Folha de S.Paulo

Vi­ve­mos o pi­or mo­men­to da Co­vid-19 no Bra­sil

Com su­as mu­ta­ções de es­ca­pe, é pos­sí­vel que o ví­rus se an­te­ci­pe à va­ci­na­ção

- C. For­ta­le­za, L. Ca­mar­go, D. Co­vas, M. Bou­los, R. An­ge­ra­mi, B. Fon­se­ca, E. Mas­sad, F. Cou­ti­nho e G. Ve­ci­na Health · Brazil · Sao Paulo · T. S. Eliot · New Zealand · Germany · Spain · José Saramago · Europe · Como · Mary J. Blige · Edson Cholbi Nascimento · Portugal · Partido dos Trabalhadores · United States of America · Statue of Liberty · Donald Trump · Nova · Guimaraes

Se con­ti­nu­ar­mos a pen­sar que Ara­ra­qua­ra e Jaú são lon­gín­quas ilhas do Pa­cí­fi­co, mar­cha­re­mos ra­pi­da­men­te pa­ra o co­lap­so da saú­de. Não em São Pau­lo, mas no país.

“E as­sim aca­ba o mun­do. Não com uma ex­plo­são, mas com um ge­mi­do”, con­cluía T. S. Eli­ot em “The Hol­low Men”. Uma pan­de­mia não é me­nos des­tru­ti­va que uma guer­ra. Po­de, no en­tan­to, ser des­qua­li­fi­ca­da, to­tal ou par­ci­al­men­te.

Se­ja­mos cla­ros: em ne­nhum mo­men­to a Co­vid-19 as­so­lou o Bra­sil co­mo ago­ra. Cres­cem as in­ter­na­ções e mor­tes. Dis­se­mi­nam-se va­ri­an­tes vi­rais, pro­va­vel­men­te mais trans­mis­sí­veis e tal­vez cau­san­do do­en­ça mais gra­ve. Pi­or: é pos­sí­vel que es­sas va­ri­an­tes es­ca­pem à imu­ni­da­de con­fe­ri­da pe­las va­ci­nas.

Que es­sa não é uma si­tu­a­ção sem es­pe­ran­ça de­mons­tram os exem­plos da No­va Ze­lân­dia, Ale­ma­nha e Es­pa­nha. E o mo­vi­men­to co­e­ren­te (ain­da que tar­dio) do mu­ni­cí­pio de Ara­ra­qua­ra (273 km de SP). Po­rém, vi­ve­mos uma epi­de­mia de ce­guei­ra que ul­tra­pas­sa as pre­vi­sões de Sa­ra­ma­go. O pac­to co­le­ti­vo de au­to­en­ga­no con­sis­tia em ne­gar o que ocor­re na Eu­ro­pa. Ago­ra se es­ten­de a ig­no­rar o co­lap­so da ci­da­de vi­zi­nha.

Co­mo en­ten­der que Ara­ra­qua­ra e Jaú es­te­jam em lock­down en­quan­to Bau­ru, a 55 km da úl­ti­ma, faz pas­se­a­tas pe­lo di­rei­to à aglo­me­ra­ção?

Sem dú­vi­da es­se é um ca­so pa­ra aná­li­se em an­tro­po­lo­gia e ci­ên­ci­as do com­por­ta­men­to. Não que se me­nos­pre­zem os da­nos econô­mi­cos, so­ci­ais e psi­co­ló­gi­cos do dis­tan­ci­a­men­to. Mas, na emer­gên­cia da saú­de pú­bli­ca, o va­lor in­trín­se­co da vi­da de­ve ser re­for­ça­do. Não sa­be­mos tu­do, mas já acu­mu­la­mos for­tes evi­dên­ci­as. As “me­di­das não far­ma­cêu­ti­cas”, in­cluin­do dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al por fe­cha­men­to de co­mér­cio, ini­bi­ção de aglo­me­ra­ções e uso ri­go­ro­so de más­ca­ras são o úni­co (amar­go) ca­mi­nho pa­ra in­ter­rom­per a pro­gres­são da Co­vid-19.

