A ilu­são do co­nhe­ci­men­to

Folha de Londrina - - Economia & Negócios -

A car­rei­ra de qu­al­quer pro­fis­si­o­nal é co­lo­ca­da em sé­ri­os ris­cos a par­tir do mo­men­to em que ele pas­sa a acre­di­tar que já “che­gou lá”. Dei­xa-se le­var pe­la fan­ta­sia de que sa­be tu­do aqui­lo que po­de­ria – ou pre­ci­sa – apren­der e sim­ples­men­te pa­ra no tempo. Co­mo já di­zia o his­to­ri­a­dor nor­te-ame­ri­ca­no Da­ni­el Bo­ors­tin: “O mai­or obs­tá­cu­lo ao co­nhe­ci­men­to não é a ig­no­rân­cia, mas sim a ilu­são do co­nhe­ci­men­to”.

Na épo­ca em que in­gres­sei na uni­ver­si­da­de, re­cor­do­me bem de um pro­fes­sor de meia-ida­de que ti­nha por há­bi­to le­var su­as ano­ta­ções num ca­der­ni­nho que já es­ta­va ama­re­la­do pe­lo tempo de uso. Co­mo es­se fa­to cha­ma­va a aten­ção de to­dos, cer­to dia um co­le­ga es­con­deu o ma­te­ri­al de apoio do pro­fes­sor pa­ra ver o que acon­te­cia. Sim­ples­men­te não hou­ve au­la. Ele fi­cou tão des­con­cer­ta­do por não ter seus re­gis­tros à mão – pen­sou que ha­via es­que­ci­do o ca­der­ni­nho em ca­sa –, que li­be­rou to­do mun­do sem pen­sar du­as ve­zes.

Cla­ro que o com­por­ta­men­to des­se alu­no é re­pro­vá­vel – lo­go de­pois, ele mes­mo se ar­re­pen­deu de ter co­me­ti­do a tra­qui­na­gem –, mas o es­tra­go foi ine­vi­tá­vel. A par­tir da­que­le even­to, o pro­fes­sor per­deu o pou­co de cre­di­bi­li­da­de que ha­via con­quis­ta­do des­de o iní­cio das au­las. Te­ve de li­dar com o de­sin­te­res­se da tur­ma até o fi­nal do se­mes­tre le­ti­vo.

A ilu­são do co­nhe­ci­men­to é um ti­po de equí­vo­co que po­de atin­gir qu­al­quer um de nós. Mui­tas pes­so­as com bai­xa for­ma­ção, por exem­plo, se re­cu­sam a es­tu­dar por acre­di­ta­rem que al­guns anos a mais nos ban­cos es­co­la­res não mu­da­rão su­as vi­das de ver­da­de e o que já sa­bem é su­fi­ci­en­te pa­ra to­ca­rem aqui­lo que têm. To­dos co­nhe­ce­mos al­gum fa­mi­li­ar ou ami­go que pen­sa as­sim.

Por outro lado, exis­tem pes­so­as que cur­sa­ram fa­cul­da­de, fi­ze­ram uma boa pós-gra­du­a­ção e tam­bém so­frem dos mes­mos sin­to­mas. O er­ro de­las é acre­di­tar que os di­plo­mas são mais do que su­fi­ci­en­tes pa­ra uma car­rei­ra sem per­cal­ços ao lon­go do tempo.

O co­nhe­ci­men­to é um bem com pra­zo de va­li­da­de. Co­mo as coi­sas mu­dam mui­to ra­pi­da­men­te, aqui­lo que vo­cê apren­deu on­tem e não usa ho­je, po­de vi­rar sa­ber inú­til ama­nhã. É por is­so que, mais do que acu­mu­lar in­for­ma­ção, pre­ci­sa­mos en­con­trar for­mas de fa­zer com que nos­sa ba­ga­gem cul­tu­ral e téc­ni­ca sir­va pa­ra al­gu­ma coi­sa.

Ul­ti­ma­men­te, al­gu­mas pes­so­as têm des­co­ber­to que fo­ram “fis­ga­das” por es­se ti­po de mal, por­que pre­ci­sa­ram par­ti­ci­par de processos se­le­ti­vos e nin­guém quis con­tra­tá-las. Uma de­las, in­clu­si­ve, me con­fi­den­ci­ou: “Du­ran­te mui­to tempo acre­di­tei que fos­se um pro­fis­si­o­nal de pon­ta – e fui mes­mo -, mas nas úl­ti­mas se­ma­nas des­co­bri que pa­rei no tempo. Já não sou o ti­po de gen­te que as em­pre­sas es­tão bus­can­do e não sei o que fa­zer no cur­to pra­zo pa­ra re­ver­ter a mi­nha si­tu­a­ção”. A iro­nia des­sa his­tó­ria é que a pes­soa em ques­tão tra­ba­lhou nos úl­ti­mos 20 anos re­cru­tan­do tra­ba­lha­do­res no mer­ca­do.

É mui­to di­fí­cil cri­ar uma re­cei­ta pa­ra não cair na ilu­são do co­nhe­ci­men­to, mas al­gu­mas coi­sas são ób­vi­as. Quem lê bons li­vros, cos­tu­ma con­ver­sar com pes­so­as que têm al­go a con­tri­buir, par­ti­ci­pa dos prin­ci­pais even­tos do seu se­tor de atu­a­ção, vi­si­ta em­pre­sas que ado­tam as me­lho­res prá­ti­cas do mer­ca­do e con­ti­nua a par­ti­ci­par de processos se­le­ti­vos (ain­da que sa­tis­fei­to com o tra­ba­lho atu­al), tem mais con­di­ções de sa­ber re­al­men­te em qual ní­vel está. No mí­ni­mo, não é pe­go de sur­pre­sa.

Tam­bém va­le a pe­na lem­brar: se vo­cê man­tém a cu­ri­o­si­da­de agu­ça­da, o há­bi­to de se co­lo­car em si­tu­a­ções de des­con­for­to jus­ta­men­te pa­ra apren­der coi­sas no­vas, fi­ca mo­ti­va­do quan­do está di­an­te de um pro­je­to com­ple­xo e re­ce­be fe­ed­back diá­rio do seu lí­der, en­tão é pro­vá­vel que es­se pro­ble­ma não o atin­ja.

A ilu­são do co­nhe­ci­men­to não afe­ta ape­nas pes­so­as, ela che­ga a ser um tra­ço cul­tu­ral de em­pre­sas que du­ran­te um lon­go pe­río­do do­mi­na­ram seu mer­ca­do de atu­a­ção, mas pa­ra­ram no tempo e já não con­se­guem ver que es­tão alhei­as àqui­lo que acon­te­ce ao re­dor. São com­pa­nhi­as que op­tam pe­la ar­ro­gân­cia e tra­di­ci­o­na­lis­mo, quan­do po­de­ri­am pros­pe­rar no­va­men­te se man­ti­ves­sem o mes­mo es­pí­ri­to que as fez che­gar ao to­po no pas­sa­do.?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.