DE­BA­TE

Pro­je­to de pas­tor da Igre­ja Mundial do Po­der de Deus de­ve acir­rar os âni­mos en­tre con­ser­va­do­res e pro­gres­sis­tas

Folha de Londrina - - Primeira Página - Ma­ri­a­na Fran­co Ra­mos Re­por­ta­gem Lo­cal

Po­lê­mi­co, pro­je­to “Es­co­la sem Par­ti­do” vol­ta à pau­ta da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va nes­ta se­ma­na

A ver­são pa­ra­na­en­se do pro­gra­ma “Es­co­la sem Par­ti­do”, que pre­ten­de res­trin­gir dis­cus­sões so­bre po­lí­ti­ca e se­xu­a­li­da­de nos co­lé­gi­os pú­bli­cos do Es­ta­do, vol­ta à pau­ta da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va (AL) nes­ta se­ma­na. O pro­je­to de lei 606/2016, de au­to­ria de Mis­si­o­ná­rio Ri­car­do Ar­ru­da (DEM), de­ve ser vo­ta­do pe­la CCJ (Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça) da Ca­sa, on­de já re­ce­beu pe­di­do de vis­ta, na terça-feira (7) e, em se­gui­da, pe­la Co­mis­são de Edu­ca­ção, an­tes de ir a ple­ná­rio. De­pu­ta­dos ou­vi­dos pe­la FO­LHA di­zem que a ten­dên­cia é de que a po­lê­mi­ca ma­té­ria seja apro­va­da, ca­ben­do ao go­ver­na­dor Be­to Ri­cha (PSDB) to­mar a de­ci­são de san­ci­o­ná-la ou ve­tá-la.

Mem­bros de mo­vi­men­tos, co­mo o Bra­sil Livre (MBL), fa­vo­rá­veis à pro­pos­ta e da APP-Sin­di­ca­to, en­ti­da­de re­pre­sen­ta­ti­va dos pro­fes­so­res, que é con­trá­ria, têm per­cor­ri­do ga­bi­ne­tes par­la­men­ta­res e par­ti­ci­pa­do de reu­niões a res­pei­to. Pa­ra os pri­mei­ros, a me­di­da é uma for­ma de evi­tar o que cha­mam de “dou­tri­na­ção ide­o­ló­gi­ca” em sa­la de au­la, en­quan­to pa­ra os se­gun­dos a “lei da mor­da­ça” na­da mais é do que uma ver­ten­te de pen­sa­men­to au­to­ri­tá­rio, cu­jo ob­je­ti­vo se­ria im­por um pa­tru­lha­men­to e uma cen­su­ra ao tra­ba­lho do­cen­te.

Ao con­trá­rio das de­mais vo­ta­ções na AL, es­sa não co­lo­ca fren­te a fren­te go­ver­no e opo­si­ção, e sim con­ser­va­do­res, li­de­ra­dos pe­la cha­ma­da ban­ca­da evan­gé­li­ca, e po­lí­ti­cos mais pro­gres­sis­tas, in­de­pen­den­te­men­te dos par­ti­dos a que per­ten­cem. O lí­der da si­tu­a­ção, Luiz Cláu­dio Ro­ma­nel­li (PSB), por exem­plo, afir­mou que con­si­de­ra a ini­ci­a­ti­va “um des­pro­pó­si­to”. “En­ten­do que a plu­ra­li­da­de, a di­ver­si­da­de, tem de ser tra­ta­da den­tro do pro­ces­so de­mo­crá­ti­co que nós te­mos. A es­co­la é es­pa­ço de de­ba­te. Es­sa his­tó­ria de ide­o­lo­gia de gê­ne­ro é uma bo­ba­gem ab­so­lu­ta”, dis­se. Nos bas­ti­do­res, po­rém, o que se diz é que a mai­o­ria da ba­se apoia o PL.

