SAÚ­DE

Trin­ta anos do SUS. Pa­ra eco­no­mis­ta Ed­son Araú­jo, sis­te­ma trou­xe avan­ços, mas pre­ci­sa trans­por di­fi­cul­da­des pa­ra me­lho­rar efi­ci­ên­cia

Folha de Londrina - - Primeira Página - Pe­dro Mo­ra­es Re­por­ta­gem Lo­cal

Otex­to da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de 1988 ga­ran­te: “Saú­de é di­rei­to de to­dos e de­ver do Es­ta­do”. Pa­ra aten­der a es­sa de­man­da foi cri­a­do o SUS (Sis­te­ma Úni­co de Saú­de) com a mis­são de ga­ran­tir o aces­so in­te­gral, uni­ver­sal e igua­li­tá­rio aos 200 mi­lhões de bra­si­lei­ros, des­de o sim­ples atendimento am­bu­la­to­ri­al ao mais com­ple­xo pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co co­mo um trans­plan­te de co­ra­ção. Na te­o­ria, os ci­da­dãos pas­sam a ter o aces­so à saú­de uni­ver­sal e gra­tui­ta, fi­nan­ci­a­da com re­cur­sos dos or­ça­men­tos da União, dos Es­ta­dos, do Dis­tri­to Fe­de­ral e dos Mu­ni­cí­pi­os, mas na prá­ti­ca a re­a­li­da­de sen­ti­da não é fá­cil. Lon­gas fi­las de es­pe­ra pa­ra aten­di­men­tos am­bu­la­to­ri­ais, su­per­lo­ta­ção e fal­ta de lei­tos são al­guns dos de­sa­fi­os en­con­tra­dos por to­do o país. Ao lon­go de seus 30 anos, o SUS trou­xe avan­ços, mas pre­ci­sa trans­por gran­des di­fi­cul­da­des pa­ra me­lho­rar sua efi­ci­ên­cia. Es­ta é a opi­nião do eco­no­mis­ta sê­ni­or do Ban­co Mundial Ed­son Araú­jo. Co­or­de­na­dor e prin­ci­pal au­tor dos es­tu­dos da ins­ti­tui­ção so­bre efi­ci­ên­cia e efi­cá­cia dos gas­tos pú­bli­cos em saú­de no Bra­sil, ele apon­ta que o SUS per­de anu­al­men­te R$ 22 bi­lhões com a ine­fi­ci­ên­cia dos gas­tos, além de apon­tar que exis­te uma bai­xa pro­du­ti­vi­da­de dos pro­fis­si­o­nais de saú­de no país. “A gen­te não po­de ter um SUS fo­ca­do nas clas­ses bai­xas co­mo é ho­je. Um SUS com es­sa mag­ni­tu­de só se sus­ten­ta aten­den­do tam­bém à clas­se mé­dia. E sem dú­vi­da tem que me­lho­rar o ser­vi­ço”, opi­na Araú­jo. Con­fi­ra a se­guir a en­tre­vis­ta do eco­no­mis­ta à FO­LHA.

É pos­sí­vel afir­mar que o SUS é,de fa­to,um sis­te­ma viá­vel?

Sem dú­vi­da. É um sis­te­ma que co­bre to­da a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, os 200 mi­lhões de ha­bi­tan­tes. O SUS ga­ran­te o aces­so à saú­de, co­mo a pro­te­ção fi­nan­cei­ra dos bra­si­lei­ros, es­pe­ci­al­men­te os mais po­bres. Is­so pro­va que ele é viá­vel. Exis­tem mui­tos gar­ga­los, mas é uma das po­lí­ti­cas que o Bra­sil con­se­guiu ter su­ces­so.

Há al­gum fa­to es­pe­cí­fi­co que com­pro­ve que nos­so sis­te­ma é bom?

