Ne­gros po­dem dar vi­tó­ria a Bi­den em ‘feu­do’ re­pu­bli­ca­no

Geór­gia vi­ra are­na sim­bó­li­ca do pe­so que a ques­tão ra­ci­al te­rá nas elei­ções en­tre Bi­den e Trump

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ma­ri­na Di­as

Joe Bi­den apos­ta no efei­to da re­tó­ri­ca ra­cis­ta e di­vi­si­va de Do­nald Trump pa­ra mo­ti­var elei­to­res ne­gros e ven­cer na Geór­gia, que há 28 anos não ele­ge um de­mo­cra­ta à Ca­sa Bran­ca —32% da po­pu­la­ção lo­cal é ne­gra. Es­ta­do vi­ra are­na sim­bó­li­ca da ques­tão ra­ci­al no plei­to.

Do­min­go cos­tu­ma vo­tar em re­pu­bli­ca­nos. De­fen­de idei­as con­ser­va­do­ras e é cé­ti­co quan­to a po­lí­ti­cas pú­bli­cas mais in­clu­si­vas. A ex­ce­ção foi Ba­rack Oba­ma. Em 2008 e 2012, o mo­to­ris­ta ho­je com 46 anos vo­tou em um ho­mem ne­gro, as­sim co­mo ele, la­de­a­do por pro­pos­tas que con­si­de­ra­va re­a­lis­tas em um país tão de­si­gual co­mo os Es­ta­dos Uni­dos.

Em 2016, im­pul­si­o­na­do pe­lo dis­cur­so em de­fe­sa da am­pli­a­ção do di­rei­to à pos­se de ar­mas, pre­fe­riu o re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump, mas ago­ra se diz de­cep­ci­o­na­do. “Ao mes­mo tem­po em que fez coi­sas cer­tas e apli­cou po­lí­ti­cas com as quais con­cor­do, Trump to­mou vá­ri­as me­di­das hor­rí­veis pa­ra di­vi­dir o país”, afir­ma.

“As pa­la­vras têm po­der, e o pre­si­den­te não per­ce­be que elas são co­mo ba­las: de­pois que vo­cê ati­ra, não tem co­mo pe­gá-las de vol­ta.”

Mo­ra­dor de Atlan­ta, ca­pi­tal da Geór­gia, Do­min­go não apro­va a con­du­ção agres­si­va do pre­si­den­te di­an­te dos pro­tes­tos an­tir­ra­cis­mo que to­ma­ram o país des­de o as­sas­si­na­to de Ge­or­ge Floyd, em maio.

Ele lem­bra que o re­pu­bli­ca­no cha­mou ma­ni­fes­tan­tes de “ban­di­dos”, “vân­da­los” e “ani­mais” e de­fen­deu a re­pres­são vi­o­len­ta de atos pa­cí­fi­cos. “O es­tra­go cau­sa­do pe­lo dis­cur­so de Trump foi sig­ni­fi­ca­ti­vo.”

Lí­der nas pes­qui­sas na­ci­o­nais de in­ten­ção de vo­to, Joe Bi­den apos­ta no im­pac­to da re­tó­ri­ca ra­cis­ta e di­vi­si­o­nis­ta de Trump pa­ra mo­ti­var elei­to­res ne­gros, co­mo Do­min­go, e ven­cer na Geór­gia, es­ta­do que há 28 anos não ele­ge um de­mo­cra­ta pa­ra a Ca­sa Bran­ca.

Com 10,6 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, 32,6% dos quais ne­gros, a Geór­gia vi­rou um dos prin­ci­pais cam­pos de ba­ta­lha en­tre Trump e Bi­den, uma are­na sim­bó­li­ca do pe­so que a ques­tão ra­ci­al tem na dis­pu­ta elei­to­ral des­te ano.

Em 2016, o re­pu­bli­ca­no ven­ceu Hil­lary Clin­ton por cin­co pon­tos per­cen­tu­ais no es­ta­do, an­co­ra­do nos elei­to­res bran­cos es­pa­lha­dos pe­lo nor­te e sul da re­gião. A de­mo­cra­ta, por sua vez, ga­nhou nas gran­des ci­da­des e seus su­búr­bi­os, co­mo Atlan­ta, lu­ga­res que es­tão ca­da vez mais di­ver­sos e me­nos con­ser­va­do­res.

