Folha de S.Paulo

De­poi­men­to à PF foi re­gis­tra­do sem ou­vir tes­te­mu­nha

Ja­to

- Mô­ni­ca Ber­ga­mo Crime · Lula da Silva · German Federal Police · Como · Supreme Federal Court · Claudius · United Kingdom Ministry of Justice

Pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to de Cu­ri­ti­ba afir­ma­ram, em diá­lo­gos hac­ke­a­dos, que uma de­le­ga­da la­vrou o ter­mo de de­poi­men­to de uma tes­te­mu­nha sem que ela ti­ves­se si­do ou­vi­da. A de­fe­sa do ex-pre­si­den­te Lu­la en­vi­ou a conversa ao Su­pre­mo.

Re­ve­la­ção apa­re­ce em iné­di­tas men­sa­gens hac­ke­a­das de pro­cu­ra­do­res da La­va

são pau­lo Pro­cu­ra­do­res da for­ça-ta­re­fa da Ope­ra­ção La­va Ja­to de Cu­ri­ti­ba afir­ma­ram, em diá­lo­gos hac­ke­a­dos, que uma de­le­ga­da da Po­lí­cia Fe­de­ral la­vrou o ter­mo de de­poi­men­to de uma tes­te­mu­nha sem que ela fos­se ou­vi­da.

“Co­mo ex­põe a Eri­ka: ela en­ten­deu que era pe­di­do nos­so e la­vrou ter­mo de de­poi­men­to co­mo se ti­ves­se ou­vi­do o ca­ra, com es­cri­vão e tu­do, quan­do não ou­viu na­da... DPFs [de­le­ga­do da po­lí­cia fe­de­ral] são fa­cil­men­te ex­pos­tos a pro­ble­mas ad­mi­nis­tra­ti­vos”, afir­mou Del­tan Dal­lag­nol em uma conversa por men­sa­gens com o pro­cu­ra­dor Or­lan­do Mar­tel­lo Jú­ni­or.

O diá­lo­go, de 26 de ja­nei­ro de 2016, foi en­vi­a­do pe­la de­fe­sa do ex-pre­si­den­te Lu­la ao STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) nes­ta se­gun­da (22).

Au­to­ri­za­do pe­la Cor­te, o es­cri­tó­rio Tei­xei­ra Za­nin Mar­tins Ad­vo­ga­dos, que re­pre­sen­ta o pe­tis­ta, es­tá ana­li­san­do as men­sa­gens in­ter­cep­ta­das ile­gal­men­te por um hac­ker que in­va­diu os te­le­fo­nes ce­lu­la­res de au­to­ri­da­des. O ma­te­ri­al foi re­co­lhi­do pe­la Ope­ra­ção Spo­o­fing, que in­ves­ti­ga a in­va­são dos apa­re­lhos, e dis­po­ni­bi­li­za­do pa­ra a de­fe­sa do ex-pre­si­den­te.

Na res­pos­ta a Dal­lag­nol, o pro­cu­ra­dor Or­lan­do Mar­tel­lo diz, se­gun­do os diá­lo­gos trans­cri­tos pe­lo pe­ri­to Cláu­dio Wag­ner, con­tra­ta­do pe­los ad­vo­ga­dos de Lu­la:

“Po­de­mos com­bi­nar com ela [Eri­ka] de ela nos pro­vo­car di­an­te das no­tí­ci­as do jor­nal pa­ra rein­qui­ri-lo ou al­go pa­re­ci­do. Po­de­mos con­ver­sar com ela e ver qu­al es­tra­té­gia ela pre­fe­re. Tal­vez até, di­an­te da no­tí­cia, rein­qui­ri-lo de tu­do. Se não fi­zer­mos al­go, cai­re­mos em des­cré­di­to. O mes­mo ocor­reu com pa­di­lha e ou­tros. Te­mos q cha­mar es­se pes­so­al aqui e rein­qui­ri­los. Já dis­se, a culpa mai­or é nos­sa. Fo­mos dis­pli­cen­tes!!! To­dos nós, on­de me in­cluo. Era uma coi­sa ób­via q não vi­mos. Con­fi­a­mos nos advs e nos co­la­bo­ra­do­res. Er­ra­mos mes­mo!”. O tex­to foi man­ti­do com a gra­fia ori­gi­nal.

Del­tan Dal­lag­nol, mais adi­an­te, pon­de­ra: “Con­cor­do. Mas se o co­la­bo­ra­dor e a de­fe­sa re­ve­la­rem co­mo foi o pro­ce­di­men­to, a Eri­ka po­de sair mui­to quei­ma­da nes­sa... po­de dar fal­si­da­de con­tra ela... is­so que me pre­o­cu­pa”.

Os pro­cu­ra­do­res se re­fe­rem à de­le­ga­da ape­nas pe­lo pri­mei­ro no­me. Na La­va Ja­to atu­a­va uma de­le­ga­da, Eri­ka Ma­re­na, que tra­ba­lhou ne­la des­de seus pri­mór­di­os e de for­ma es­trei­ta com a equi­pe de pro­cu­ra­do­res.

Co­or­de­na­do­ra das in­ves­ti­ga­ções, a po­li­ci­al che­gou a ser apon­ta­da co­mo res­pon­sá­vel por ba­ti­zar a ope­ra­ção. Não é pos­sí­vel, no en­tan­to, sa­ber se os diá­lo­gos se re­fe­rem a ela.

Em 2018, Ma­re­na foi con­vi­da­da por Ser­gio Mo­ro pa­ra in­te­grar sua equi­pe no Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça. De­pois da saí­da de­le, aca­bou exo­ne­ra­da.

A co­lu­na pro­cu­rou a po­li­ci­al, mas não con­se­guiu con­ta­to.

Na pe­ti­ção en­ca­mi­nha­da ao STF, a de­fe­sa de Lu­la diz que os diá­lo­gos re­ve­lam uma “gra­vís­si­ma re­a­li­da­de”.

“Além de te­rem pra­ti­ca­do inú­me­ras ile­ga­li­da­des con­tra o aqui re­cla­man­te [Lu­la], a cons­tru­ção de um ce­ná­rio em que ele ocu­pa­ria a li­de­ran­ça má­xi­ma de uma afir­ma­da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa en­vol­veu o uso con­tu­maz de de­poi­men­tos que ja­mais exis­ti­ram”, di­zem os ad­vo­ga­dos.

Os pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to não re­co­nhe­cem a au­ten­ti­ci­da­de das con­ver­sas e di­zem que elas po­dem ter si­do ma­ni­pu­la­das, além de te­rem si­do ob­ti­das por mei­os cri­mi­no­sos.

Em no­ta en­vi­a­da à Fo­lha, afir­mam que “os pro­ce­di­men­tos e atos da for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to sem­pre se­gui­ram a lei e es­ti­ve­ram em­ba­sa­dos em fa­tos e pro­vas”. Tam­bém di­zem

Del­tan Dal­lag­nol

em conversa com o pro­cu­ra­dor Or­lan­do Mar­tel­lo Jú­ni­or não re­co­nhe­cer “as su­pos­tas men­sa­gens, que fo­ram edi­ta­das ou de­tur­pa­das pa­ra fa­zer fal­sas acu­sa­ções que não têm ba­se na re­a­li­da­de.”

“Co­mo ex­põe a Eri­ka: ela en­ten­deu que era pe­di­do nos­so e la­vrou ter­mo de de­poi­men­to co­mo se ti­ves­se ou­vi­do o ca­ra, com es­cri­vão e tu­do, quan­do não ou­viu na­da...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil