Olé Espanha!

Folha de Londrina - - Opinião -

Os mo­vi­men­tos se­pa­ra­tis­tas pelo mun­do, gros­so mo­do, se re­su­mem no de­se­jo de in­de­pen­dên­cia de pe­que­nas re­giões que se sen­tem des­va­lo­ri­za­das por fa­ze­rem parte de paí­ses que não a re­co­nhe­cem, es­pe­ci­al­men­te por pos­suí­rem cul­tu­ras dis­tin­tas, di­ver­gên­ci­as de de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co e fal­ta de in­ves­ti­men­tos (em in­fra­es­tru­tu­ra, saú­de, segurança, edu­ca­ção) do po­der cen­tral em su­as po­pu­la­ções re­gi­o­nais. A de­cla­ra­ção uni­la­te­ral de in­de­pen­dên­cia, por­tan­to, se­ria uma for­ma de va­lo­ri­zar e ga­ran­tir mais di­rei­tos e in­ves­ti­men­tos pa­ra es­tas so­ci­e­da­des re­gi­o­nais. A con­sul­ta po­pu­lar pe­la in­de­pen­dên­cia da Espanha re­a­li­za­da re­cen­te­men­te pelo go­ver­no re­gi­o­nal da Ca­ta­lu­nha é um bom exem­plo des­ses mo­vi­men­tos. Es­se ti­po de ple­bis­ci­to, in­clu­si­ve, já acon­te­ceu in­for­mal­men­te nos Es­ta­dos da Região Sul (Pa­ra­ná, Santa Catarina e Rio Gran­de do Sul). Não se tra­ta ape­nas de um na­ci­o­na­lis­mo exa­cer­ba­do, mas a ideia de in­de­pen­dên­cia vem sen­do ali­men­ta­da pelo fra­cas­so dos gran­des Es­ta­dos fe­de­ra­ti­vos em re­sol­ver a atu­al cri­se econô­mi­ca que os as­so­la. Se­gun­do es­tu­dos de pro­je­ção re­a­li­za­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção Internacional pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE), em 50 anos ha­ve­rá um fu­tu­ro de­sas­tro­so pa­ra os paí­ses de­sen­vol­vi­dos, on­de su­as po­pu­la­ções en­ve­lhe­cem, co­lo­can­do um pe­so imen­so nos gas­tos pú­bli­cos; a de­si­gual­da­de so­ci­al cres­ce, le­van­do a uma ero­são na ba­se tri­bu­tá­ria e, en­fim, es­ses gran­des paí­ses vão pe­re­cer pro­va­vel­men­te en­ca­ran­do uma cri­se de su­pri­men­to de ener­gia. Aque­les que não que­bra­rem vão se trans­for­mar em lu­ga­res fei­os, po­bres e in­to­le­ran­tes. Se a po­pu­la­ção de um pe­que­no país sus­pei­ta, den­tro de uma en­ti­da­de fe­de­ra­ti­va mai­or (Ca­ta­lu­nha/Espanha; Cri­meia/Rús­sia; Escócia/Rei­no Uni­do; etc.), que vai ser a per­pé­tua per­de­do­ra em um pe­río­do de lon­ga aus­te­ri­da­de econô­mi­ca, re­ve­la-se com­pre­en­sí­vel a bus­ca pe­la in­de­pen­dên­cia. Uma vez que os pro­ble­mas de lon­go pra­zo do ca­pi­ta­lis­mo es­tão pos­tos, a ló­gi­ca econô­mi­ca pa­ra a se­pa­ra­ção se torna mais clara. De fa­to, paí­ses gran­des são pe­sa­dos e di­fí­ceis de ad­mi­nis­trar. Sin­te­ti­ca­men­te existem du­as es­tra­té­gi­as pa­ra se com­pen­sar is­so: pri­mei­ro é ne­ces­sá­rio re­ce­ber uma imi­gra­ção mas­si­va pa­ra se equi­li­brar a po­pu­la­ção (ati­va) de con­tri­buin­tes e os usuá­ri­os dos ser­vi­ços (apo­sen­ta­dos e ina­ti­vos); se­gun­do é ne­ces­sá­rio ele­var a pro­du­ti­vi­da­de me­di­an­te um pro­gra­ma de ino­va­ção ca­pi­ta­ne­a­do pelo Es­ta­do pa­ra su­prir a ne­ces­si­da­de de fon­tes de ener­gia, vi­san­do o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co sus­ten­tá­vel ao lon­go do ca­mi­nho. Tan­to na Espanha co­mo no Bra­sil, a dis­so­lu­ção fe­de­ra­ti­va pre­ten­di­da é in­cons­ti­tu­ci­o­nal. Se o ar­ti­go 1º da nos­sa Car­ta es­ta­be­le­ce que a Re­pú­bli­ca é for­ma­da pe­la união in­dis­so­lú­vel dos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os e do Dis­tri­to Fe­de­ral, qual­quer mo­vi­men­to se­pa­ra­tis­ta po­de­rá ser mi­li­tar­men­te re­pri­mi­do por meio do de­cre­to pre­si­den­ci­al a fim de pre­ser­var a or­dem pú­bli­ca ou a paz so­ci­al ame­a­ça­das por gra­ve e iminente ins­ta­bi­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal (art. 136 da CF/1988). O go­ver­no cen­tral da Espanha já dis­sol­veu o Par­la­men­to Ca­ta­lão e o men­tor in­te­lec­tu­al da ideia se­pa­ra­tis­ta fu­giu e pe­diu asi­lo po­lí­ti­co na Bél­gi­ca. Nes­ta óti­ca, o des­fe­cho aqui se­ria o mesmo. Afinal, en­quan­to na­ção, nós so­mos um! RI­CAR­DO LAFFRANCHI (ad­vo­ga­do) - Lon­dri­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.