País vi­ve pi­or co­ber­tu­ra va­ci­nal dos úl­ti­mos dez anos

Pe­las con­tas do Mi­nis­té­rio da Saú­de, 53% do pú­bli­co que já de­ve­ria es­tar com o ca­len­dá­rio com­ple­to ain­da não com­pa­re­ceu aos pos­tos

Folha de Londrina - - Cidades - Lí­gia For­men­ti Agên­cia Estado

Bra­sí­lia

– A Cam­pa­nha de Mul­ti­va­ci­na­ção lan­ça­da nes­ta se­ma­na pe­lo Mi­nis­té­rio da Saú­de vol­ta­da pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes de até 15 anos é uma ten­ta­ti­va de re­ver­ter o de­sin­te­res­se das fa­mí­li­as pa­ra a imunização. A ini­ci­a­ti­va ocor­re em um mo­men­to em que o País en­fren­ta a sua pi­or co­ber­tu­ra va­ci­nal dos úl­ti­mos dez anos. Pe­las con­tas da pas­ta, 53% do pú­bli­co es­pe­ra­do pa­ra ir aos pos­tos já de­ve­ria es­tar co­mo o ca­len­dá­rio com­ple­to, mas não está.

“Quan­do se ob­ser­va os nú­me­ros ge­rais, a co­ber­tu­ra na­ci­o­nal pa­re­ce boa. Mas em al­guns lo­cais, al­gu­mas ci­da­des, a co­ber­tu­ra está abai­xo do que se­ria con­si­de­ra­do ide­al”, afir­mou a co­or­de­na­do­ra do Pro­gra­ma de Imunização do Mi­nis­té­rio da Saú­de, Car­la Do­min­gues. Ao lon­go do tempo, ob­ser­vou, es­se fenô­me­no pro­vo­ca um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo da po­pu­la­ção vul­ne­rá­vel, tor­nan­do mais for­te o ris­co de epi­de­mi­as.

A cam­pa­nha vai até o dia 22 de se­tem­bro. No sá­ba­do, 16, se­rá fei­to em to­do o País o Dia D, quan­do pos­tos fi­xos e vo­lan­tes es­ta­rão aber­tos pa­ra atu­a­li­zar a car­tei­ra va­ci­nal. Além do en­vio de 143,9 mi­lhões de do­ses de va­ci­na de ro­ti­na, o mi­nis­té­rio en­ca­mi­nhou aos pos­tos de saú­de 14,8 mi­lhões de do­ses ex­tras. Ao to­do, se­rão dis­po­ni­bi­li­za­das 15 va­ci­nas.

Do­min­gues atri­buiu a bai­xa co­ber­tu­ra a uma as­so­ci­a­ção de fa­to­res. Pa­ra co­me­çar, o pró­prio fa­to de cam­pa­nhas an­te­ri­o­res te­rem si­do bem-su­ce­di­das, com a con­se­quen­te re­du­ção de do­en­ças que po­dem ser evi­ta­das com va­ci­nas. A re­du­ção de ca­sos, com­ple­tou, aca­bou pro­vo­can­do um efei­to in­ver­so do de­se- ja­do, des­mo­bi­li­zan­do os pais a pro­cu­rar man­ter a car­tei­ra em dia.

A co­or­de­na­do­ra do pro­gra­ma ob­ser­vou, no en­tan­to, que o ris­co não po­de ser des­car­ta­do, so­bre­tu­do quan­do se le­va em con­si­de­ra­ção o ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal. Nes­te ano, por exem­plo, fo­ram re­gis­tra­das mor­tes por sa­ram­po na Ale­ma­nha, em Por­tu­gal, na Fran­ça, na Itá­lia, na Bul­gá­ria e na Ro­mê­nia. Além dis­so, 324 ca­sos de dif­te­ria e oi­to de sa­ram­po fo­ram iden­ti­fi­ca­dos na Ve­ne­zu­e­la.

O fa­to de o es­que­ma de imunização ser lon­go, com 15 va­ci­nas, tam­bém con­tri­buiu pa­ra fa­lhas na co­ber­tu­ra, ava­li­ou Do­min­gues. “Daí a ne­ces­si­da­de de o pro­fis­si­o­nal de saú­de fi­car aten­to pa­ra a car­tei­ra em dia de cri­an­ças e ado­les­cen­tes, res­sal­tan­do a im­por­tân­cia da pro­te­ção.”

