Re­gu­la­ri­za­ção Fun­diá­ria: es­pé­ci­es e le­gi­ti­ma­dos (par­te 02)

Folha de Londrina - - Classificados - RENATA CALHEIROS ZARELLI.

De acor­do com a Lei nº 13.465/2017 e o De­cre­to nº 9.310/2018, a re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria é clas­si­fi­ca­da em Reurb-S e Reurb-E, de acor­do com a con­di­ção fi­nan­cei­ra dos seus ocu­pan­tes, que se­rão es­cla­re­ci­das na sequên­cia.

A Reurb - S (Re­gu­la­ri­za­ção Fun­diá­ria de In­te­res­se So­ci­al) é apli­cá­vel aos nú­cle­os ur­ba­nos in­for­mais ocu­pa­dos pre­do­mi­nan­te­men­te por po­pu­la­ção de bai­xa ren­da, as­sim de­cla­ra­dos em ato do Po­der Exe­cu­ti­vo Mu­ni­ci­pal, por meio do Pla­no Di­re­tor ou por De­cre­to es­pe­cí­fi­co.

Já a Reurb - E (Re­gu­la­ri­za­ção Fun­diá­ria de In­te­res­se Es­pe­cí­fi­co) é des­ti­na­da aos nú­cle­os ur­ba­nos in­for­mais ocu­pa­dos por po­pu­la­ção não qua­li­fi­ca­da co­mo de bai­xa ren­da. São aque­las pes­so­as que pos­su­em me­lho­res con­di­ções financeiras, mas que não pos­su­em um imó­vel ju­ri­di­ca­men­te re­gu­la­ri­za­do.

A clas­si­fi­ca­ção aci­ma vi­sa a iden­ti­fi­ca­ção dos res­pon­sá­veis pe­la im­plan­ta­ção ou ade­qua­ção das obras de in­fra­es­tru­tu­ra es­sen­ci­al. As­sim, no ca­so da Reurb-S, se­rá o Po­der Pú­bli­co com­pe­ten­te, di­re­ta­men­te ou por meio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca In­di­re­ta, res­pon­sá­vel por im­plan­tar a in­fra­es­tru­tu­ra es­sen­ci­al, os equi­pa­men­tos co­mu­ni­tá­ri­os e as me­lho­ri­as ha­bi­ta­ci­o­nais pre­vis­tas nos pro­je­tos de re­gu­la­ri­za­ção, as­sim co­mo ar­car com os ônus de sua ma­nu­ten­ção.

Por sua vez, no ca­so da Reurb-E, os mu­ni­cí­pi­os de­ve­rão de­fi­nir, por oca­sião da apro­va­ção dos pro­je­tos de re­gu­la­ri­za­ção fun­diá­ria de in­te­res­se es­pe­cí­fi­co, os res­pon­sá­veis pe­la im­plan­ta­ção dos sis­te­mas viá­ri­os, da in­fra­es­tru­tu­ra es­sen­ci­al e dos equi­pa­men­tos pú­bli­cos ou co­mu­ni­tá­ri­os, quan­do for o ca­so; me­di­das de mi­ti­ga­ção e com­pen­sa­ção ur­ba­nís­ti­ca e am­bi­en­tal, e dos es­tu­dos téc­ni­cos; sis­te­mas de abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel; do es­go­ta­men­to sa­ni­tá­rio; da ener­gia elé­tri­ca; so­lu­ções de dre­na­gem e ou­tros equi­pa­men­tos.

Pa­ra re­que­rer a Re­gu­la­ri­za­ção Fun­diá­ria, são ap­tos a plei­te­ar jun­to ao Mu­ni­cí­pio: a) En­tes fe­de­ra­ti­vos, di­re­ta­men­te ou por meio de en­ti­da­des da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca in­di­re­ta; b) os seus be­ne­fi­ciá­ri­os, in­di­vi­du­al ou co­le­ti­va­men­te, di­re­ta­men­te ou por meio de co­o­pe­ra­ti­vas ha­bi­ta­ci­o­nais, as­so­ci­a­ções, fun­da­ções, or­ga­ni­za­ções so­ci­ais, or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil de in­te­res­se pú­bli­co ou ou­tras as­so­ci­a­ções ci­vil que te­nham por fi­na­li­da­de es­pe­cí­fi­ca; c) os pro­pri­e­tá­ri­os de imó­veis ou de ter­re­nos, lo­te­a­do­res ou in­cor­po­ra­do­res; d) a De­fen­so­ria Pú­bli­ca, em no­me dos be­ne­fi­ciá­ri­os hi­pos­su­fi­ci­en­tes; e e) o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

Na pró­xi­ma e úl­ti­ma par­te, se­rá abor­da­do o pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo de Re­gu­la­ri­za­ção Fun­diá­ria, con­for­me es­ta­be­le­ci­do em lei.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.