Au­xí­lio cria bo­lha de con­su­mo no Nor­te e Nor­des­te

Be­ne­fí­cio ge­ra re­to­ma­da he­te­ro­gê­nea em ter­mos se­to­ri­ais e re­gi­o­nais; re­du­ção de aju­da afe­ta­rá ta­xa de de­so­cu­pa­ção

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Di­e­go Gar­cia

Da­dos re­cen­tes da eco­no­mia bra­si­lei­ra mos­tram re­to­ma­da he­te­ro­gê­nea não só em ter­mos se­to­ri­ais, mas tam­bém re­gi­o­nais. Em par­ti­cu­lar, os efei­tos do au­xí­lio emer­gen­ci­al na re­cu­pe­ra­ção do Nor­te e do Nor­des­te.

O be­ne­fí­cio in­flou a eco­no­mia des­sas re­giões em meio à pan­de­mia, prin­ci­pal­men­te após a fle­xi­bi­li­za­ção das me­di­das de iso­la­men­to so­ci­al.

Em 15 dos 16 es­ta­dos, por exem­plo, o co­mér­cio ex­plo­diu e já ul­tra­pas­sou com so­bras o ní­vel pré-qua­ren­te­na.

Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­la Fo­lha, a aju­da es­quen­tou o cres­ci­men­to do va­re­jo, que te­ve al­ta em agos­to in­flu­en­ci­a­da por se­to­res co­mo te­ci­dos, ves­tuá­ri­os e cal­ça­dos, ar­ti­gos de uso pes­so­al e do­més­ti­co, mó­veis e ele­tro­do­més­ti­cos.

De acor­do com o IBGE, o cres­ci­men­to nas ven­das po­de ser con­sequên­cia da ren­da ex­tra de R$ 600. O se­tor de ser­vi­ços, por ou­tro la­do, pe­na pa­ra re­to­mar o pa­ta­mar de an­tes da cri­se.

A re­du­ção do au­xí­lio pa­ra R$ 300 traz uma ten­dên­cia de con­ter o avan­ço e ain­da pres­si­o­nar a ta­xa de de­so­cu­pa­ção, que é mui­to mai­or nes­ses lo­cais.

Ain­da em meio à pan­de­mia da Co­vid-19, os da­dos mais re­cen­tes da eco­no­mia bra­si­lei­ra mos­tram uma re­to­ma­da he­te­ro­gê­nea não só em ter­mos se­to­ri­ais, mas tam­bém re­gi­o­nais —com des­ta­que pa­ra os efei­tos do au­xí­lio emer­gen­ci­al na re­cu­pe­ra­ção do Nor­te e do Nor­des­te.

Na ava­li­a­ção de eco­no­mis­tas ou­vi­dos pe­la Fo­lha, são cla­ros os si­nais de que o au­xí­lio in­flou a eco­no­mia des­sas re­giões na pan­de­mia, prin­ci­pal­men­te o co­mér­cio, à me­di­da em que ocor­ria a fle­xi­bi­li­za­ção das me­di­das de iso­la­men­to so­ci­al.

O IBGE mos­tra, por exem­plo, que em 15 dos 16 es­ta­dos do Nor­te e Nor­des­te o co­mér­cio ex­plo­diu ejá ul­tra­pas­sou com so­bras o ní­vel pré-pan­de­mia.

O eco­no­mis­ta Thi­a­go Mo­ra­es Mo­rei­ra, con­sul­tor em pla­ne­ja­men­to e pro­fes­sor da pós­gra­du­a­ção do Ib­mec, des­ta­ca que, de­sa­gre­gan­do o país em dois sub­gru­pos, é pos­sí­vel ver que a ex­pan­são do co­mér­cio va­re­jis­ta, de abril a agos­to, foi de 51% no con­so­li­da­do Nor­te e Nor­des­te, mas no Cen­troSul-Su­des­te foi de 27%.

