­te­res­ses da em­pre­sa. Se, de um la­do, su­as afir­ma­ções so­bre am­pli­a­ção do ar­ma­men­to im­pul­si­o­nam as pers­pec­ti­vas de ven­das da For­ja Tau­rus, por ou­tro o can­di­da­to já fa­lou em que­brar o mo­no­pó­lio da fa­bri­can­te.

O de­cre­to 3.665, de 2000, es­ti­pu­la que pro­du­to con­tro­la­do que es­ti­ver sen­do fa­bri­ca­do no País, por in­dús­tria con­si­de­ra­da de va­lor es­tra­té­gi­co pe­lo Exér­ci­to, te­rá sua im­por­ta­ção ne­ga­da ou res­trin­gi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.