Pa­ra com­ple­tar, Do­min­gues ci­tou um mo­vi­men­to cres­cen­te no País con­trá­rio à va­ci­na­ção. “Nos­so es­for­ço é mos­trar pa­ra os pais o equí­vo­co que é acre­di­tar nos gru­pos an­ti­va­ci­nas. Es­ses gru­pos lan­çam as in­for­ma­ções sem ve­ra­ci­da­de, sem ne­nhum es­tu­do por trás di­fe­ren­te­men­te do que faz o mi­nis­té­rio”, dis­se. “As va­ci­nas são in­cluí­das após uma aná­li­se so­bre a im­por­tân­cia da do­en­ça e es­tu­dos que com­pro­vem que o pro­du­to tra­rá be­ne­fí­cio e não ris­co pa­ra po­pu­la­ção.”

Co­mo exem­plo da ne­ces­si­da­de de uma boa co­ber­tu­ra va­ci­nal, Do­min­gues ci­tou a epi­de­mia de fe­bre ama­re­la, que ocor­reu no Bra­sil no iní­cio do ano. Mes­mo em re­giões con­si­de­ra­das de ris­co, a imunização era mui­to bai­xa, em­bo­ra hou­ves­se a va­ci­na con­tra a do­en­ça dis­po­ní­veis nos pos­tos.

“A po­pu­la­ção só quer to­mar a va­ci­na pa­ra do­en­ças que es­tão no no­ti­ciá­rio. Es­ta­mos dis­cu­tin­do num con­tex­to mais glo­bal, na pre­ven­ção, pa­ra que to­da po­pu­la­ção es­te­ja pro­te­gi­da ca­so ocor­ra um sur­to even­tu­al”, dis­se a co­or­de­na­do­ra. “Uma coi­sa é dis­tri­buir 14 mi­lhões de ro­ti­na e ou­tra 100 mi­lhões. Oi­ten­ta mil do­ses se o pai não vai va­ci­nar, a va­ci­na se per­de por is­so que te­mos de tra­ba­lhar na pre­ven­ção na ro­ti­na.”

Ao to­do, vão tra­ba­lhar na cam­pa­nha 350 mil pro­fis­si­o­nais, dis­tri­buí­dos em 36 mil pos­tos de va­ci­na­ção. A ex­pec­ta­ti­va é de que se­jam usa­dos na ope­ra­ção 42 mil veí­cu­los. De acor­do com o mi­nis­té­rio, 760 mil cri­an­ças que de­ve­ri­am ter to­ma­do va­ci­na con­tra BCG até um ano es­tão des­pro­te­gi­das.

No ca­so de he­pa­ti­te, o nú­me­ro é mai­or, 950 mil não fo­ram va­ci­na­dos até um ano. No ca­so da pó­lio, do­en­ça que his­to­ri­ca­men­te atraía mi­lhões de pes­so­as aos pos­tos de va­ci­na­ção em dé­ca­das pas­sa­das, 790 mil cri­an­ças até um ano não es­tão com a car­tei­ra em dia.

Do­min­gues afir­mou que a Re­gião Nor­te é a que apre­sen­ta a mais bai­xa co­ber­tu­ra. “Mas quan­do es­tra­ti­fi­ca­mos por mu­ni­cí­pi­os, ve­mos que o pro­ble­ma é iden­ti­fi­ca­do em to­das as re­giões. O pro­ble­ma não é o aces­so, é a po­pu­la­ção achar que a va­ci­na já é des­ne­ces­sá­ria, o que não é ver­da­de.”

En­tre as do­en­ças com bai­xa co­ber­tu­ra, as que mais pre­o­cu­pam o mi­nis­té­rio são dif­te­ria e sa­ram­po.

Além da Cam­pa­nha Mul­ti­va­ci­na­ção, o go­ver­no se pre­pa­ra pa­ra or­ga­ni­zar nos pró­xi­mos me­ses um Dia D nas es­co­las. A ideia é que to­das os co­lé­gi­os pú­bli­cos do País re­ce­bam, em um dia ain­da a ser de­fi­ni­do pe­lo go­ver­no, pro­fis­si­o­nais de saú­de pa­ra que eles pos­sam atu­a­li­zar a car­tei­ra dos es­tu­dan­tes.

A po­pu­la­ção só quer to­mar a va­ci­na pa­ra do­en­ças que es­tão no no­ti­ciá­rio” Lon­dri­na Cu­ri­ti­ba Ma­rin­gá Cas­ca­vel Foz do Igua­çu Pon­ta Gros­sa Gu­a­ra­pu­a­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.