O Bra­sil con­se­guiu me­lho­rar o aces­so à saú­de nos úl­ti­mos 30 anos. An­tes do SUS, a saú­de não era um di­rei­to do ci­da­dão. Se com­pa­rar a ou­tros paí­ses, é pos­sí­vel ver a efi­cá­cia. Nos EUA, nem to­da a po­pu­la­ção tem cobertura à saú­de. Já paí­ses mé­di­os em de­sen­vol­vi­men­to, co­mo a Chi­na e a Índia, ain­da não con­se­gui­ram es­ta­be­le­cer um sis­te­ma de saú­de es­tru­tu­ra­do co­mo o nos­so. Uma das coi­sas que mais se bus­ca com um sis­te­ma de saú­de é ga­ran­tir a pro­te­ção fi­nan­cei­ra das pes­so­as. A ideia é que elas não com­pro­me­tam a fi­nan­ça das fa­mí­li­as de for­ma a pre­ju­di­car o bem-es­tar ge­ral. Por ou­tro la­do, se ob­ser­var os da­dos de mor­ta­li­da­de ma­ter­na e mor­ta­li­da­de in­fan­til, se per­ce­be que as ta­xas me­lho­ra­ram ao lon­go dos anos. Is­so tam­bém tem a ver com uma me­lho­ria econô­mi­ca do país, mas sem dú­vi­da a mai­or par­te de­ve-se à am­pli­a­ção do aces­so à saú­de. O SUS é um sis­te­ma es­tru­tu­ra­do, bem cen­tra­li­za­do, mas co­mo uma boa co­or­de­na­ção en­tre os en­tes da fe­de­ra­ção.

Mes­mo as­sim não sa­em dos no­ti­ciá­ri­os, ima­gens de pa­ci­en­tes sem lei­tos, de su­per­lo­ta­ção em to­do o país. Ain­da há pro­ble­mas mui­to sé­ri­os no país.

Sem dú­vi­das há di­ver­sos pro­ble­mas. Tem su­per­lo­ta­ção e ine­fi­ci­ên­cia. A ges­tão do sis­te­ma de saú­de bra­si­lei­ro é um tan­to ama­do­ra e pre­ci­sa ama­du­re­cer, ape­sar­de­ter­me­lho­ra­do­mui­to.Uma das ques­tões fun­da­men­tais é o nú­me­ro de hos­pi­tais. Há mui­tos pe­que­nos, que for­mam um pa­ra­do­xo. Te­mos pou­cos lei­tos hos­pi­ta­la­res por ha­bi­tan­tes. Por ou­tro la­do, te­mos mais de 6000 hos­pi­tais pe­que­nos - até 80% de­les tem até 100 lei­tos. E pa­ra ter efi­ci­ên­cia e es­ca­la de atendimento, de­ve-se ter 250 lei­tos. To­do o mu­ni­cí­pio qu­er ter um hos­pi­tal pa­ra agradar à po­pu­la­ção, mas, às ve­zes, um in­ves­ti­men­to ra­ci­o­nal tal­vez fos­se em ou­tra área da saú­de. Há ain­da mui­tos pro­ble­mas na ges­tão de pes­so­al. Há um es­tu­do do Ban­co Mundial que mos­tra que o nú­me­ro de con­sul­tas po­de­ria ser aumentado em até cin­co ve­zes. O que sig­ni­fi­ca que a pro­du­ti­vi­da­de é bai­xa na área da saú­de. Exis­te tam­bém uma ne­ces­si­da­de de re­pen­sar o sis­te­ma de atendimento as­sis­ten­ci­al. As pes­so­as vão mui­to ao hos­pi­tal pa­ra re­sol­ver coi­sas que po­de­ri­am ser re­sol­vi­das na aten­ção pri­má­ria.

A saú­de pú­bli­ca é um de­sa­fio pa­ra to­dos os paí­ses. Nos­so sis­te­ma é ba­se­a­do no sis­te­ma in­glês, mas de al­gu­ma for­ma é pos­sí­vel ter co­mo re­fe­rên­cia ex­pe­ri­ên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais que aju­dem a me­lho­rar nos­sa re­a­li­da­de?

