Po­e­sia so­no­ra: da cri­a­ção à crí­ti­ca

O ita­li­a­no En­zo Mi­na­rel­li es­tá na ci­da­de pa­ra mos­trar a po­li­po­e­sia nu­ma au­la show den­tro da pro­gra­ma­ção do Lon­drix

Folha de Londrina - - Folha 2 - Ma­ri­an Tri­guei­ros Re­por­ta­gem Lo­cal

“Só o de­sen­vol­vi­men­to de no­vas tec­no­lo­gi­as irá mar­car o pro­gres­so da po­e­sia so­no­ra: mei­os ele­trô­ni­cos e com­pu­ta­do­res são e se­rão as ver­da­dei­ras es­tre­las.” O pri­mei­ro ar­ti­go do “Ma­ni­fes­to da Po­li­po­e­sia” do­cu­men­to pu­bli­ca­do em 1987 pe­lo es­cri­tor e mul­ti­ar­tis­ta ita­li­a­no En­zo Mi­na­rel­li nu­ma ten­ta­ti­va de te­o­ri­zar o es­pe­tá­cu­lo da po­e­sia so­no­ra aca­ba de com­ple­tar, por­tan­to, trin­ta anos. E ape­sar do es­tron­do­so de­sen­vol­vi­men­to da tec­no­lo­gia nos úl­ti­mos anos, ele con­fes­sa es­tar de­cep­ci­o­na­do com o que foi pro­du­zi­do nes­se pe­río­do. “Pa­ra­do­xal­men­te, hou­ve uma ex­plo­são da tec­no­lo­gia de pon­ta, mas não hou­ve um de­sen­vol­vi­men­to da po­e­sia so­no­ra na mes­ma in­ten­si­da­de.” O marco do do­cu­men­to, as pro­du­ções pe­lo mun­do, per­for­man­ces e pers­pec­ti­vas des­ta ma­ni­fes­ta­ção ar­tís­ti­ca se­rão al­gu­mas das ques­tões de­ba­ti­das na au­la show que Mi­na­rel­li re­a­li­za nes­ta sex­ta­fei­ra (17), às 20 ho­ras, no Mu­seu His­tó­ri­co de Lon­dri­na, du­ran­te a pro­gra­ma­ção do Lon­drix Fes­ti­val Li­te­rá­rio 2017.

O mo­ti­vo pa­ra o des­com­pas­so en­tre tec­no­lo­gia e pro­du­ção, se­gun­do ele, não é to­tal­men­te co­nhe­ci­do. Po­rém, o es­cri­tor ar­ris­ca-se a di­zer que a fal­ta de pa­ci­ên­cia dos jo­vens so­ma­da à ex­tre­ma aces­si­bi­li­da­de à tec­no­lo­gia po­dem ser a cau­sa de pou­cos tra­ba­lhos re­le­van­tes na área. “Ao mes­mo tem­po em que é pos­sí­vel ter um es­tú­dio den­tro de ca­sa, per­ce­bo que, ho­je, exis­te uma sub­ser­vi­ên­cia à tec­no­lo­gia, quan­do, na ver­da­de, ela de­ve ser uma fer­ra­men­ta, um ins­tru­men­to pa­ra o tra­ba­lho. Nós é quem tem te­mos que do­mi­ná-la. An­do de­si­lu­di­do com os ru­mos da pro­du­ção em um fu­tu­ro pró­xi­mo; o que te­nho vis­to é a re­pe­ti­ção do que já foi fei­to ou uma exe­cu­ção de me­ros efei­tos ele­tro­a­cús­ti­cos”, diz ele, au­tor de vá­ri­as po­e­si­as so­no­ras, den­tre elas, o fa­mo­so “Po­e­ma”, em que ape­nas com es­ta pa­la­vra pas­seia pe­los vá­ri­os sen­ti­men­tos da vi­da: da ale­gria à tris­te­za, da dor à mor­te, do cô­mi­co ao so­fri­men­to, da vi­o­lên­cia ao ba­nal, acom­pa­nha­da de vá­ri­os mo­vi­men­tos cor­po­rais e ima­gens. “Uso a mes­ma pa­la­vra pa­ra co­mu­ni­car di­ver­sos sen­ti­men­tos.”