O re­sul­ta­do nes­te re­du­to tra­di­ci­o­nal­men­te re­pu­bli­ca­no sur­pre­en­deu de­mo­cra­tas, mas o com­pa­re­ci­men­to de elei­to­res ne­gros às ur­nas —que não se mo­ti­va­ram a vo­tar em Hil­lary há qu­a­tro anos, já que o vo­to não é obri­ga­tó­rio nos Es­ta­dos Uni­dos— fi­cou bem aquém do es­pe­ra­do.

Em 2016, o vo­to dos ne­gros na Geór­gia caiu 8,5% an­te 2012, quan­do Oba­ma era o can­di­da­to. Mas há dois anos a de­mo­cra­ta Sta­cey Abrams per­deu o go­ver­no do es­ta­do por ape­nas 1,4 pon­to per­cen­tu­al, na dis­pu­ta mais acir­ra­da em 24 anos, e o par­ti­do de Bi­den re­no­vou as es­pe­ran­ças na re­gião.

Ho­je a cor­ri­da na Geór­gia —com seus 16 vo­tos no Co­lé­gio Elei­to­ral— é uma das mais com­pe­ti­ti­vas do país. Se­gun­do o si­te Fi­ve Thirty Eight, que com­pi­la as prin­ci­pais pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to nos EUA, Bi­den tem 47,8% an­te 46,6% de Trump no es­ta­do.

Pa­ra con­so­li­dar a di­an­tei­ra, o de­mo­cra­ta pre­ci­sa mo­bi­li­zar elei­to­res ne­gros e jo­vens em nú­me­ro mai­or do que Hil­lary con­se­guiu em 2016, prin­ci­pal­men­te na re­gião me­tro­po­li­ta­na de Atlan­ta —que re­pre­sen­ta qua­se me­ta­de dos vo­tos do es­ta­do e tem se di­ver­si­fi­ca­do ao re­ce­ber imi­gran­tes e ame­ri­ca­nos mais pro­gres­sis­tas.

Bi­den tem que atu­ar em du­as fren­tes: cris­ta­li­zar a van­ta­gem nos con­da­dos ao re­dor da ca­pi­tal, em que Hil­lary ven­ceu com 70% ou 80%, co­mo em DeKalb, que tem 55% da po­pu­la­ção ne­gra, mas tam­bém am­pli­ar a di­fe­ren­ça pa­ra Trump em re­giões de mai­o­ria bran­ca, co­mo Cobb, on­de o re­sul­ta­do foi mais aper­ta­do —47,9% a 45,8% pa­ra Hil­lary.

En­tre jo­vens e ne­gros que vo­ta­rão pe­la pri­mei­ra vez nes­te ano, o sen­ti­men­to an­ti-Trump é bem mai­or que o pró-Bi­den. En­quan­to al­mo­ça­vam nos gra­ma­dos da pra­ça cen­tral de De­ca­tur, se­de do con­da­do de DeKalb, os es­tu­dan­tes Bra­don Ery e Ash­ley To­li­ver re­cla­ma­vam da agres­si­vi­da­de do pre­si­den­te.

Aos 21 anos, os es­tre­an­tes nas ur­nas di­zem não co­nhe­cer as po­lí­ti­cas de Bi­den com de­ta­lhes, mas que­rem Trump fo­ra do car­go. “Te­nho du­as op­ções, e Trump é bem pou­co pro­fis­si­o­nal”, diz Bran­don.

“Bi­den im­pri­me um pou­co mais de res­pei­to. Se Trump vai fa­zer por­ca­ria, que ao me­nos fi­zes­se de um jei­to mais res­pei­to­so. Mas não, ele diz na nos­sa ca­ra: ‘Is­so é o que vou fa­zer e não me im­por­to em co­mo vo­cê se sen­te’.”

Ash­ley acom­pa­nha o di­ag­nós­ti­co fei­to pe­lo ami­go e sa­be que o de­mo­cra­ta con­ta com elei­to­res co­mo eles pa­ra vi­rar o jo­go elei­to­ral na Geór­gia —e em gran­de par­te do país. “Bi­den apos­ta em jo­vens e ne­gros, e tam­bém acho que vai ser bom ter uma vi­ce­pre­si­den­te mu­lher e ne­gra pe­la pri­mei­ra vez”, ex­pli­ca a jo­vem, fa­zen­do re­fe­rên­cia à se­na­do­ra Ka­ma­la Har­ris, com­pa­nhei­ra de cha­pa de Bi­den.

