Luz

Fei­ra re­a­li­za­da pe­la Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Edu­ca­ção reu­niu de­ze­nas de pro­je­tos que são re­a­li­za­dos em es­co­las de Lon­dri­na

Folha de Londrina - - Cidadania - Ma­ri­an Tri­guei­ros Re­por­ta­gem Lo­cal

Com a fi­na­li­da­de de mos­trar o que tem si­do fei­to por alu­nos e pro­fes­so­res na re­de pú­bli­ca de Lon­dri­na, a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Edu­ca­ção re­a­li­zou o “I Lon­dri­na Mais”, uma fei­ra que reu­niu Ci­ên­ci­as, Tec­no­lo­gia e Ma­te­má­ti­ca, com­pos­ta por tra­ba­lhos de alu­nos da Edu­ca­ção In­fan­til e En­si­no Fun­da­men­tal. No to­tal, fo­ram ex­pos­tos cer­ca de 500 tra­ba­lhos de mais de 80 uni­da­des es­co­la­res de to­das as re­giões da ci­da­de. A mos­tra, que foi re­a­li­za­da no Par­que Ney Bra­ga, tam­bém pro­mo­veu uma sé­rie de pa­les­tras, ex­pe­ri­men­tos ci­en­tí­fi­cos e tec­no­ló­gi­cos, além de ati­vi­da­des for­ma­ti­vas pa­ra o pro­fes­so­res e con­ta­ção de his­tó­ri­as. O even­to foi aber­to a to­da co­mu­ni­da­de, so­bre­tu­do es­co­lar.

Ao an­dar pe­los cor­re­do­res, era pos­sí­vel ver de per­to inú­me­ras fo­tos, ma­que­tes e ob­je­tos uti­li­za­dos ou pro­du­zi­dos nos pro­je­tos pe­da­gó­gi­cos das es­co­las que, mui­tas ve­zes, fi­cam res­tri­tos à pró­pria ins­ti­tui­ção ou co­mu­ni­da­de no en­tor­no. Se­gun­do a se­cre­tá­ria mu­ni­ci­pal de Edu­ca­ção, Ma­ria Te­re­za Pas­cho­al de Mo­ra­es, hou­ve uma ade­são gran­de dos pro­fes­so­res em par­ti­ci­par do Lon­dri­na Mais, o pri­mei­ro na ci­da­de nes­se for­ma­to. “Tão im­por­tan­te quan­to o apoio dos pro­fes­so­res foi a par­ti­ci­pa­ção e vi­si­ta­ção dos alu­nos. Es­se con­ta­to pro­pi­cia que to­dos te­nham ideia da re­de de en­si­no da qual fa­zem par­te e in­cen­ti­vam que ou­tras idei­as se­jam im­ple­men­ta­das”, dis­se.

Um dos des­ta­ques da fei­ra foi a “I Se­ma­na Ci­ma­tec”, on­de acon­te­ceu a ex­po­si­ção “Show da Quí­mi­ca e da Fí­si- ca”, re­a­li­za­da pe­lo Mu­seu de Ci­ên­ci­as e Tec­no­lo­gia da UEL (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na). Na ten­da in­te­ra­ti­va, o pú­bli­co te­ve a opor­tu­ni­da­de de par­ti­ci­par de jo­gos e ex­pe­ri­men­tos, bem co­mo ter con­ta­to com lin­gua­gem de pro­gra­ma­ção e ge­o­me­tria; ob­ser­var mi­cror­ga­nis­mos em mi­cros­có­pi­os e lu­pas, além de vi­si­tar a Bi­bli­o­te­ca Mó­vel da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal do Am­bi­en­te (Se­ma). Já na ten­da in­te­ra­ti­va “Lon­dri­na Fli” hou­ve con­ta­ção de his­tó­ri­as, en­tre ou­tras ati­vi­da­des aber­tas.

