Municípios me­no­res en­tram na mi­ra do Ga­e­co

Nes­te ano, ao me­nos dez municípios já fo­ram al­vo de in­ves­ti­ga­ções im­por­tan­tes en­vol­ven­do su­pos­tos des­vi­os em ór­gãos pú­bli­cos

Folha de Londrina - - Primeira Página - Si­mo­ni Sa­ris e Ra­fa­el Cos­ta Re­por­ta­gem Lo­cal

So­men­te nes­te ano, ao me­nos dez municípios de pe­que­no a médio por­te já fo­ram al­vos de in­ves­ti­ga­ções do Ga­e­co por su­pos­tos des­vi­os em ór­gãos pú­bli­cos. Co­or­de­na­dor es­ta­du­al do ór­gão, pro­cu­ra­dor Le­o­nir Ba­tis­ti diz que de­nún­ci­as mais co­muns são de fa­vo­re­ci­men­to em li­ci­ta­ções em tro­ca de “fa­vo­res” pa­ra agen­tes pú­bli­cos, obras li­ci­ta­das e não en­tre­gues e adi­ti­vos em con­tra­tos que vi­sam su­per­fa­tu­ra­men­to

Ope­ra­ções de­fla­gra­das pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co no úl­ti­mo mês em municípios da Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Lon­dri­na re­ve­la­ram que su­pos­tos es­que­mas de cor­rup­ção na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca não são ine­ren­tes ape­nas aos gran­des cen­tros. Ro­lân­dia, Be­la Vis­ta do Pa­raí­so e Al­vo­ra­da do Sul fo­ram al­vos de ações do Ga­e­co (Gru­po de Atu­a­ção Es­pe­ci­al de Com­ba­te ao Cri­me Or­ga­ni­za­do) e Ge­pa­tria (Gru­po Es­pe­ci­a­li­za­do na Pro­te­ção ao Pa­trimô­nio Pú­bli­co e no Com­ba­te à Im­pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va) em se­tem­bro fru­tos de in­ves­ti­ga­ções en­vol­ven­do as res­pec­ti­vas pre­fei­tu­ras. Uma ou­tra in­ves­ti­ga­ção tam­bém foi re­a­li­za­da em São Jerô­ni­mo da Ser­ra (a cer­ca de 90 quilô­me­tros de Lon­dri­na) ten­do co­mo al­vo a Câmara Mu­ni­ci­pal.

Le­van­ta­men­to da FOLHA apu­rou que nes­te ano o Ga­e­co tam­bém de­fla­grou ope­ra­ções im­por­tan­tes em ao me­nos ou­tros seis municípios de pe­que­no ou médio por­te do Es­ta­do: Gu­a­ra­ci (tam­bém na RML), San­ta Te­re­zi­nha de Itai­pu (Oes­te), Pai­çan­du (Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Maringá), Pal­mi­tal (Cen­tro-Oes­te), Enéas Mar­ques (Su­do­es­te) e Arau­cá­ria (Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Curitiba). Es­te úl­ti­mo é o úni­co da lis­ta cu­ja po­pu­la­ção pas­sa dos 100 mil ha­bi­tan­tes.

Em Ro­lân­dia, a Ope­ra­ção Pa­tro­cí­nio, que se­gun­do o MP iden­ti­fi­cou es­que­ma de pro­pi­na em con­tra­tos de li­ci­ta­ção cu­jo to­tal des­vi­a­do pas­sa­ria de R$ 7 mi­lhões, re­sul­tou no afas­ta­men­to do pre­fei­to, Luiz Fran­cis­co­ni Ne­to (PSDB), e de ou­tros no­ve agen­tes pú­bli­cos, além do cum­pri­men­to de me­di­das cau­te­la­res co­mo o uso de tor­no­ze­lei­ra eletrônica (leia na pá­gi­na 4).

DE­SA­FI­OS

O pro­cu­ra­dor de Jus­ti­ça Le­o­nir Ba­tis­ti, co­or­de­na­dor es­ta­du­al do Ga­e­co, diz que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Pa­ra­ná (MP-PR) re­ce­be com frequên­cia reclamações e de­nún­ci­as da po­pu­la­ção de municípios me­no­res. As mais co­muns di­zem res­pei­to a fa­vo­re­ci­men­to em li­ci­ta­ções em tro­ca de “fa­vo­res” pa­ra agen­tes pú­bli­cos, obras li­ci­ta­das e não en­tre­gues e adi­ti­vos em con­tra­tos vi­san­do su­per­fa­tu­ra­men­to.