Uma coi­sa im­por­tan­te ao pen­sar que o Bra­sil se ins­pi­rou no mo­de­lo in­glês é pen­sar que a In­gla­ter­ra tem uma de­si­gual­da­de de ren­da mui­to mais bai­xa. O de­sa­fio no País é pen­sar em tra­zer to­das as clas­ses pa­ra o mes­mo sis­te­ma. É mais fá­cil no Rei­no Uni­do por­que lá for­ma uma so­ci­e­da­de mais ho­mo­gê­nea. Es­se é um dos de­sa­fi­os da gen­te. Pen­sar num sis­te­ma uni­ver­sal com o ta­ma­nho da de­si­gual­da­de que te­mos. O Bra­sil, na ver­da­de, de­ve­ria olhar pa­ra o pró­prio mo­de­lo in­glês. A gen­te se ins­pi­rou no ser­vi­ço de­les, uni­ver­sal e gra­tui­to, foi um avan­ço ter cobertura pa­ra to­dos, mas a gen­te es­que­ceu de al­gu­mas coi­sas. O sis­te­ma in­glês so­freu vá­ri­as re­for­mas des­de a dé­ca­da de 1940. Na In­gla­ter­ra, a aten­ção pri­má­ria é fei­ta por en­fer­mei­ros, às ve­zes o pa­ci­en­te nem vê o mé­di­co, se não for pre­ci­so. Ou­tra coi­sa é que no sis­te­ma in­glês são 7500 mé­di­cos de fa­mí­lia, ne­nhum de­les é fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co. No Bra­sil há mui­ta re­sis­tên­cia pa­ra mu­dar.

Os pro­fun­dos pro­ble­mas de sa­ne­a­men­to bá­si­co e edu­ca­ção do nos­so país di­fi­cul­tam ain­da mais a ges­tão de saú­de pú­bli­ca. Fal­ta in­te­gra­ção na bus­ca de so­lu­ções na saú­de pú­bli­ca bra­si­lei­ra?

Sem dú­vi­da. Sa­be­mos que há um de­fi­cit mui­to gran­de de sa­ne­a­men­to no Bra­sil, exis­tia um es­tu­do na Bahia, que nu­ma épo­ca se im­plan­tou um pro­je­to de sa­ne­a­men­to cha­ma­do Bahia Azul, que mos­tra­va que só as in­ter­ven­ções de sa­ne­a­men­to na ci­da­de di­mi­nuíam em 20% a mor­ta­li­da­de in­fan­til. Só daí é pos­sí­vel se ter uma ideia de quan­to o sa­ne­a­men­to po­de de­sa­fo­gar, ti­rar o pe­so do SUS. Sem dú­vi­da exis­te uma fal­ta de pen­sar de for­ma mul­tis­se­to­ri­al. Edu­ca­ção tam­bém é im­por­tan­tís­si­mo e sa­be­mos da di­fi­cul­da­de do se­tor no Bra­sil. Mas pen­sar na ges­tão da saú­de pú­bli­ca pas­sa por ou­tras áre­as co­mo a ta­xa­ção do ál­co­ol, do ci­gar­ro e das be­bi­das açu­ca­ra­das. Tu­do is­so não es­tá li­ga­do di­re­ta­men­te, mas cau­sa um im­pac­to na saú­de. Ou­tro dia ti­ve­mos um de­ba­te com o pre­si­den­te da Co­na­sems (Con­se­lho Na­ci­o­nal de Se­cre­ta­ri­as Mu­ni­ci­pais de Saú­de) e fa­la­mos dos in­cen­ti­vos fis­cais pa­ra a pro­du­ção de mo­to­ci­cle­tas. E ho­je um dos mai­o­res itens de gas­tos do SUS vai pa­ra o tra­ta­men­to de aci­den­tes de trân­si­to cau­sa­dos por mo­to­ci­cle­tas. Ho­je é ne­ces­sá­rio pen­sar a saú­de de for­ma mul­tis­se­to­ri­al. Tan­to quan­to a ques­tão de sa­ne­a­men­to, edu­ca­ção, co­mo ar­re­ca­da­men­to e qu­ais in­cen­ti­vos são de­le­té­ri­os pa­ra a saú­de da po­pu­la­ção e aca­bam so­bre­car­re­gan­do o SUS.