À ex­ce­ção da Bahia, os es­ta­dos nor­des­ti­nos com in­dús­tria pes­qui­sa­da pe­la IBGE tam­bém re­gis­tra­ram cres­ci­men­to em meio à pan­de­mia. O Ama­zo­nas já re­cu­pe­rou, com so­bras, as per­das do pe­río­do. O mes­mo ocor­reu com Pa­rá, Ce­a­rá e Per­nam­bu­co.

Nos de­mais es­ta­dos do país, re­to­ma­da se­me­lhan­te só foi vis­ta em Mi­nas Ge­rais e Goiás.

O se­tor de ser­vi­ços, por ou­tro la­do, se­gue pe­nan­do pa­ra re­to­mar o ní­vel pré-cri­se, as­so­la­do pe­la di­fi­cul­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos às fa­mí­li­as. A au­sên­cia de uma va­ci­na pa­ra Co­vid-19 ain­da li­mi­ta o des­lo­ca­men­to das pes­so­as pa­ra ba­res, res­tau­ran­tes, ho­téis e vi­a­gens de tu­ris­mo.

Em to­do o país, ape­nas o Ama­zo­nas re­cu­pe­rou o pa­ta­mar vis­to an­tes da pan­de­mia. O es­ta­do ha­via si­do um dos pri­mei­ros a so­frer com o co­ro­na­ví­rus, com re­cor­de de mor­tes e che­gan­do a ser um dos epi­cen­tros no país, com mai­or ta­xa de in­ci­dên­cia da do­en­ça.

O pro­fes­sor de eco­no­mia Luiz Ro­ber­to Co­e­lho, da Ufam (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Ama­zo­nas), afir­ma que o au­xí­lio emer­gen­ci­al foi es­sen­ci­al nas re­giões Nor­te e Nor­des­te pa­ra ga­ran­tir o bá­si­co pa­ra as fa­mí­li­as que não ti­nham tra­ba­lho cer­to e fi­ca­ram sem op­ção de ga­nhos no pi­co do iso­la­men­to so­ci­al.

“Com o di­nhei­ro na mão, as pes­so­as pa­gam as con­tas e re­cu­pe­ram o con­su­mo, prin­ci­pal­men­te de ali­men­tos”, diz.

Mas R$ 600 po­de ser um va­lor al­to pa­ra o bai­xo pa­drão de vi­da vis­to em mui­tas des­sas re­giões. Mo­rei­ra, do Ib­mec, lem­bra que a Sín­te­se de In­di­ca­do­res So­ci­ais do IBGE, de 2018, mos­tra­va que 41% da po­pu­la­ção da re­gião Nor­te vi­via com me­nos de R$ 420 por mês. No Nor­des­te, es­sa fa­tia re­pre­sen­ta­va 44% da po­pu­la­ção.

No res­tan­te do país, não pas­sa­vam de 16% os que es­ta­vam nes­sa fai­xa de ren­da.

A Ten­dên­ci­as Con­sul­to­ria apon­ta que o au­xí­lio te­ve um gran­de im­pac­to nes­sas ca­ma­das mais po­bres. Fez amas­sa de ren­di­men­tos dos nor­tis­tas e nor­des­ti­nos cres­cer em rit­mo bem mais ace­le­ra­do do que em ou­tras re­giões. A es­ti­ma­ti­va é que a al­ta se­ja de 16,7% no Nor­te e 13,6% no Nor­des­te, cain­do pa­ra 2,1% no Sul, 2% no Cen­tro-Oes­te e 1,8% no Su­des­te.

“Amas­sa de ren­da to­tal (con­si­de­ran­do ren­da do tra­ba­lho, Pre­vi­dên­cia, trans­fe­rên­ci­as e ou­tras ren­das) des­sas re­giões Nor­te e Nor­des­te de­ve cres­cer dois dí­gi­tos es­te ano co­ma in­je­ção dos re­cur­sos do au­xí­lio, mais que com­pen­san­do a per­da da mas­sa de ren­da do tra­ba­lho”, ob­ser­va Ca­mi­la Sai­to, eco­no­mis­ta da Ten­dên­ci­as.

