O CINÉFILO FI­EL

‘Bla­de Run­ner 2049’ tem co­mo pon­to for­te as eter­nas ques­tões que im­por­tam a qual­quer ser hu­ma­no

Folha de Londrina - - Primeira Página -

“Bla­de Run­ner 2049” des­ta­ca as ques­tões im­por­tan­tes a qual­quer ser hu­ma­no.

‘Bla­de Run­ner” sem­pre foi uma das mi­nhas emo­ções mai­o­res no cinema. De­pois da es­treia, em 82, re­vi nem lem­bro quan­tas ve­zes, mas com cer­te­za a cada no­va “me­xi­da” pa­tro­ci­na­da pe­la War­ner Bros. Ver­são is­so, ver­são mais aqui­lo, lan­ça­men­to em DVD, di­rec­tor’s cut, final cut. Ou sim­ples­men­te von­ta­de ir­re­freá­vel de re­ver. Pois re­vi ago­ra . E já re­vi tam­bém a se­que­la que está nas sa­las. Bom, óti­mo es­ta fu­são de for­mas e sons e idei­as de um pas­sa­do re­cen­te, um presente pre­men­te e um fu­tu­ro en­tre­vis­to na ne­voa úmi­da da pre­mo­ni­ção, do pres­sá­gio, da pro­fe­cia. O verdadeiro cult nas­ce pron­to, ca­be ao es­pec­ta­dor pre­ser­vá-lo e ho­me­na­geá-lo sem­pre. As­sim co­mo fez o cinéfilo De­nis Vil­le­neu­ve ao di­ri­gir “2049”.

Não te­nho qual­quer dú­vi­da: há 35 anos, o pri­mei­ro filme ce­le­bra­va o mi­la­gre do amor. Dec­kard (Har­ri­son Ford), hu­ma­no ou re­pli­can­te, não im­por­ta (gra­ças a to­dos os santos da ro­bó­ti­ca, ha­ve­rá sem­pre es­ta in­cer­te­za, es­ta am­bi­gui­da­de), caia de qua­tro por Ra­chel (Se­an Young) e fa­zia pre­va­le­cer, na­que­la bru­ma de uma LA en­char­ca­da, a es­pe­ran­ça de hu­ma­ni­da­de, fos­se ele hu­ma­no, fos­se robô re­pli­can­te da sé­rie Ne­xus 6.

Pas­sa­das essas três dé­ca­das, o des­do­bra­men­to do ar­gu­men­to ori­gi­nal exal­ta o mi­la­gre da vida. O mis­té­rio que o Bla­de Run­ner KB363.7, ou sim­ples­men­te “K” (Ryan Gos­ling) tra­ta de des­co­brir ao lon­go de sua jor­na­da exis­ten­ci­al tem a ver com ori­gens, com DNA (hu­ma­no ou an­droi­de?). Fas­ci­nan­te, pa­ra dizer o mínimo.

Fi­el à sua pro­ce­dên­cia, a iden­ti­da­de de “Bla­de Run­ner 2049” tem ain­da co­mo pon­to for­te as eter­nas ques­tões que im­por­tam a qual­quer ser hu­ma­no – e que tan­to in­co­mo­da­ram aque­le vi­lão (?) exem­plar do pri­mei­ro filme, aque­le Roy Batty (Rut­ger Hau­er) re­pli­can­te e su­per­do­ta­do de in­qui­e­tan­te hu­ma­ni­da­de pro­gra­ma­da. Quem sou? Aon­de vou? Que sen­ti­do tem mi­nha vida? Te­nho al­ma? Ques­tões im­plí­ci­tas ou ex­plí­ci­tas no ro­tei­ro de Hamp­ton Fan­cher e Mi­cha­el Gre­en, en­quan­to a bus­ca do amor e o an­seio por ser de­se­ja­do ge­ram aqui for­tes e ex­tre­mas re­fe­rên­ci­as à re­a­li­da­de vir­tu­al e à in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, cor­pos e se­xu­a­li­da­de di­gi­tal que pre­ten­dem pre­en­cher o va­zio emo­ci­o­nal do re­pli­can­te. (Má­gi­co e fas­ci­nan­te, o mé­na­ge a trois no apar­ta­men­to de K, in­te­ra­ção ci­ber­sé­xi­ca de cor­pos que sur­ge co­mo uma das pro­fe­ci­as pa­ra 2079, quem sa­be ?) Porque as emo­ções não são o pon­to for­te do pro­ta­go­nis­ta, cri­a­ção só­li­da de um Ryan Gos­ling cu­ja presença ca­ris­má­ti­ca na te­la é ide­al pa­ra com­por ti­pos lacô­ni­cos ti­po “Dri­ver” (exi­bi­do em Lon­dri­na pelo Com-Tour), des­ti­tuí­dos de ex­pres­si­va hu­ma­ni­da­de exi­gi­da em momentos cru­ci­ais – Har­ri­son Ford se en­cai­xa mais nes­te per­fil. Di­an­te da ele­gân­cia for­mal de “Bla­de Run­ner 2049”, o es­pec­ta­dor é to­ma­do por uma es­pé­cie de tran­se hip­nó­ti­co. Cada ce­na está me­ti­cu­lo­sa­men­te es­tu­da­da, tra­ba­lha­da até a per­fei­ção, tan­to em ex­te­ri­o­res co­mo nos in­te­ri­o­res que de­fi­nem os per­so­na­gens (a casa de K, a cor­po­ra­ção Wal­la­ce, o cas­si­no aban­do­na­do em Vegas, re­fú­gio de Dec­kard) e que são uma cons­tan­te do universo Bla­de Run­ner – a con­vi­vên­cia en­tre o no­vo e o velho, o atu­al e o clás­si­co – e que se su­bli­ma em múl­ti­plas ho­me­na­gens ao filme am­bi­en­ta­do em 2019.

Por último, mas não menos im­por­tan­te. “Bla­de Run­ner” ima­gi­nou um 2019 em que a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al al­can­çou tal grau de de­sen­vol­vi­men­to que os an­droi­des são su­pe­ri­o­res aos hu­ma­nos, in­te­lec­tu­al e fi­si­ca­men­te. A dois anos des­se fu­tu­ro fic­tí­cio, sa­be-se que em al­guns anos a ro­bó­ti­ca in­va­di­rá mui­tas pro­fis­sões e mui­tos em­pre­gos se­rão hu­ma­na­men­te ob­so­le­tos. Stephen Haw­king che­gou a afirmam que a IA po­de­ria sig­ni­fi­car o fim da ra­ça hu­ma­na. É mui­to pro­vá­vel que ne­nhum de nós es­te­ja vi­vo quan­do os an­droi­des pen­sa­rem, sen­ti­rem e agi­rem co­mo os re­pli­can­tes de “Bla­de Run­ner”, sen­do tão iguais a nós. Ou su­pe­ri­o­res a nós.

Re­pro­du­ção

‘Bla­de Run­ner – 2049’: cada ce­na está me­ti­cu­lo­sa­men­te es­tu­da­da, tan­to em ex­te­ri­o­res co­mo nos in­te­ri­o­res que de­fi­nem os per­so­na­gens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.