Mas o sen­ti­men­to an­tiT­rump não mo­ti­va a to­dos. Tam­bém mo­ra­do­ra de De­ca­tur, a em­pre­sá­ria Ale­xan­dria Edwards, 30, apro­vei­ta­va o sol quen­te que fa­zia na ter­ça-fei­ra (6) pa­ra tra­ba­lhar em uma me­sa do la­do de fo­ra de seu es­cri­tó­rio, mas diz que na­da vai ti­rá-la de sua ca­sa no pró­xi­mo dia 3 de no­vem­bro, da­ta mar­ca­da pa­ra a votação.

“Bi­den fo­ca a po­pu­la­ção ne­gra de um jei­to er­ra­do. Não tem aju­da­do re­al­men­te nos­sa co­mu­ni­da­de. Mi­ra can­to­res, rap­pers, pes­so­as ne­gras fa­mo­sas pa­ra pas­sar a ideia de que es­tá en­vol­vi­do com a gen­te, mas não es­tá. Não acho que te­mos bons can­di­da­tos nes­te mo­men­to. Não vou vo­tar.”

A pos­tu­ra da em­pre­sá­ria é a gran­de pre­o­cu­pa­ção da cam­pa­nha de Bi­den e de elei­to­res ne­gros de­mo­cra­tas mais ex­pe­ri­en­tes, trau­ma­ti­za­dos com a fal­ta de mo­bi­li­za­ção do gru­po nas ur­nas, em 2016, o que cus­tou a der­ro­ta a Hil­lary.

O ele­tri­cis­ta Robby Evans é um dos que afir­mam acre­di­tar que o ex-vice-pre­si­den­te não po­de apos­tar to­das as fi­chas nos jo­vens ne­gros que, no fim, tal­vez não se ani­mem a vo­tar.

Aos 46 anos, ele diz que o per­fil de elei­to­res ar­re­pen­di­dos, co­mo o do mo­to­ris­ta Do­min­go, é uma cha­ve im­por­tan­te pa­ra con­quis­tar os ar­re­do­res da ci­da­de de Atlan­ta.

“São aque­les com re­mor­so, que vo­ta­ram em Trump e ago­ra fa­lam: ‘Meu deus, is­so não é o que es­co­lhi’”, afir­ma.

A cer­ca de 30 km de on­de Evans tra­ba­lha na ca­pi­tal, a ci­da­de de Ma­ri­et­ta abri­ga al­guns des­ses ar­re­pen­di­dos. Ali, o ce­ná­rio de­mo­grá­fi­co é bem di­fe­ren­te do ob­ser­va­do em Atlan­ta, on­de 51% dos 500 mil ha­bi­tan­tes são ne­gros.

En­tre as 60 mil pes­so­as que vi­vem em Ma­ri­et­ta, 60% são bran­cas, as­sim co­mo o pi­lo­to Jim Smith, 38, e a apo­sen­ta­da An­ne, 76. Os dois vo­ta­ram em Trump em 2016, mas só An­ne vai man­ter o apoio nes­te ano.

“Trump é es­se ti­po de pes­soa [trans­gres­so­ra], acho que po­de­ria usar más­ca­ra mais ve­zes, mas não ve­jo na­da de er­ra­do no que es­tá fa­zen­do.”

O pi­lo­to, por sua vez, diz que a pos­tu­ra do pre­si­den­te di­an­te da pan­de­mia do co­ro­na­ví­rus não es­tá en­tre as ra­zões que o le­va­ram a de­sis­tir do vo­to no re­pu­bli­ca­no. “Mi­nhas con­si­de­ra­ções são mais so­bre eco­no­mia e questões so­ci­ais. Mi­nha vi­da não me­lho­rou nos úl­ti­mos qu­a­tro anos.”

So­bre Bi­den, Smith afir­ma que o de­mo­cra­ta é “um ca­ra le­gal”, mas ain­da não tem cer­te­za se o de­sa­pon­ta­men­to com Trump vai ge­rar um vo­to no ex-vice de Oba­ma. “Não di­ria que não gos­to de Bi­den. Mas con­cor­do com ele? Não sei.”

“Bi­den apos­ta em jo­vens e ne­gros, e tam­bém acho que vai ser bom ter uma vice-pre­si­den­te mu­lher e ne­gra pe­la pri­mei­ra vez”

Ash­ley To­li­ver, 21 es­tu­dan­te que vo­ta­rá pe­la pri­mei­ra vez

Jes­si­ca McGowan - 12.out.2020/AFP

Téc­ni­co do ti­me de bas­que­te Atlan­ta Hawks, Lloyd Pi­er­ce, em fren­te à Sta­te Farm Are­na du­ran­te o pri­mei­ro dia de votação an­te­ci­pa­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.