SIS­TE­MA SO­LAR

Um dos pro­je­tos re­a­li­za­dos era o da pro­fes­so­ra de mul­ti­mí­di­as Lu­a­na Car­do­so dos San­tos, da Es­co­la Mu­ni­ci­pal Ata­ná­zio Le­o­nel (re­gião Nor­te), que de­sen­vol­veu um Sis­te­ma So­lar com os alu­nos pa­ra pro­pi­ci­ar uma vi­vên­cia di­fe­ren­te. De­pois de ini­ci­ar a par­te teó­ri­ca so­bre a for­ma­ção do sis­te­ma e os pla­ne­tas, e re­a­li­zar exer­cí­ci­os e pro­du­ção de tex­to, a pro­fes­so­ra in­gres­sou com re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos usan­do ima­gens, ví­de­os e sons. O in­te­res­se de­les foi tão gran­de que ex­pan­diu as ati­vi­da­des e os alu­nos do quin­to ano pro­du­zi­ram ma­que­tes. “A ideia era que, as­sim, pu­des­sem vi­su­a­li­zar e di­fe­ren­ci­ar a re­la­ção de ta­ma­nho e dis­tân­cia en­tre os pla­ne­tas e en­ten­der os mo­vi­men­tos de ro­ta­ção e trans­la­ção. Fi­ca­ram tão es­ti­mu­la­dos com a ideia que qui­se­ram ex­por na se­ma­na cul­tu­ral e ex­pli­car pa­ra os alu­nos me­no­res”, ex­pli­ca.

Mas não pa­rou por aí. A pró­pria pro­fes­so­ra que já ha­via fei­to uma visita ao Pla­ne­tá­rio de Lon­dri­na, di­an­te da im­pos­si­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra em le­var os alu­nos ao lo­cal, de­ci­diu cri­ar um pla­ne­tá­rio na pró­pria sa­la. Não me­diu es­for­ços e, com mui­ta cri­a­ti­vi­da­de, fez os pla­ne­tas de pa­pel alu­mí­nio de acor­do com su­as di­men­sões, usou lâm­pa­das de pis­ca-pis­ca pa­ra si­mu­lar as es­tre­las e o sol era uma gran­de bo­la de iso­por com pa­pel co­lo­ri­do ilu­mi­na­do. Pen­du­rou tu­do no te­to e co­briu as pa­re­des e ja­ne­las com te­ci­do pre­to pa­ra que a sa­la fi­cas­se to­tal­men­te es­cu­ra. “Com re­cur­sos sim­ples e de baixo cus­to – que es­tão dis­po­ní­veis em tu­to­rais de Ci­ên­ci­as – ten­tei re­pro­du­zir a ideia do Sis­te­ma So­lar. Quando eles en­tra­ram na sa­la e vi­ram aque­le “uni­ver­so” di­an­te dos olhos, fi­ca­ram emo­ci­o­na­dos e ain­da mais en­tu­si­as­ma­dos pa­ra es­tu­dar”.

A ilu­são cri­a­da pe­lo am­bi­en­te foi trans­por­ta­da, em par­tes, pa­ra o Lon­dri­na Mais pa­ra que alu­nos de ou­tras es­co­las pu­des­sem ter um pou­co da mes­ma sen­sa­ção. “Re­a­li­zei o mi­ni pla­ne­tá­rio de for­ma ama­do­ra, mas que cum­priu o pa­pel de in­for­mar. Mais que is­so, por cau­sa da lu­di­ci­da­de, des­per­tou nos alu­nos um in­te­res­se aci­ma do cor­ri­quei­ro por ques­tões que não con­se­gui­am com­pre­en­der ape­nas ven­do nos li­vros ou no com­pu­ta­dor”, com­ple­ta. A pro­fes­so­ra Jés­si­ca Vil­me, que es­ta­va vi­si­tan­do a fei­ra com os alu­nos da Es­co­la Mu­ni­ci­pal Pro­fes­so­ra Vil­ma Ro­dri­gues Ro­me­ro, co­men­ta que tam­bém ten­ta­rá co­lo­car em prá­ti­ca o pro­je­to em sua es­co­la. “Vi vá­ri­os pro­je­tos aqui, co­mo es­se, que são viá­veis con­for­me nos­sa re­a­li­da­de. É mui­to boa es­sa tro­ca de idei­as”, con­ta.

