RAN­KING

Lon­dri­nen­ses Hauly e Can­zi­a­ni ocu­pam a se­gun­da e a 36ª co­lo­ca­ções, res­pec­ti­va­men­te; po­si­ci­o­na­men­to em vo­ta­ções po­lê­mi­cas, co­mo a da Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta, con­tou pon­to

Folha de Londrina - - Primeira Página - Ma­ri­a­na Fran­co Ra­mos Re­por­ta­gem Lo­cal

Lis­ta dos 50 par­la­men­ta­res do Con­gres­so Na­ci­o­nal mais bem ava­li­a­dos por si­te tem três de­pu­ta­dos pa­ra­na­en­ses

Cu­ri­ti­ba – O Pa­ra­ná tem três dos 50 par­la­men­ta­res mais bem ava­li­a­dos pe­lo si­te “Ran­king dos Po­lí­ti­cos”, que mo­ni­to­ra ques­tões co­mo as­si­dui­da­de, gas­tos pú­bli­cos, pro­ces­sos ju­di­ci­ais e, de for­ma mais sub­je­ti­va, o de­sem­pe­nho dos 594 mem­bros do Con­gres­so Na­ci­o­nal em vo­ta­ções. Con­for­me o le­van­ta­men­to, o de­pu­ta­do fe­de­ral Luiz Car­los Hauly (PSDB-PR) ocu­pa a se­gun­da co­lo­ca­ção ge­ral, atrás ape­nas da se­na­do­ra Ana Amé­lia (PP-RS). Ou­tros ci­ta­dos são Ru­bens Bu­e­no (PP-PR), em 16º lu­gar, e Alex Can­zi­a­ni (PTB-PR), em 36º.

A fer­ra­men­ta, dis­po­ní­vel no link www.po­li­ti­cos.org.br, foi cri­a­da por dois ad­mi­nis­tra­do­res de em­pre­sa que se di­zem, em­bo­ra não “neu­tros”, in­de­pen­den­tes, sem fi­li­a­ção a le­gen­das ou li­ga­ção a gru­pos de in­te­res­se. A pon­tu­a­ção é de­fi­ni­da de acor­do com os da­dos que eles ob­têm so­bre uso de re­cur­sos do erá­rio, pre­sen­ça nas ses­sões ple­ná­ri­as, fi­de­li­da­de par­ti­dá­ria e pro­ces­sos ju­di­ci­ais. Um quar­to cri­té­rio é a cha­ma­da qua­li­da­de le­gis­la­ti­va. O va­lor das leis ana­li­sa­das é de­fi­ni­do por um Con­se­lho de Ava­li­a­ção, le­van­do em con­ta o quan­to elas su­pos­ta­men­te aju­dam ou atra­pa­lham o País. As no­tas va­ri­am de -30 a +30. Os mem­bros são, em sua mai­o­ria, en­ge­nhei­ros, eco­no­mis­tas e ad­mi­nis­tra­do­res.

Quem vo­tou a fa­vor da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, da am­pli­a­ção da ter­cei­ri­za­ção e da re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria, por exem­plo, ga­nhou pon­tos, en­quan­to quem re­jei­tou a au­to­ri­za­ção pa­ra que o STF ( Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) in­ves­ti­gas­se o pre­si­den­te Mi­chel Temer (PMDB) per­deu no­ta. “Acre­di­ta­mos na de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos, no res­pei­to às leis, no com­ba­te à cor­rup­ção e aos pri­vi­lé­gi­os, na li­vre ini­ci­a­ti­va, na pro­pri­e­da­de pri­va­da, no re­gi­me de mer­ca­do, na efi­ci­ên­cia dos ser­vi­ços pú­bli­cos, na re­du­ção do des­per­dí­cio, na li­ber­da­de de in­for­ma­ção e ou­tras ban­dei­ras con­quis­ta­das pe­la ci­vi­li­za­ção nos úl­ti­mos sé­cu­los”, afir­mam os cri­a­do­res do pro­je­to, na des­cri­ção.

Com 219 pon­tos no to­tal, Hauly tem boa ava­li­a­ção em pre­sen­ça em ple­ná­rio - de 91 ses­sões re­a­li­za­das, es­te­ve em 90 -, pe­lo gas­to da co­ta par­la­men­tar e ver­ba in­de­ni­za­tó­ria pou­co abai­xo da mé­dia ge­ral (o tu­ca­no gas­tou pou­co mais de R$ 232 mil, en­quan­to a mé­dia é de R$ 279,3 mil), por ter for­ma­ção su­pe­ri­or, ter se man­ti­do fi­el ao PSDB ao lon­go da carreira po­lí­ti­ca e por não res­pon­der a pro­ces­sos ju­di­ci­ais. Tam­bém pe­sa­ram a fa­vor os po­si­ci­o­na­men­tos fa­vo­rá­veis à ter­cei­ri­za­ção, à re­for­ma tra­ba­lhis­ta e ao no­vo En­si­no Mé­dio e con­trá­rio ao fun­dão elei­to­ral. En­tre­tan­to, o de­pu­ta­do foi mal ava­li­a­do por ter re­jei­ta­do a au­to­ri­za­ção pa­ra o STF in­ves­ti­gar Temer.

Ou­tro lon­dri­nen­se no ran­king, Can­zi­a­ni, ob­te­ve 135 pon­tos. Re­ce­beu no­tas fa­vo­rá­veis no que­si­to pre­sen­ça (es­te­ve em 85 das 91 ple­ná­ri­as re­a­li­za­das), vo­ta­ções im­por­tan­tes, for­ma­ção aca­dê­mi­ca su­pe­ri­or e fi­de­li­da­de par­ti­dá­ria. Por ou­tro la­do, gas­tou mais do que o re­co­men­da­do (R$ 311,2 mil, an­te R$ 279,3 mil de mé­dia) e per­deu no­ta por res­pon­der a pro­ces­so ju­di­ci­al no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (TJ) do Pa­ra­ná. Já Bu­e­no apa­re­ceu com pon­tu­a­ção 162. Com­pa­re­ceu a 86 ses­sões, gas­tou R$ 226.3 mil da co­ta par­la­men­tar e se saiu bem em fi­de­li­da­de par­ti­dá­ria e for­ma­ção. Só não su­biu de po­si­ção por ser réu em ação ci­vil de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, no TJ, e por ter se au­sen­ta­do da pri­mei­ra vo­ta­ção con­tra o pre­si­den­te, em agos­to.

Na ou­tra pon­ta, apa­re­cem três pe­tis­tas: os de­pu­ta­dos fe­de­rais Enio Ver­ri (567º lu­gar) e Ze­ca Dir­ceu (533º), com -184 e -128, e a se­na­do­ra Glei­si Hoff­mann, com -112 (510º). Nos três ca­sos, o que mais pe­sa con­tra são os com­por­ta­men­tos em vo­ta­ções - to­dos fo­ram con­trá­ri­os a mu­dan­ças no En­si­no Mé­dio e nas ter­cei­ri­za­ções, por exem­plo, e fa­vo­rá­veis ao fun­dão elei­to­ral. Pa­ra com­ple­tar, gas­ta­ram aci­ma da mé­dia com co­tas par­la­men­ta­res e ver­bas in­de­ni­za­tó­ri­as e res­pon­dem ou fo­ram con­de­na­dos em pro­ces­sos ju­di­ci­ais. Os pi­o­res co­lo­ca­dos na­ci­o­nal­men­te são o se­na­dor Ivo Cas­sol (PP-RO), com no­ta -669, e o de­pu­ta­do Her­cu­la­no Pas­sos (PSD-SP), com no­ta -531.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.