De acor­do com o IBGE, es­sa ren­da ex­tra pro­vi­da pe­lo au­xí­lio de R$ 600 po­de ter con­tri­buí­do pa­ra o cres­ci­men­to das ven­das no co­mér­cio. Nes­se ca­so, par­te do be­ne­fí­cio te­ria aju­da­do as fa­mí­li­as aban­ca­ra com­pra de uten­sí­li­os do­més­ti­cos e are no­va­ção da in­fra es­tru­tu­ra­da ca­sa com pe­que­na­so­bras, por exem­plo.

Aper­cep­çãoé­ref or­ça­da quan­do se cru­zam da­dos de li­be­ra­ção do be­ne­fí­cio e de­sem­pe­nho da eco­no­mia lo­cal.

No Ama­pá, es­ta­do que per­cen­tu­al­men­te foi o mais be­ne­fi­ci­a­do pe­lo au­xí­lio emer­gen­ci­al, 71,4% dos do­mi­cí­li­os re­ce­be­ram o be­ne­fí­cio em agos­to. Nes­te mes­mo mês, o va­re­jo lo­cal te­ve um de­sem­pe­nho re­cor­de. As ven­das fi­ca­ram 44% aci­ma do de­mons­tra­do em fe­ve­rei­ro, úl­ti­mo mês an­tes da pan­de­mia le­var o país ao dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al.

No Ma­ra­nhão, se­gun­do es­ta­do com mai­or ade­são per­cen­tu­al ao au­xí­lio, com 65,5% dos do­mi­cí­li­os ca­das­tra­dos, o co­mér­cio cres­ceu 26,7% en­tre fe­ve­rei­ro e agos­to, mes­mo di­an­te da que­da ini­ci­al de mar­ço e abril, com o fe­cha­men­to de lo­jas, ba­res e res­tau­ran­tes.

O Pa­rá, ter­cei­ro mais be­ne­fi­ci­a­do —64,5% das re­si­dên­ci­as con­ta­ram com o be­ne­fí­cio—, viu o se­tor de va­re­jo su­pe­rar as per­das na pan­de­mia em 18%.

O pro­fes­sor de eco­no­mia Écio Cos­ta, da UFPE (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Per­nam­bu­co), es­tu­dou o efei­to do au­xí­lio emer­gen­ci­al e iden­ti­fi­cou re­sul­ta­dos im­pres­si­o­nan­tes. Al­gu­mas fa­mí­li­as que ti­nham ren­da mui­to bai­xa pas­sa­ram a re­ce­ber até R$ 1,8 mil com o be­ne­fí­cio, já que a mu­lher se de­cla­ra­va che­fe da ca­sa e ain­da ti­nha al­gum par­cei­ro, que tam­bém re­ce­bia os R$ 600.

De uma ho­ra pa­ra ou­tra, is­so pos­si­bi­li­tou a com­pra de ali­men­tos, itens de hi­gi­e­ne pes­so­al e ma­te­ri­al de cons­tru­ção ci­vil, an­tes ina­ces­sí­veis, com im­pac­tos im­por­tan­tes na eco­no­mia de vá­ri­as ci­da­des.

Cos­ta ci­ta co­mo exem­plo San­ta­rém No­vo, no Pa­rá.

“O do­no de um açou­gue da ci­da­de abriu uma far­má­cia, pois ga­nhou mui­to di­nhei­ro ven­den­do car­ne às fa­mí­li­as que não con­su­mi­am car­ne bo­vi­na an­tes. Mui­tas das ha­bi­ta­ções mais hu­mil­des do mu­ni­cí­pio pas­sa­ram por re­for­mas. Tu­do is­so fru­to do au­xí­lio”, afir­ma.