CUL­TU­RA INDÍGENA

A pro­fes­so­ra Ber­nar­de­te da Sil­va, da Es­co­la Mu­ni­ci­pal San­tos Du­mont (re­gião Oes­te), de­sen­vol­veu um pro­je­to so­bre a cul­tu­ra indígena que cul­mi­nou em um ca­fé da ma­nhã com alu­nos e fa­bri­ca­ção de ob­je­tos e ar­te­sa­na­tos in­dí­ge­nas. “Fo­ram vá­ri­as au­las es­tu­dan­do so­bre os cos­tu­mes, a his­tó­ria, a lín­gua, a ves­ti­men­ta e a cu­li­ná­ria. Co­mo par­te do pro­je­to, apren­de­ram al­gu­mas dan­ças que fo­ram apre­sen­ta­das na es­co­la, quando uti­li­za­ram o pau de chu­va que pro­du­zi­ram com bam­bu. Em casa, jun­to com a fa­mí­lia, exe­cu­ta­ram re­cei­tas uti­li­zan­do in­gre­di­en­tes tí­pi­cos da cul­tu­ra indígena, mas que já es­tão in­cor­po­ra­dos em nos­sa cul­tu­ra. To­dos pu­de­ram de­gus­tar na es­co­la pos­te­ri­or­men­te, já sa­ben­do o sig­ni­fi­ca­do de ca­da um dos pra­tos”, ex­pli­ca a pro­fes­so­ra Gis­lai­ne de Men­don­ça que, pa­ra­le­la­men­te, tra­ba­lhou con­tos afri­ca­nos e in­dí­ge­nas na Bi­bli­o­te­ca.

MA­TE­MÁ­TI­CA

Se exis­te uma dis­ci­pli­na que ain­da pos­sui mui­ta re­sis­tên­cia en­tre os alu­nos é a Ma­te­má­ti­ca. De for­ma a su­pe­rar as di­fi­cul­da­des e trans­for­mar o en­ten­di­men­to do uni­ver­so dos nú­me­ros, a equi­pe Pe­da­gó­gi­ca da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Edu­ca­ção, des­de 2011, re­a­li­za o pro­gra­ma Al­fa­be­ti­za­ção e Le­tra­men­to em Ma­te­má­ti­ca (ALFMAT) com os pro­fes­so­res, cu­jo ob­je­ti­vo é am­pli­ar o co­nhe­ci­men­to na uti­li­za­ção de me­to­do­lo­gi­as e mos­trar pos­si­bi­li­da­des de re­cur­sos di­dá­ti­cos pa­ra o en­si­no da Ma­te­má­ti­ca e, ago­ra, am­plia as pos­si­bi­li­da­des unin­do a tec­no­lo­gia. “A ma­te­má­ti­ca es­tá pre­sen­te em to­dos os mo­men­tos da vi­da. Por meio da ma­ni­pu­la­ção de jo­gos, in­cluin­do em for­ma­to di­gi­tal, va­mos des­mis­ti­fi­can­do e di­mi­nuin­do qual­quer di­fi­cul­da­de”, ex­pli­ca Re­gi­na Apa­re­ci­da Oli­vei­ra, co­or­de­na­do­ra do pro­gra­ma.

Fo­tos: An­der­son Co­e­lho

A cul­tu­ra indígena foi en­fo­ca­da pe­la pro­fes­so­ra Ber­na­de­te da Sil­va na Es­co­la Mu­ni­ci­pal San­tos Du­mont: ob­je­tos, co­mo o pau de chu­va, fo­ram con­fec­ci­o­na­dos pe­los alu­nos

A pro­fes­so­ra Lu­a­na Car­do­so dos San­tos cons­truiu um sis­te­ma so­lar pa­ra os alu­nos da Es­co­la Mu­ni­ci­pal Ata­ná­zio Le­o­nel (re­gião nor­te): pla­ne­tas de alu­mí­nio e pis­ca-pis­ca co­mo es­tre­las atraí­ram a atenção dos alu­nos en­can­ta­dos com a ma­té­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.