Há uma dis­cre­pân­cia mui­to gran­de en­tre mu­ni­cí­pi­os e es­ta­dos. Di­fi­cul­da­des de or­ça­men­to e as pró­pri­as idi­os­sin­cra­si­as lo­cais tor­nam os de­sa­fi­os di­fe­ren­tes pa­ra ca­da lo­cal. Co­mo equa­li­zar es­ses pon­tos de for­ma a man­ter o sis­te­ma mais ho­mo­gê­neo pos­sí­vel em to­do o país?

Is­so é uma das ques­tões cha­ves do SUS. Es­sa é a di­fi­cul­da­de de ter um sis­te­ma num país com tan­ta de­si­gual­da­de de ren­da e is­so se apli­ca com di­fe­ren­tes re­giões, es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. En­tão, uma das coi­sas que o SUS tem que ten­tar no fu­tu­ro é que os ges­to­res bus­quem por ino­va­ção. Al­guns mu­ni­cí­pi­os bus­cam fa­zer coi­sas di­fe­ren­tes. Flo­ri­a­nó­po­lis tem bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as na aten­ção pri­má­ria e São Pau­lo tem ex­pe­ri­ên­ci­as bo­as com as Or­ga­ni­za­ções So­ci­ais. Exis­te uma co­or­de­na­ção en­tre o go­ver­no cen­tral e os ní­veis es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais que é po­si­ti­va, mas is­so tam­bém cau­sa ri­gi­dez. A ino­va­ção den­tro do SUS ain­da é um pou­co res­tri­ta e mui­to re­la­ci­o­na­da à for­ma de fi­nan­ci­a­men­to, de for­ma rí­gi­da. A ques­tão de con­tra­ta­ção de pes­so­al é mui­to rí­gi­da. Por exem­plo, al­guns mu­ni­cí­pi­os não que­rem uti­li­zar a estratégia de Saú­de da Fa­mí­lia por­que de­ter­mi­na o nú­me­ro de equi­pes que ca­da uni­da­de tem de ter, por is­so es­tão vol­tan­do pa­ra a Uni­da­de Bá­si­ca de Saú­de, que é uma pou­co mais fle­xí­vel. Tem de ha­ver co­or­de­na­ção co­mo tam­bém es­pa­ço pa­ra os ges­to­res lo­cais ino­va­rem.

É pos­sí­vel di­zer que os pla­nos de saú­de ali­vi­am a pres­são so­bre o SUS? Por ou­tro la­do, o pró­prio re­gi­me da saú­de pri­va­da vem se mos­tran­do sob li­mi­te.

Sim e não. Mui­to tem se fa­la­do so­bre is­so nos úl­ti­mos anos. Sim por­que alivia os cui­da­dos am­bu­la­to­ri­ais, com con­sul­tas, com es­pe­ci­a­lis­tas e pro­ce­di­men­tos ele­ti­vos. Não por­que, quan­do olha­mos os nú­me­ros, mui­tas pes­so­as que têm pla­nos de saú­de fa­zem os pro­ce­di­men­tos ele­ti­vos e con­sul­tas, di­ag­nós­ti­co no se­tor pri­va­do, mas tão lo­go te­nham uma do­en­ça mais gra­ve e mais ca­ra de tra­tar, vol­tam pa­ra o SUS. De cer­ta for­ma não é pos­sí­vel sa­ber o nú­me­ro na pon­ta do lá­pis, mas exis­tem es­ses dois as­pec­tos. A ou­tra coi­sa é achar que a so­lu­ção é só pe­lo se­tor pri­va­do. A mai­o­ria das pes­so­as tem aces­so aos pla­nos de saú­de do Bra­sil atra­vés do em­pre­go. E a gen­te vê que as pró­pri­as em­pre­sas não con­se­guem man­ter os cus­tos que es­tão ca­da vez mai­o­res. Acho que tem que se pen­sar a lon­go prazo qu­al se­rá a si­tu­a­ção des­ses pla­nos em ter­mos de cus­tos. Ou­tro fa­tor a se le­var em con­si­de­ra­ção é que o go­ver­no bra­si­lei­ro já pro­vê o SUS, en­tão quem pa­ga o pla­no par­ti­cu­lar tem du­as co­ber­tu­ras. Por is­so, co­mo já exis­te a cobertura pú­bli­ca, in­cen­ti­vos fis­cais de ren­da das pes­so­as e das em­pre­sas com se­gu­ro saú­de de­ve­ri­am ser abo­li­dos. Ho­je o go­ver­no dá R$ 32 bi­lhões de in­cen­ti­vos fis­cais de saú­de, gran­de par­te dis­so pa­ra pla­nos de saú­de pri­va­dos. Es­ses re­cur­sos po­de­ri­am for­ta­le­cer o sis­te­ma, me­lho­ran­do a qua­li­da­de e atrair mais a clas­se mé­dia pa­ra o sis­te­ma de saú­de pú­bli­co.