Ape­sar de re­co­nhe­cer os be­ne­fí­ci­os so­ci­ais do pro­gra­ma, Ot­to No­ga­mi, eco­no­mis­ta do Ins­per, per­gun­ta se não hou­ve pro­ble­mas no de­se­nho do au­xí­lio, uma vez ele que ge­rou ar­ti­fi­ci­a­lis­mos na eco­no­mia.

“Exis­te uma ques­tão dis­cu­tí­vel: o au­xí­lio foi cri­a­do pa­ra au­xi­li­ar pes­so­as sem ren­da”, afir­ma. “Mas aca­ba­mos per­ce­ben­do que um gran­de nú­me­ro de be­ne­fi­ci­a­dos usou o re­cur­so pa­ra re­for­mar ca­sa, tro­car ele­trô­ni­cos, e as­sim por di­an­te —e es­se mo­vi­men­to fez com que o co­mér­cio se re­cu­pe­ras­se mais for­te em al­guns lu­ga­res on­de es­se mo­vi­men­to po­de não per­sis­tir”, afir­ma.

Os lí­de­res em de­sem­pre­go do Bra­sil, por exem­plo, são Bahia e Ser­gi­pe, com 19,9% e 19,8% de de­so­cu­pa­dos. Em am­bos os es­ta­dos, o va­re­jo já re­cu­pe­rou o ní­vel pré-cri­se.

Pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, o qua­dro de for­te re­cu­pe­ra­ção ten­de a mu­dar com a re­du­ção do au­xí­lio pa­ra R$ 300, va­lor que pas­sou a va­ler no fi­nal de se­tem­bro. O pri­mei­ro si­nal apa­re­ceu na ta­xa de de­so­cu­pa­ção.

O nú­me­ro de bra­si­lei­ros em bus­ca de uma va­ga au­men­tou em 700 mil en­tre a ter­cei­ra e quar­ta se­ma­nas de se­tem­bro, to­ta­li­zan­do 14 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos. O cres­ci­men­to foi pu­xa­do, prin­ci­pal­men­te, pe­lo Nor­te e Nor­des­te.

Os da­dos são da Pnad Co­vid e fo­ram di­vul­ga­dos nes­ta sex­ta (16). So­ma­das as ta­xas, hou­ve uma al­ta de 12,3% no con­tin­gen­te de de­sem­pre­ga­dos nes­sas re­giões —qua­se se­te ve­zes o ob­ser­va­do no Sul, Su­des­te e Cen­tro-Oes­te. No con­jun­to, es­sas três re­giões re­gis­tra­ram uma al­ta de 1,8% no nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos.

Em 2021, com o fim dos re­pas­ses, es­sas re­giões de­ve­rão so­frer com uma que­da im­por­tan­te da mas­sa de ren­da to­tal.

“Mes­mo con­si­de­ran­do uma Ren­da Ci­da­dã, es­tas re­giões de­vem so­frer mais pa­ra re­to­mar a mas­sa de ren­da do tra­ba­lho, tam­bém por con­ta do con­ge­la­men­to do sa­lá­rio dos ser­vi­do­res pú­bli­cos, ten­do em vis­ta que a par­ti­ci­pa­ção do fun­ci­o­na­lis­mo na mas­sa de ren­da do tra­ba­lho nes­tas re­giões é mai­or que a mé­dia na­ci­o­nal,” diz Sai­to.

De acor­do com a con­sul­to­ria, os bra­si­lei­ros de­vem fe­char 2020 com a mas­sa de ren­di­men­tos em al­ta de 4,5%, mas 2021 de­ve ser um ano de “res­sa­ca” com o fim dos re­pas­ses emer­gen­ci­ais, le­van­do a uma que­da de 4,3% do in­di­ca­dor.