Não con­se­gui­re­mos va­ci­nar a tem­po. É pos­sí­vel que o ví­rus se an­te­ci­pe à va­ci­na, com su­as mu­ta­ções de es­ca­pe. A trans­mis­são do co­ro­na­ví­rus ge­ra opor­tu­ni­da­des pa­ra sur­gi­men­to de va­ri­an­tes. É ur­gen­te, pois, in­ter­rom­pê-la. Mas, se con­ti­nu­ar­mos a pen­sar que Ara­ra­qua­ra e Jaú são lon­gín­quas ilhas do Pa­cí­fi­co, mar­cha­re­mos ra­pi­da­men­te pa­ra o co­lap­so da saú­de. Não no es­ta­do de São Pau­lo, mas no país.

Pas­sa­mos pe­la fa­se da ilu­são de “en­ter­ros fal­sos”. Mui­tos de nós já ti­ve­ram ví­ti­mas fa­tais na fa­mí­lia. Tam­bém já es­tão so­ter­ra­das as pí­lu­las mi­la­gro­sas —clo­ro­qui­na, iver­mec­ti­na e ni­ta­zo­xa­ni­da. Os an­ti­vi­rais com re­sul­ta­dos pro­mis­so­res são no­vos, ca­ros, ina­ces­sí­veis. O pre­fei­to de Ara­ra­qua­ra, Edi­nho Sil­va (PT), já men­ci­o­na a di­fi­cul­da­de em con­se­guir oxi­gê­nio. O ca­os es­tá aqui, es­tá em to­do lu­gar.

Pe­sa so­bre nós uma es­co­lha. De um la­do te­mos o darwi­nis­mo so­ci­al, em que acei­ta­re­mos a mor­te de centenas de mi­lha­res co­mo uma pe­que­na in­con­ve­ni­ên­cia su­por­ta­da em no­me da eco­no­mia. Do ou­tro, a chan­ce de apren­der com as li­ções po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas de ou­tros paí­ses. Co­mo bom exem­plo, te­mos a No­va Ze­lân­dia. No ex­tre­mo opos­to, os Es­ta­dos Uni­dos. Ain­da há tem­po pa­ra dei­xar­mos de ba­ter con­ti­nên­cia a ré­pli­cas da Es­tá­tua da Li­ber­da­de e re­co­nhe­cer­mos que Do­nald Trump le­vou seu país ao fun­do do po­ço da saú­de pú­bli­ca.

Não se­rá o fim do mun­do, mas já é uma ca­tás­tro­fe sem pre­ce­den­tes. Si­len­ci­o­sa, ex­ce­to pe­los ruí­dos de am­bu­lân­ci­as e ven­ti­la­do­res me­câ­ni­cos, quan­do exis­tem. Ou pe­los ge­mi­dos da­que­les a quem fal­ta o ar. Uma ago­nia tão in­ten­sa e des­tru­ti­va quan­to bom­bar­dei­os.

Ma­ni­pu­lar po­li­ti­ca­men­te o boi­co­te às me­di­das ób­vi­as de con­ten­ção da Co­vid-19 foi a re­cei­ta pa­ra o ca­os, tan­to nos Es­ta­dos Uni­dos quan­to no Ama­zo­nas. Não é mui­to de­se­jar que apren­da­mos com nos­sos er­ros. “O que a vi­da quer da gen­te”, di­ria Gui­ma­rães Ro­sa, “é co­ra­gem”.

Vi­ve­mos uma epi­de­mia de ce­guei­ra que ul­tra­pas­sa as pre­vi­sões de Sa­ra­ma­go. O pac­to co­le­ti­vo de au­to­en­ga­no con­sis­tia em ne­gar o que ocor­re na Eu­ro­pa. Ago­ra se es­ten­de a ig­no­rar o co­lap­so da ci­da­de vi­zi­nha. Co­mo en­ten­der que Ara­ra­qua­ra e Jaú es­te­jam em lock­down en­quan­to Bau­ru, a 55 km da úl­ti­ma, faz pas­se­a­tas pe­lo di­rei­to à aglo­me­ra­ção?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil