Er­lí

Folha de Londrina - - Cidades - Luiz Za­nin Oric­chio Agên­cia Es­ta­do

Fa­lan­do em fi­lo­so­fia, e em idi­o­ma ca­ta­lão, Mer­lí vem se fir­man­do co­mo uma das sé­ri­es mais ba­da­la­das da Net­flix. Foi re­co­men­da­da, em sua pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok, por nin­guém me­nos que o pro­fes­sor de Éti­ca e Fi­lo­so­fia da USP, Re­na­to Ja­ni­ne Ri­bei­ro, mi­nis­tro da Edu­ca­ção no go­ver­no de Dil­ma Rous­seff.

Em que con­sis­te es­sa sé­rie, que vai ago­ra pa­ra sua ter­cei­ra tem­po­ra­da? Ba­si­ca­men­te os ca­pí­tu­los se­guem a tra­je­tó­ria de um pro­fes­sor de fi­lo­so­fia do cur­so se­cun­dá­rio cha­ma­do Mer­lí Ber­ge­ron (Fran­cesc Orel­la pa­re­ce ter nas­ci­do pa­ra o pa­pel).

Tra­ta-se de um sub­ver­si­vo, no me­lhor sen­ti­do do ter­mo, por­que con­ce­be o en­si­no da sua dis­ci­pli­na não co­mo uma sé­rie in­fin­dá­vel e cha­ta de con­cei­tos e de­co­re­bas, mas co­mo fas­ci­nan­te des­co­ber­ta de um mun­do do pen­sa­men­to. Mer­lí se pro­põe co­mo ta­re­fa di­dá­ti­ca na­da me­nos que seus alu­nos apren­dam a pen­sar por si mes­mos.

Os ca­pí­tu­los têm por tí­tu­lo ca­da uma das es­co­las ou per­so­na­gens cen­trais da fi­lo­so­fia: Os pe­ri­pa­té­ti­cos, os pré-so­crá­ti­cos, Pla­tão, Ma­qui­a­vel, Aris­tó­te­les, Só­cra­tes, Fou­cault, Guy De­bord, etc. Mas se en­ga­na quem acha que a sé­rie é ape­nas uma mi­ni-his­tó­ria da Fi­lo­so­fia pa­ra ilus­tra­ção dos es­pec­ta­do­res. Não é bem as­sim, em­bo­ra, no con­tex­to de su­as au­las, Mer­lí ex­pli­que de fa­to al­guns dos prin­ci­pais con­cei­tos e fa­ça­nhas do fi­ló­so­fo da vez.

O sen­ti­do mai­or da sé­rie, no en­tan­to, é a apli­ca­ção da fi­lo­so­fia na prá­ti­ca da vi­da. Mos­trar que es­se “sa­ber inú­til” po­de ser de fa­to um co­nhe­ci­men­to dos mais úteis. Daí su­as au­las às ve­zes se pa­re­ce­rem mais a psi­co­dra­mas pa­ra ado­les­cen­tes in­te­li­gen­tes do que a um en­si­no do sa­ber fi­lo­só­fi­co.

O cer­ne é o re­la­ci­o­na­men­to en­tre pro­fes­sor e alu­nos, que se dá sob o sig­no da in­for­ma­li­da­de. Mer­lí gos­ta dos es­tu­dan­tes, que, por sua vez, de­sen­vol­vem for­te em­pa­tia pe­lo mes­tre. Es­te os es­cu­ta não ape­nas em su­as dú­vi­das da ma­té­ria que le­ci­o­na, mas em seus pro­ble­mas par­ti­cu­la­res. Ques­tões de iden­ti­da­de se­xu­al, re­la­ci­o­na­men­to com os pais, pri­mei­ros na­mo­ros, etc. - tu­do é abor­da­do no en­con­tros tan­to na sa­la de sa­la co­mo fo­ra de­la.

En­fim, Mer­lí Ber­ge­ron de­se­ja mos­trar que a fi­lo­so­fia não é um sa­ber dis­tan­te, meio inú­til e da­ta­do, mas, sim, que po­de ser usa­da co­mo fer­ra­men­ta de sa­be­do­ria pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os do co­ti­di­a­no.

A boa sa­ca­da da sé­rie, es­cri­ta por Edu­ard Cor­tés e di­ri­gi­da por Héc­tor Lo­sa­no, é fa­zer do seu per­so­na­gem um ti­po an­ti­con­ven­ci­o­nal, sá­bio e cheio de de­fei­tos. Mer­lí em na­da se as­se­me­lha ao clás­si­co in­te­lec­tu­al de ga­bi­ne­te. Pe­lo con­trá­rio, pa­re­ce jo­ga­do na vo­ra­gem e nas con­tra­di­ções da vi­da. É se­pa­ra­do, tem um fi­lho, Bru­no, que aliás tam­bém se­rá seu alu­no. Des­pe­ja­do de ca­sa, Mer­lí é obri­ga­do a pe­dir abri­go à mãe, uma ve­te­ra­na atriz de te­a­tro.

ÉTI­CA FLE­XÍ­VEL

Além dis­so, o pro­fes­sor de­mons­tra fle­xi­bi­li­da­de éti­ca bas­tan­te inu­su­al. Num dos epi­só­di­os, fur­ta o ga­ba­ri­to de pro­va de um co­le­ga pa­ra re­pas­sá-lo a um alu­no. De­pois, quan­do a sus­pei­ta re­cai so­bre ele, dei­xa que ou­tro as­su­ma a res­pon­sa­bi­li­da­de. Au­to­con­fi­an­te ao ex­tre­mo, Mer­lí pa­re­ce não sen­tir qual­quer cul­pa pe­lo que faz. E tu­do que faz é no in­te­res­se dos alu­nos, co­mo se fins jus­ti­fi­cas­sem mei­os. Su­as ati­tu­des en­tram em con­fli­to com o que pen­sam a res­pei­to seus co­le­gas pro­fes­so­res ou os pais dos es­tu­dan­tes.

Além do mais, Mer­lí, ho­mem de meia-ida­de, é se­xu­al­men­te mui­to ati­vo. Mal che­ga ao co­lé­gio e dá em ci­ma de uma co­le­ga mais jo­vem, aliás com­pro­me­ti­da com o pro­fes­sor de gi­nás­ti­ca. A mãe de um alu­no tam­pou­co é pou­pa­da. E, di­ga­se mais uma vez, cul­pa não é sen­ti­men­to mui­to ex­pe­ri­men­ta­do pe­lo pro­fes­sor de fi­lo­so­fia.

Não é di­fí­cil en­con­trar al­guns an­te­ce­den­tes de Mer­lí, o prin­ci­pal tal­vez A So­ci­e­da­de dos Po­e­tas Mor­tos, fil­me de 1989 de Pe­ter Weir - ga­nha­dor do Os­car pe­lo ro­tei­ro ori­gi­nal de Tom Schul­man -, em que Ro­bin Wil­li­ans in­ter­pre­ta o pro­fes­sor que vai mu­dar os des­ti­nos de mui­tos alu­nos, sen­si­bi­li­zan­do-os pa­ra a ar­te poé­ti­ca. Pa­ra quem se lem­bra des­se be­lo fil­me, John Ke­a­tings ( Wil­li­ams), com su­as ati­tu­des pou­co con­ven­ci­o­nais, con­se­gue fa­zer com que al­guns alu­nos apro­vei­tem a po­e­sia e a usem pa­ra mu­dar su­as vi­das. E, pa­ra apro­vei­tar o dia, co­mo man­da a fra­se la­ti­na Car­pe Di­em, ce­le­bri­za­da pe­lo fil­me.

Além do mais, a sé­rie Mer­lí usa uma das ca­rac­te­rís­ti­cas da es­co­la, que fun­ci­o­na co­mo mi­cro­cos­mo do con­jun­to da so­ci­e­da­de. Ex­pan­de a amos­tra­gem, ne­la in­cluin­do os pais dos alu­nos e tam­bém os ou­tros pro­fes­so­res. Fi­cam as­sim ex­pli­ci­ta­dos os di­ver­sos mo­dos de apre­en­são de uma re­a­li­da­de com­ple­xa co­mo a ca­ta­lã, na qual o con­ser­va­do­ris­mo con­vi­ve com a mo­der­ni­da­de de uma so­ci­e­da­de que de­se­ja ex­pe­ri­men­tar no­vos ru­mos em sua his­tó­ria.

Na pró­pria sa­la de pro­fes­so­res es­sa di­ver­si­da­de se ex­pri­me. Lá vi­go­ra o es­pí­ri­to de gru­po do cor­po do­cen­te. Mas tam­bém sal­tam à vis­ta as in­ve­jas, ri­va­li­da­des, agres­sões e jo­gos de se­du­ção va­ri­a­dos. Mer­lí pai­ra por es­ses am­bi­en­tes meio tó­xi­cos e por eles não é to­ca­do ou aba­la­do. Es­se tal­vez se­ja um pon­to mais fra­co da his­tó­ria: fa­zer do pro­ta­go­nis­ta uma es­pé­cie de su­per-ho­mem ni­etzs­chi­a­no, al­guém cheio de fa­lhas, mas mui­to bem re­sol­vi­do e, no li­mi­te, além do bem e do mal.

Fil­ma­da com dis­cri­ção, Mer­lí tem seu pon­to for­te na pre­mis­sa de ba­se: o co­nhe­ci­men­to, quan­do bem com­pre­en­di­do, po­de ser agen­te de li­ber­ta­ção pes­so­al e po­lí­ti­ca. Por is­so Só­cra­tes, um dos he­róis de Mer­lí, foi con­de­na­do na Gré­cia an­ti­ga a be­ber ci­cu­ta, acu­sa­do de “cor­rom­per a ju­ven­tu­de”.

É mais fá­cil mal­di­zer os ho­mens do que ins­truí-los e me­lho­rá-los.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.