Se­gun­do o pro­fes­sor Ro­ber­to Lo­pes, da UESB (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al do Su­do­es­te da Bahia), o au­men­to do de­sem­pre­go no Nor­des­te re­fle­te, em par­te, o fim da co­lhei­ta de al­guns pro­du­tos, mas tam­bém uma per­da de di­na­mis­mo com a re­du­ção do au­xí­lio.

“Os mais po­bres têm pro­pen­são a gas­tar no co­mér­cio lo­cal. Uma gran­de fa­tia des­ses re­cur­sos fo­ram pa­ra pro­du­tos re­gi­o­nais, que aju­dam na ca­deia de pro­du­ção lo­cal.”

A Ele­tros, en­ti­da­de que re­pre­sen­ta os fa­bri­can­tes de ele­tro­do­més­ti­cos, de­fen­de a con­ti­nui­da­de do au­xí­lio emer­gen­ci­al em 2021 pa­ra evi­tar o que con­si­de­ra um pre­vi­sí­vel ba­que econô­mi­co e so­ci­al.

“A cri­se sa­ni­tá­ria e econô­mi­ca não aca­ba em 31 de de­zem­bro”, afir­ma Jo­sé Jor­ge do Nas­ci­men­to Ju­ni­or, pre­si­den­te da Ele­tros. “Va­mos con­ti­nu­ar, in­fe­liz­men­te, com o ví­rus cir­cu­lan­do pe­las ci­da­des, com mui­tos ca­sos ain­da e ris­co de uma se­gun­da on­da, co­mo já acon­te­ce na Eu­ro­pa.”

Mo­rei­ra, do Ib­mec, re­for­ça que o go­ver­no pre­ci­sa pen­sar em al­ter­na­ti­vas pa­ra evi­tar que o fim do au­xí­lio apro­fun­de as de­si­gual­da­des . “Re­giões mais po­bres vão so­frer ”, afir­ma.

Ob­ser­van­do o que ocor­re no ex­tre­mo opos­to do ran­king de li­be­ra­ção do au­xí­lio, é pos­sí­vel per­ce­ber o ou tro­la­do da re­cu­pe­ra­ção de­si­gua­le seus ris­cos. Santa Catarina, que me­nos be­ne­fí­ci­os re­ce­be uno país, vi­ve uma re­to­ma­da gra­du­al e sus­ten­ta­da por pre­mis­sas so­ci­ais mais van­ta­jo­sas.

No es­ta­do, 90,5% dos em­pre­ga­dos do se­tor pri­va­do têmc ar­tei­ra as­si­na­da e a ta­xa de in­for­ma li­da deéa­men or­do país, de 25,8%. No se­gun­do tri­mes­tre, apre­sen­ta­va tam­bém a me­nor ta­xa de de­sem­pre­go do Bra­sil: de 6,9%, cer­ca de me­ta­de da mé­dia na­ci­o­nal, en­tão em 13,3%.

As ven­das do va­re­jo es­ta­vam em agos­to 16% aci­ma do ní­vel de fe­ve­rei­ro, o do­bro da mé­dia na­ci­o­nal, e a in­dús­tria es­ta­va 9% aci­ma. Ape­nas os ser­vi­ços ain­da fi­ca­ram 16% abai­xo do ní­vel pré-cri­se. Mas Pau­lo Zol­dan, eco­no­mis­ta da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do do De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co Sus­ten­tá­vel, tra­ça um ce­ná­rio po­si­ti­vo.

“Os ho­téis já es­tão com bom ní­vel de re­ser­va, is­so de­ve dar uma azei­ta­da no co­mér­cio e no se­tor de hos­pe­da­gem e ali­men­ta­ção, que são os mais afe­ta­dos na con­ta de ser­vi­ços.”.

ZôGui­ma­rães/Fo­lha­press

Es­ca­da­ria do edi­fí­cio A Noi­te, no cen­tro do Rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.