PO­LI­PO­E­SIA

Pa­ra en­ten­der - ou ten­tar en­ten­der - a po­li­po­e­sia é pre­ci­so des­ven­ci­lhar-se de qual­quer amar­ra ou con­cei­to pré­vio. Mais do que uma po­e­sia ge­ra­da pe­la fu­são de di­fe­ren­tes mei­os, a po­li­po­e­sia pro­por­ci­o­na ao pú­bli­co uma ex­pe­ri­ên­cia em ní­veis sen­so­ri­ais in­ter­re­la­ci­o­na­da por vá­ri­os ele­men­tos co­mo a pa­la­vra, o som, o ruí­do, a ima­gem, a dan­ça, a per­for­man­ce, en­tre ou­tros. “Ape­sar de ser ex­pe­ri­men­tal, não há im­pro­vi­so; tu­do é fru­to de mui­ta pes­qui­sa e es­tu­do, tu­do tem um mo­ti­vo de es­tar ali. Não se trata de pi­a­da, tam­pou­co en­tre­te­ni­men­to ou um show de ba­ru­lho”, de­fen­de. A gros­so mo­do, em ou­tras pa­la­vras, não se de­ve con­fun­dir po­e­sia so­no­ra com po­e­sia mu­si­ca­da ou mu­si­ca­li­za­ção de po­e­mas, mui­to me­nos po­e­sia de­cla­ma­da de for­ma emo­ti­va e lí­ri­ca. No en­tan­to, li­mi­tar sua de­fi­ni­ção se­ria um equí­vo­co.

Evo­lu­ção das van­guar­das poé­ti­cas do iní­cio do sé­cu­lo XX, com in­fluên­ci­as do fu­tu­ris­mo e da­daís­mo, po­e­sia so­no­ra, por­tan­to, po­de ter vá­ri­as de­fi­ni­ções e ma­ni­fes­ta­ções, abrin­do no­vas pos­si­bi­li­da­des pa­ra a ar­te pu­ra­men­te literária e es­cri­ta. “Po­e­sia so­no­ra tem a lin­gua­gem co­mo es­tru­tu­ra, mas es­ta se apre­sen­ta de mui­tas ma­nei­ras. Meu pro­ces­so de cri­a­ção co­me­ça co­mo um pro­je­to ra­ci­o­nal, no qual há a pro­ble­ma­ti­za­ção e so­lu­ção de um te­ma. As­sim, ideia e a lin­gua­gem são ex­plo­ra­das de for­ma a li­be­ra­rem uma ener­gia que vem da al­ma. Os mo­vi­men­tos e as ima­gens com­ple­tam o ex­pe­ri­men­to”, sin­te­ti­za.

Mi­na­rel­li tem for­ma­ção em Psi­co­lin­guís­ti­ca pe­la Uni­ver­si­da­de de Ve­ne­za e na dé­ca­da de 70 ini­ci­ou seu tra­ba­lho na área de ví­deo, literatura ex­pe­ri­men­tal e sons. Em 1983 co­me­çou a tra­ba­lhar re­gu­lar­men­te em “3ViT­re dis­chi di po­li­po­e­sia”, de­di­ca­do à his­tó­ria e de­sen­vol­vi­men­to da po­e­sia so­no­ra e cu­nhou o ter­mo po­li­po­e­sia com a pu­bli­ca­ção do Ma­ni­fes­to em 1987. Além das po­e­si­as so­no­ras, pos­sui uma vas­ta lis­ta de pu­bli­ca­ções, du­as de­las tra­du­zi­das no Bra­sil por Fre­de­ri­co Fer­nan­des, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na (UEL), “Po­li­po­e­sia: En­tre as Poé­ti­cas da Voz no Sé­cu­lo XX” e “As ra­zões da voz: en­tre­vis­tas com pro­ta­go­nis­tas da po­e­sia so­no­ra do sé­cu­lo XX”, am­bas pe­la Edu­el. Ou­tro li­vro es­tá em an­da­men­to em co­me­mo­ra­ção aos trin­ta anos do Ma­ni­fes­to da Po­li­po­e­sia, “En­sai­os de per­for­man­ces aca­dê­mi­cas”, com ba­se em tra­ba­lhos pro­du­zi­dos em to­do o mun­do, in­cluin­do o Bra­sil.

An­der­son Co­e­lho

En­zo Mi­na­rel­li: “Ao mes­mo tem­po em que é pos­sí­vel ter um es­tú­dio den­tro de ca­sa, per­ce­bo que, ho­je, exis­te uma sub­ser­vi­ên­cia à tec­no­lo­gia, quan­do, na ver­da­de, ela de­ve ser uma fer­ra­men­ta”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.