LE­ROY MER­LIN / C&C

Mais vir­tu­ais, Le­roy Mer­lin al­can­ça 41% na zo­na oes­te e C&C tem 28% na nor­te

Folha De S.Paulo - Saopaulo - - Índice #337 - por An­drea Mar­tins

O mun­do di­gi­tal es­tá ca­da vez mais con­cre­to, pe­lo me­nos nas gran­des re­des de ma­te­ri­al de cons­tru­ção. De olho no con­su­mi­dor que com­pra pe­la in­ter­net, C&C e Le­roy Mer­lin in­ves­tem pe­sa­do em su­as pla­ta­for­mas de e-com­mer­ce. Ino­va­ções e pro­xi­mi­da­de do cli­en­te que re­fle­ti­ram na pes­qui­sa Da­ta­fo­lha: as du­as em­pa­ta­ram com 21% (Le­roy Mer­lin) e 20% (C&C) das men­ções.

“De­vi­do à mu­dan­ça de com­por­ta­men­to do con­su­mi­dor, as no­vas pla­ta­for­mas ga­ran­tem pra­ti­ci­da­de, con­for­to e se­gu­ran­ça na ho­ra da com­pra”, con­ta Jo­sé Ven­tu­ra, di­re­tor-ge­ral da C&C Ca­sa e Cons­tru­ção.

A em­pre­sa é mul­ti­pla­ta­for­ma. Para com­prar, o cli­en­te po­de ir a uma de su­as 41 lo­jas es­pa­lha­das por Es­ta­dos co­mo São Pau­lo, Rio de Ja­nei­ro e Es­pí­ri­to San­to, usar o te­le­fo­ne, a in­ter­net ou o sis­te­ma Re­ti­ra Lo­ja (a com­pra é fei­ta pe­lo si­te e o cli­en­te re­ti­ra o pro­du­to em uma uni­da­de). A me­ta é tor­nar o e-com­mer­ce, ini­ci­a­do em 2001, a maior lo­ja C&C.

Já o ob­je­ti­vo da Le­roy Mer­lin não é me­nos ou­sa­da: ofe­re­cer 1 mi­lhão de itens na in­ter­net para seus con­su­mi­do­res.

“Es­ta­mos dis­po­ni­bi­li­zan­do o es­to­que de to­das as nos­sas lo­jas no si­te, so­mos o pri­mei­ro va­re­jis­ta do Bra­sil a fa­zer is­so”, diz Pau­lo San­tos Fe­lip­pe Jo­sé, di­re­tor de Co­mu­ni­ca­ção da Le­roy Mer­lin Bra­sil.

Pe­lo sis­te­ma Cli­que e Re­ti­re, o pro­du­to ob­ti­do on-li­ne tam­bém po­de ser re­ti­ra­do na uni­da­de mais pró­xi­ma.

Nes­te ano, a em­pre­sa lan­çou um ca­nal do YouTu­be cha­ma­do “Ca­sa de Ver­da­de”, que tem co­mo prin­ci­pal ob­je­ti­vo ge­rar um con­teú­do prá­ti­co e di­dá­ti­co para quem quer me­xer na ca­sa com as pró­pri­as mãos.

A re­de de ori­gem fran­ce­sa tem 41 lo­jas fí­si­cas em 11 Es­ta­dos. Re­cen­te­men­te, inau­gu­rou uma me­ga­lo­ja em Tau­ba­té (SP) e pla­ne­ja re­cons­truir e rei­nau­gu­rar a maior uni­da­de, na mar­gi­nal do Ti­e­tê, até o fi­nal des­te ano.

A Le­roy Mer­lin foi lem­bra­da por 41% dos mo­ra­do­res da zo­na oes­te. “Ti­ve­mos a inau­gu­ra­ção de uma no­va lo­ja na re­gião, no Ja­gua­ré”, acres­cen­ta Jo­sé.

A C&C, por sua vez, te­ve na zo­na nor­te 28% das su­as men­ções. Na re­gião, há três gran­des uni­da­des, uma de­las no shop­ping Lar Cen­ter. Para o pú­bli­co mais so­fis­ti­ca­do, ofe­re­ce, des­de 2015, o con­cei­to pre­mium Xha­ra C&C, no shop­ping D&D. Es­pe­ci­a­li­za­da em pro­du­tos de lu­xo, a Xha­ra é des­ti­na­da a aten­der cli­en­tes, arquitetos e de­sig­ners de in­te­ri­o­res.

Pe­la pes­qui­sa, en­tre­vis­ta­dos que ga­nham mais de 20 sa­lá­ri­os mí­ni­mos re­pre­sen­tam 17%. En­tre os que ga­nham de 10 a 20 sa­lá­ri­os mí­ni­mos, a mar­ca foi ci­ta­da por 25%.

Já a Le­roy Mer­lin che­gou a 30% tan­to en­tre os que ga­nham de 10 a 20 sa­lá­ri­os mí­ni­mos quan­to en­tre os que su­pe­ram es­sa fai­xa de ren­da. Na clas­se A, atin­giu 31%.

As ex­pec­ta­ti­vas para o se­tor de atu­a­ção das du­as em­pre­sas são po­si­ti­vas. Ape­sar da re­tra­ção de 8% re­gis­tra­da nas ven­das nos úl­ti­mos 12 me­ses, a cri­se já es­tá dan­do lu­gar à re­cu­pe­ra­ção. O pri­mei­ro qua­dri­mes­tre de 2017 re­gis­trou aque­ci­men­to de 3% na com­pa­ra­ção ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, se­gun­do le­van­ta­men­to da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Co­mer­ci­an­tes de Ma­te­ri­al de Cons­tru­ção (Ana­ma­co).

“O es­pe­ra­do é cres­cer­mos en­tre 3% e 3,5%, em 2017”, afir­ma Clau­dio Eli­as Conz, pre­si­den­te da Ana­ma­co.

Le­roy Mer­lin e C&C con­cor­dam e já per­ce­bem me­lho­ras no mo­vi­men­to.

“Ob­ser­va­mos pro­gres­são no nú­me­ro de cli­en­tes em to­das as nos­sas lo­jas”, co­me­mo­ra Jo­sé, da Le­roy Mer­lin.

Para Jo­sé Ven­tu­ra, da C&C, o se­tor é um dos pri­mei­ros a re­a­gir quan­do a eco­no­mia dá si­nais de re­cu­pe­ra­ção. “Nos­sa ex­pec­ta­ti­va, com es­sa me­lho­ra, é cres­cer mais do que a mé­dia do mer­ca­do”, re­for­ça o exe­cu­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.