A ges­tão do sis­te­ma de saú­de bra­si­lei­ro é um tan­to ama­do­ra e pre­ci­sa ama­du­re­cer”

Qu­al é o prin­ci­pal de­sa­fio do pró­xi­mo pre­si­den­te na ad­mi­nis­tra­ção da saú­de pú­bli­ca in­te­gral, uni­ver­sal e igua­li­tá­ria con­for­me pre­nun­cia a Cons­ti­tui­ção?

O prin­ci­pal de­sa­fio é a efi­ci­ên­cia do gas­to com saú­de. Dis­cu­te­se mui­to se o Bra­sil gas­ta o su­fi­ci­en­te com saú­de pú­bli­ca. Um es­tu­do mos­tra que exis­te es­co­po pa­ra me­lho­rar a efi­ci­ên­cia. Se cal­cu­lou que se per­de R$ 22 bi­lhões ao ano por cau­sa da ine­fi­ci­ên­cia. Es­ses re­cur­sos po­de­ri­am au­men­tar o nú­me­ro de con­sul­tas, me­lho­rar a aten­ção pri­má­ria, ou se­ja, mui­to mais po­de­ria ser fei­to com o que já exis­te. E efi­ci­ên­cia tam­bém es­tá li­ga­do ao aces­so, ao fim das fi­las e dos hos­pi­tais su­per­lo­ta­dos. E tem pe­lo me­nos três áre­as pa­ra se me­lho­rar a efi­ci­ên­cia. A pri­mei­ra é a re­for­ma do se­tor hos­pi­ta­lar. O Bra­sil tem pou­cos lei­tos por ha­bi­tan­tes, mas mui­tos hos­pi­tais. Hos­pi­tal pe­que­no, além de ser me­nos efi­ci­en­te, tam­bém ma­ta mais. A ta­xa de mor­ta­li­da­de de hos­pi­tais com me­nos pro­ce­di­men­tos é mui­to mai­or do que em hos­pi­tais com gran­de vo­lu­me de pro­ce­di­men­tos. A se­gun­da é que exis­te uma ne­ces­si­da­de mui­to gran­de de re­pen­sar a po­lí­ti­ca de re­cur­sos hu­ma­nos. Não é pre­ci­so que mé­di­cos e en­fer­mei­ros se­jam to­dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. Há ou­tros ar­ran­jos pa­ra con­tra­ta­ção. E há uma ne­ces­si­da­de gran­de de au­men­tar a pro­du­ti­vi­da­de den­tro do am­bi­en­te mé­di­co. Os mé­di­cos ain­da ga­nham até 40% a mais, em mé­dia, que os pro­fis­si­o­nais mais ri­cos do país. Exis­tem gar­ga­los na pro­du­ti­vi­da­de. Em ter­cei­ro lu­gar, o gran­de de­sa­fio tem a ver com a sus­ten­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma, que é a in­clu­são da clas­se mé­dia. A gen­te não po­de ter um SUS fo­ca­do nas clas­ses bai­xas co­mo é ho­je. Um SUS com es­sa mag­ni­tu­de só se sus­ten­ta aten­den­do tam­bém à clas­se mé­dia. E sem dú­vi­da tem que me­lho­rar o ser­vi­ço.

An­tes do SUS, a saú­de não era um di­rei­to do ci­da­dão. Se com­pa­rar a ou­tros paí­ses, é pos­sí­vel ver a efi­cá­cia”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.