IN­GRE­DI­EN­TES EXÓTICOS

Folha de Londrina - - Mais - (E.G.)

For­mi­ga, bo­che­cha de por­co, grilo. Em­bo­ra já em sua raiz a cu­li­ná­ria bra­si­lei­ra pos­sa ser bas­tan­te exó­ti­ca, vol­ta e meia al­gum chef re­sol­ve de­sa­fi­ar li­mi­tes e cri­ar pra­tos com in­gre­di­en­tes um tan­to quan­to cri­a­ti­vos e por que não di­zer, con­tro­ver­sos. Se­ria cri­a­ti­vi­da­de de­mais?

“O li­mi­te da cri­a­ti­vi­da­de na gas­tro­no­mia é o ou­tro. Vo­cê vai co­zi­nhar pa­ra al­guém. Acre­di­to que de­pen­de da pro­pos­ta e nes­ses ca­sos o chef se tor­na mais im­por­tan­te do que o pra­to. Acre­di­to, en­tre­tan­to, que is­so é mo­da e já es­tá pas­san­do”, diz Mar­ce­lo So­ko­lows­ki, pro­fes­sor do cur­so de Gas­tro­no­mia da Uno­par.

O chef ex­pli­ca que quan­do se tra­ba­lha nos res­tau­ran­tes de ho­téis, por exem­plo, a cri­a­ti­vi­da­de tem li­mi­tes, já que ge­ral­men­te o que apa­re­ce­rá em des­ta­que é o no­me do lo­cal e não o do chef, ain­da que is­so pos­sa ocor­rer por um curto es­pa­ço de tem­po. Nes­ses lo­cais a re­cei­ta ten­de a ser man­ti­da, até por­que ou­tros chefs po­dem vir e o sa­bor dos pra­tos de­ve per­ma­ne­cer se­me­lhan­te.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.