Fo­ro pri­vi­le­gi­a­do

Folha de Londrina - - Opinião -

Pa­ra quem não sa­be, é um di­rei­to ad­qui­ri­do por al­gu­mas au­to­ri­da­des pú­bli­cas, ga­ran­tin­do que pos­sam ter um jul­ga­men­to es­pe­ci­al e par­ti­cu­lar quan­do são al­vos de pro­ces­sos pe­nais. Bem is­so es­tá na lei, e en­quan­to ela es­ti­ver em vi­gor tem que ser obe­de­ci­da. Tá bom, mas al­go me cha­ma a aten­ção: ima­gi­ne­mos um ci­da­dão co­mum que co­me­te um cri­me de es­tu­pro com mor­te da ví­ti­ma, de­pois é al­ça­do à ca­te­go­ria de uma des­sas au­to­ri­da­des “pro­te­gi­das” pe­lo fo­ro pri­vi­le­gi­a­do. Ele vai ser jul­ga­do por fo­ro es­pe­ci­al? Por quê? Quan­do ele co­me­teu o tal cri­me não era um sim­ples mor­tal? Se es­ti­ves­se já in­ves­ti­do na fun­ção, e co­me­te o cri­me, até que fi­ca­ria me­nos ver­go­nho­sa es­sa tal pro­te­ção do fo­ro pri­vi­le­gi­a­do, mas que­rer am­pa­rar com pri­vi­lé­gi­os ban­di­dos que conseguem a bo­qui­nha bem de­pois dos cri­mes, ah.. faz fa­vor, né? Des­cul­pem a com­pa­ra­ção, mas es­sa aber­ra­ção do fo­ro pri­vi­le­gi­a­do se­ria co­mo ter o dom de res­tau­rar a vir­gin­da­de após o es­tu­pro.

JO­SÉ ROBERTO BRUNASSI (ad­vo­ga­do) – Lon­dri­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.