Na jus­ti­fi­ca­ti­va, Ar­ru­da, que é pas­tor da Igre­ja Mundial do Po­der de Deus, ale­ga ser “fa­to no­tó­rio de que pro­fes­so­res e au­to­res de li­vros di­dá­ti­cos vêm-se uti­li­zan­do de su­as obras pa­ra ten­tar ob­ter a ade­são dos es­tu­dan­tes a de­ter­mi­na­das cor­ren­tes po­lí­ti­cas e ide­o­ló­gi­cas; e pa­ra fa­zer com que eles ado­tem pa­drões de jul­ga­men­to e de con­du­ta mo­ral – es­pe­ci­al­men­te mo­ral se­xu­al – in­com­pa­tí­veis com os que lhes são en­si­na­dos por seus pais ou res­pon­sá­veis”.

De acor­do com ele, a in­ten­ção do pro­gra­ma é não per­mi­tir que o go­ver­no e os pro­fes­so­res tra­tem de ide­o­lo­gia par­ti­dá­ria e, prin­ci­pal­men­te, de “ide­o­lo­gia de gê­ne­ro” no am­bi­en­te es­co­lar.

UFPR E OAB

O Con­se­lho Uni­ver­si­tá­rio da UFPR (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­ra­ná) apro­vou por una­ni­mi­da­de, no fi­nal de ou­tu­bro, uma mo­ção con­tra o Es­co­la sem Par­ti­do. “Co­mo en­ti­da­de de pes­qui­sa, ex­ten­são e en­si­no, in­clu­si­ve na for­ma­ção de ou­tros ní­veis edu­ca­ci­o­nais, de­ve­mos ter co­mo fun­da­men­to bá­si­co a de­fe­sa da li­ber­da­de de cá­te­dra, de pes­qui­sa e de con­cep­ções ci­en­tí­fi­cas, que dão vi­da à plu­ra­li­da­de tão ne­ces­sá­ria à cri­a­ção e di­fu­são do co­nhe­ci­men­to”, afir­ma o texto. O Coun lem­bra que o ar­ti­go 206 da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral as­se­gu­ra a “li­ber­da­de de apren­der, en­si­nar, pes­qui­sar e di­vul­gar o pen­sa­men­to, a arte e o sa­ber”, bem co­mo “o plu­ra­lis­mo de idei­as e de con­cep­ções pe­da­gó­gi­cas”.

A sec­ci­o­nal da OAB (Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil) no Pa­ra­ná tam­bém se ma­ni­fes­tou “pre­o­cu­pa­da” com a possível apro­va­ção da ma­té­ria. Na ava­li­a­ção da en­ti­da­de, o pro­je­to é ma­ni­fes­ta­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nal e, “ao pre­ten­der in­ter­fe­rir na li­ber­da­de de cá­te­dra, ins­ti­tuin­do um rol de res­tri­ções so­bre o cor­po do­cen­te, es­ta­be­le­ce ver­da­dei­ro re­gi­me de vi­gi­lân­cia so­bre o en­si­no e a apren­di­za­gem”.

“A li­ber­da­de de apren­der, en­si­nar, pes­qui­sar e di­vul­gar o pen­sa­men­to, a arte e o sa­ber (art. 206, II da CF), bem co­mo o plu­ra­lis­mo de idei­as e con­cep­ções pe­da­gó­gi­cas (art. 206, III da CF), são ba­ses cons­ti­tu­ci­o­nais da edu­ca­ção na­ci­o­nal e não po­dem ser fle­xi­bi­li­za­dos por le­gis­la­ção in­fra­cons­ti­tu­ci­o­nal. Rom­per es­sa fronteira é um pe­ri­go­so pas­so ru­mo à vi­o­la­ção de di­rei­tos fun­da­men­tais”, com­ple­ta a OAB.

Pe­dro de Oliveira/Alep

An­tes de ir a ple­ná­rio, pro­je­to se­rá vo­ta­do pe­la CCJ e pas­sa­rá pe­la Co­mis­são de Edu­ca­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.