Sem di­nhei­ro na con­ta

No Pa­ra­ná, es­ti­ma­ti­va é que a dí­vi­da ati­va das em­pre­sas com FGTS so­me em tor­no de R$ 1,1 bilhão

Folha de Londrina - - Economia & Negócios - Ali­ne Ma­cha­do Pa­ro­di Re­por­ta­gem Lo­cal

Qua­se 7 mi­lhões de bra­si­lei­ros te­rão uma in­fe­liz sur­pre­sa ao ten­ta­rem res­ga­tar o FGTS de con­tas ina­ti­vas. São con­tas que es­tão ze­ra­das ou com dis­tor­ções de va­lo­res. Os mo­ti­vos são a ina­dim­plên­cia das em­pre­sas ou de­pó­si­tos sem in­di­vi­du­a­li­za­ção do em­pre­ga­do. Se­gun­do da­dos da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Fa­zen­da Na­ci­o­nal (PGFN), o va­lor da dí­vi­da ati­va do FGTS no País che­ga a R$ 24,4 bi­lhões. Só no Pa­ra­ná, a so­ma atin­ge a mar­ca do R$ 1,1 bilhão.

Do mon­tan­te ins­cri­to em dí­vi­da ati­va, a PGFN es­tá res­pon­sá­vel pe­la co­bran­ça ju­di­ci­al e ex­tra­ju­di­ci­al de R$ 8 bi­lhões. O res­tan­te dos cré­di­tos se­rá co­bra­do pe­lo de­par­ta­men­to ju­rí­di­co da Cai­xa Econô­mi­ca.

De acor­do com a pro­cu­ra­do­ria-ge­ral, o nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res pre­ju­di­ca­dos ain­da é par­ci­al e não há um le­van­ta­men­to por es­ta­dos. A ten­dên­cia é que a par­tir de mar­ço, quan­do ini­ci­am os res­ga­tes, os tra­ba­lha­do­res per­ce­bam as ir­re­gu­la­ri­da­des nos de­pó­si­tos. A ori­en­ta­ção do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho pa­ra quem se sen­tir le­sa­do é pro­cu­rar o sin­di­ca­to da sua ca­te­go­ria ou o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho (MPT).

O MTP do Pa­ra­ná in­gres­sou com ações pa­ra co­brar de em­pre­sas e Pre­fei­tu­ras a in­di­vi­du­a­li­za­ção dos cré­di­tos do FTGS. O pro­mo­tor do MPTPR, Al­ber­to Emi­li­a­no de Oli­vei­ra Ne­to, ex­pli­cou que a Cai­xa re­ce­beu va­lo­res re­fe­ren­tes ao Fun­do de Ga­ran­tia, de­po­si­ta­do pe­las em­pre­sas, que não fo­ram es­pe­ci­fi­ca­dos a qual tra­ba­lha­dor se re­fe­re.

“As em­pre­sas re­co­lhem, mas não in­di­vi­du­a­li­zam qu­an­to ca­da tra­ba­lha­dor tem di­rei­to. A Cai­xa fi­ca com es­ses va­lo­res e não sa­be quem é o ti­tu­lar des­se di­nhei­ro. E o em­pre­ga­do é pre­ju­di­ca­do por­que não po­de re­ce­ber”, dis­se o pro­mo­tor.

Se­gun­do ele, es­se pro­ble­ma co­me­çou a par­tir do mo­men­to em que a Cai­xa uni­fi­cou o re­co­lhi­men­to do Fun­do de Ga­ran­tia. “An­tes, a em­pre­sa po­dia pa­gar ou­tros ban­cos. Quan­do hou­ve a uni­fi­ca­ção, os ban­cos en­ca­mi­nha­ram o di­nhei­ro à Cai­xa e ele fi­cou lá sem sa­ber quem eram os ti­tu­la­res, por­que as em­pre­sas não in­for­ma­vam”, ex­pli­cou.

DE­MAN­DA

Pa­ra re­ce­ber es­ses va­lo­res os tra­ba­lha­do­res de­vem in­gres­sar com ações tra­ba­lhis­tas. O pro­mo­tor acre­di­ta que a par­tir de mar­ço a de­man­da de ações ju­di­ci­ais po­de­rá au­men­tar. Ele res­sal­tou que o tra­ba­lha­dor po­de en­fren­tar um pro­ble­ma ju­rí­di­co ao co­brar es­ses va­lo­res.

Is­so por­que em 2004 o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral de­ci­diu que o pra­zo pa­ra co­bran­ça do FGTS é de cin­co anos. An­te­ri­or­men­te, o en­ten­di­men­to da Jus­ti­ça era que o FGTS ti­nha pra­zo de 30 anos. “É uma si­tu­a­ção di­fí­cil pa­ra o tra­ba­lha­dor”, ad­ver­tiu o pro­mo­tor.

O Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho tam­bém des­ta­cou que, além de pre­ju­di­car os tra­ba­lha­do­res, a ina­dim­plên­cia das em­pre­sas “im­pac­ta nos in­ves­ti­men­tos que po­de­ri­am ser re­a­li­za­dos nas áre­as de ha­bi­ta­ção, sa­ne­a­men­to e in­fra­es­tru­tu­ra”.

Mas não são ape­nas aos cré­di­tos das con­tas ina­ti­vas que o em­pre­ga­do de­ve fi­car aten­to. Se­gun­do Oli­vei­ra Ne- to, vem cres­cen­do o nú­me­ro de em­pre­sas que não es­tão re­co­lhen­do o FGTS dos em­pre­ga­dos, prin­ci­pal­men­te nos ca­sos dos tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos. O Bra­sil tem 86 mi­lhões de con­tas ati­vas, que re­pre­sen­tam R$ 340,5 bi­lhões.

SA­QUE

bra­si­lei­ros po­dem sa­car o FGTS de con­tas ina­ti­vas, o que re­pre­sen­ta R$ 43,6 bi­lhões. No Pa­ra­ná, são 2,4 mi­lhões de con­tas ina­ti­vas, com R$ 3,1 bilhão de sal­do. De acor­do com a Cai­xa, em tor­no de 95% das con­tas ina­ti­vas têm até R$ 3 mil.

Tem di­rei­to ao sa­que quem pe­diu de­mis­são ou foi de­mi­ti­do por jus­ta cau­sa até 31 de de­zem­bro de 2015. Pa­ra ti­rar dú­vi­das, a Cai­xa cri­ou uma pá­gi­na es­pe­ci­al (www.con­ta­si­na­ti­vas.cai­xa.gov.br). Em 48 ho­ras, a pá­gi­na te­ve 34 mi­lhões de aces­sos. As agên­ci­as tam­bém es­tão abrin­do du­as ho­ras mais ce­do pa­ra aten­di­men­to ex­clu­si­vo pa­ra es­cla­re­ci­men­tos so­bre o sa­que das con­tas.

Ri­car­do Chi­ca­rel­li/09-02-2017

Cer­ca de 7 mi­lhões de bra­si­lei­ros com di­rei­to ao sa­que de con­tas ina­ti­vas do FGTS po­dem ter di­fi­cul­da­des em fa­zer o res­ga­te, se­gun­do a Fa­zen­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.