As li­ci­ta­ções são os prin­ci­pais al­vos por­que são a ba­se de qual­quer com­pra feita pe­lo Es­ta­do. Os des­vi­os par­tem de al­gu­mas de­ze­nas de mi­lha­res de re­ais e che­gam a mi­lhões em ci­da­des mé­di­as. “Quan­do há cor­rup­ção em âm­bi­to es­ta­du­al ou da União, ela é, ob­vi­a­men­te, nu­me­ri­ca­men­te mai­or. Mas, no mu­ni­cí­pio, a pro­por­ção mui­tas ve­zes é cor­res­pon­den­te à ou­tra”, diz Ba­tis­ti.

O pro­cu­ra­dor con­ta que a apu­ra­ção de de­nún­ci­as em municípios me­no­res tem de­sa­fi­os es­pe­cí­fi­cos, além das li­mi­ta­ções de­cor­ren­tes da es­tru­tu­ra “en­xu­ta” do Ga­e­co. Um de­les é não cha­mar a aten­ção na pri­mei­ra fa­se de re­co­lhi­men­tos de in­dí­ci­os pa­ra em­ba­sar um even­tu­al man­da­do de bus­ca e apre­en­são ou pri­são. “Mes­mo des­ca­rac­te­ri­za­dos, é mui­to di­fí­cil, por­que a mo­vi­men­ta­ção é inu­si­ta­da pa­ra a ci­da­de”, ex­pli­ca. As­sim, a de­vi­da apu­ra­ção e co­le­ta de pro­vas nem sem­pre são pos­sí­veis, e al­gu­mas de­nún­ci­as e reclamações aca­bam não tra­zen­do re­sul­ta­dos.

So­bre a cor­rup­ção em municípios me­no­res, Ba­tis­ti diz que não é pos­sí­vel ge­ne­ra­li­zar e su­por que a mai­or di­fi­cul­da­de de apu­ra­ção e, em al­guns ca­sos, re­cur­sos mais li­mi­ta­dos de fis­ca­li­za­ção nes­tes lo­cais ne­ces­sa­ri­a­men­te fa­vo­re­çam mal­fei­tos. O pro­cu­ra­dor diz per­ce­ber, no en­tan­to, que há ges­to­res que se aproveitam da con­di­ção de “ci­da­de pe­que­na” pa­ra não im­ple­men­tar me­di­das efi­ci­en­tes de con­tro­le em su­as es­tru­tu­ras ad­mi­nis­tra­ti­vas. “Mui­tas ve­zes a di­fi­cul­da­de é in­ten­ci­o­nal pa­ra que, quan­do hou­ver , di­ze­rem que não têm co­mo por ser pe­que­no”, con­ta Ba­tis­ti. “O pes­so­al usa is­so co­mo áli­bi.”

TEC­NO­LO­GIA

O pro­mo­tor do Ga­e­co em Lon­dri­na, Jor­ge Fer­nan­do Barreto da Cos­ta, diz acre­di­tar que os es­que­mas de cor­rup­ção en­gen­dra­dos nas ci­da­des me­no­res po­dem ser mo­ti­va­dos pe­la ideia de que nes­sas localidades as fis­ca­li­za­ções são mais flui­das e me­nos cons­tan­tes. “Po­de pa­re­cer mais fá­cil des­vi­ar di­nhei­ro pú­bli­co. Mas a ideia do Ga­e­co e do Ge­pa­tria é en­fren­tar es­sa si­tu­a­ção no­ti­ci­an­do fa­tos de­li­tu­o­sos co­me­ti­dos em ci­da­des me­no­res des­de que con­si­ga­mos com­pro­var e atu­ar pa­ra ces­sar a san­gria”, co­men­tou. “O avan­ço da in­for­má­ti­ca e da tec­no­lo­gia tam­bém per­mi­te uma fis­ca­li­za­ção mais ade­qua­da.”

(Co­la­bo­rou Ma­ri­an Tri­guei­ros/ Re­por­ta­gem Lo­cal) (Leia mais na pág.4)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.